Multilinguismo e atitudes línguísticas de estudantes de Miranda-MS

Fabiana Biondo, Patrícia Graciela Rocha

Resumo


Este trabalho apresenta um panorama da realidade multilíngue de Miranda-MS, bem como as atitudes linguísticas de estudantes da escola básica do município, com o intuito de contribuir para dar visibilidade à diversidade cultural e linguística de nosso país. Investigamos as escolas de Educação Básica e elegemos alunos das séries finais do Ensino Fundamental, do Ensino Médio e da EJA como participantes da pesquisa, na qual investigamos: a) as línguas que circulam naquela região; b) a avaliação que os falantes fazem dessas línguas e, de modo relacionado, o c) o status que as diferentes línguas ocupam nessa comunidade. Como referencial teórico, trazemos estudos sobre bilinguismo, multilinguismo, plurilinguismo e, sob a ótica da sociolinguística laboviana, a ideia de avaliação linguística. O estudo possibilitou identificar um conjunto de 7 línguas circulando nas 6 escolas participantes da pesquisa: português, espanhol, inglês, guarani, terena, kaiowá e xinguana. Quanto às atitudes linguísticas dos estudantes, revelou o status que as línguas inglesa, espanhola e portuguesa ocupam nessa comunidade multilíngue, o que não nos pareceu ligado apenas a crenças e atitudes identificáveis por meio do binômio colonizador/colonizado, mas que se misturaram e dissolveram entre esses povos por meio de uma história de subjugação colonial dos indígenas, de seus costumes e aspectos culturais.


Palavras-chave


multilinguismo; atitudes linguísticas, Miranda-MS, línguas de prestígio, colonização.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILERA, V. de A. Crenças e atitudes lingüísticas: quem fala a língua brasileira? In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (Orgs.). Português brasileiro II: contato lingüístico, heterogeneidade e história. Niterói: Editora Federal Fluminense, 2008. p. 311-333

BAGNO, M. Preconceito Linguístico. 56ª ed. Revista e ampliada – São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BAGNO, M. Dicionário crítico de sociolinguística. 1ª ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2017.

BOTASSINI, J. O. M. A Importância dos Estudos de Crenças e Atitudes para a Sociolinguística. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, n. 18/1, p. 102-131, 2015.

COLAÇA, J.P. As Políticas de Línguas sobre o Guarani no Paraguai e o Bilinguismo Imaginário. Matraga: Rio de Janeiro, v.23, n.38, 2016.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. Trad. Marcos Bagno, Maria Marta P. Scherre e Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Ed. Parábola, 2008 [1972].

LADEIRA, Maria Elisa. Povos indígenas no Brasil, 2018. Instituto socioambiental. Disponível em: . Acesso em: 16/01/2020.

MILANEZ, F. et al. Existência e Diferença: O Racismo Contra os Povos Indígenas. Rev. Direito Práx., Rio de Janeiro , v. 10, n. 3, p. 2161-2181, Sept. 2019. Available from . access on 16 Jan. 2020. Epub Sep 16, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8966/2019/43886.

MODENA, C. Cresce interesse no Estado pelo aprendizado do Guarani. Correio do Estado, 2016. Disponível em: Acesso em 16/01/2020.

MORENO FERNANDES, F. Principios de sociolingüística y sociología del linguaje. Barcelona: Ariel, 1998.

OLIVEIRA, D. P. O Atlas Lingüístico de Mato Grosso do Sul. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, n. 9/2, p. 169-183, dez. 2006.

OLIVEIRA, G.M. Plurilinguismo no Brasil. IPOL: Brasília, 2008.

OLIVEIRA, G. M. Línguas de fronteira, fronteiras de línguas: do multilinguismo ao plurilisguismo nas fronteiras do brasil. Revista GeoPantanal. UFMS/AGB. Corumbá/MS. N. 21, 59-72. Jul./Dez. 2016.

PECHINCHA, M.T.S. Povos indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2019. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Kadiw%C3%A9u> Acesso em 16/01/2020.

RODRIGUES, A. Psicologia social. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1972.

RODRIGUES,C. B. Atitude, imaginário, representação e identidade linguística: aspectos conceituais. Caderno do CNLF. v. 16, n. 4, p. 362-372, 2012.

SEVERO, C.G. Entre a Sociolinguística e os Estudos Discursivos: o problema da avaliação. Revista Interdisciplinar. Ano VI, V.14, p. 7-15, 2011.

WEINREICH, U; LABOV, W; HERZOG, M. I. Fundamentos Empíricos para uma Teoria da Mudança Linguística. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Ed. Parábola, 2006 [1968].




DOI: https://doi.org/10.35520/diadorim.2020.v22n1a32001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Indexadores e bases bibliográfcias:
Google Scholar  LivRe  DRJI Base EZB  WorldCat Kubikat InfoGuide HNU 


Licença Creative Commons
A Revista Diadorim utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.