Orações relativas em karitiana

Karin Camolese Vivanco

Resumo


As relativas do karitiana exibem tanto características de relativas de núcleo externo (o movimento do núcleo) quanto de relativas de núcleo interno (o padrão de marcação de caso), dificultando sua classificação e análise. Verificamos em um experimento de produção que orações relativas com núcleos não frontalizados são possíveis na língua, o que nos leva a classificar as relativas do karitiana como de núcleo interno. Para acomodar a distribuição de advérbios nessas construções, propomos ainda uma análise na qual o movimento do núcleo para a periferia da oração seria uma adjunção à projeção mais alta das subordinadas, AspP.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.31513/linguistica.2014.v10n2a4613

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: