A tradução pedagógica em interações de sala de aula de português em Macau, China: recursos para o multilinguismo

Mengqing Rui, Roberval Teixeira e Silva

Resumo


No contexto multilíngue da China, a sala de aula de ensino de português tem cada vez ocupado mais espaço. Neste ambiente, o confronto entre metodologias tem avivado debates sobre diferentes técnicas e as suas adequações em termos de eficácia didática. Este artigo tem como objetivo discutir o uso da tradução pedagógica no discurso do professor em interações de sala de aula de Português como Língua Não-Materna (PLNM), de forma a contribuir para a qualificação docente e promover a construção conjunta de conhecimento em sala de aula. Para tanto, a sociolinguística interacional é a referência que traz uma perspectiva geral para investigar a atuação da tradução pedagógica na interação em sala de aula, enquanto que a classificação de tipos de tradução de Chesterman (1997) serve de referência para categorizar e discutir este recurso discursivo. No tratamento de dados, adotamos princípios da microanálise etnográfica como metodologia, procurando entender os efeitos interativos que o uso de estratégias de tradução pedagógica pode criar na construção do conhecimento e dar ferramentas teórico-práticas para o professor refletir sobre a sua prática profissional.


Palavras-chave


Tradução pedagógica; discurso do professor; interação de sala de aula; estratégias de tradução pedagógica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEGRE, T. A Tradução Pedagógica no Atual Ensino de Línguas: O Caso do Alemão. In: Actas do 5º Encontro Nacional sobre o Ensino das Línguas Vivas no Ensino Superior: Novas Tecnologias - Novas Perspectivas - Novas Fronteiras, p. 11-28, 2002.

ALLWRIGHT, D. The death of the method. Plenary paper for the SGAV Conference, Carleton University: Ottawa, may, 1991.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Pontes, 1993.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola, 2008.

BRANCO, S. D. O. Teorias da tradução e o ensino de língua estrangeira. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 8, n. 2, p. 185-199, 2010.

CHESTERMAN, A. Memes of translation: The spread of ideas in translation theory. Amsterdam, Philadelphia: Benjamins Translation Library, 1997.

CORRÊA, E. F. DE S. Sobre a necessidade da tradução pedagógica na aula de língua não materna: quinta habilidade e macroestratégias. Revista de Letras, v. 2, n. 33, 11. 2014

ERICKSON, F. Ethnographic microanalysis of interaction. In: The handbook of qualitative research in education, 1992, p. 201-225.

FABRÍCIO, B. F. Interação e construção do conhecimento na sala de aula de língua estrangeira. Intercâmbio. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. ISSN 2237-759X 8, 1999.

FRACARO, C. L. Quem tem medo de tradução? Revista Desempenho. Brasília, v. 1, n. 1, p. 105-115, nov, 2002.

GOFFMAN, E. Frame analysis: An essay on the organization of experience. Harvard University Press, 1974.

GOFFMAN, E. The Presentation of Self in Everyday Life. Garden City, N.Y. : Doubleday, 1959.

GRADISKI, Anatoli Konstantin. Mundo da vida e intersubjetividade linguística à luz da teoria evolutiva de habermas. Kínesis, Vol. III, n° 05, Julho-2011, p. 82-91

LAVAULT, Elisabeth. Fonctions de la traduction en didactique des langues: apprendre une langue en apprenant à traduire. Paris: Didier Érudition, 1985.

LEONARDI, V. The role of pedagogical translation in second language acquisition: from theory to practice. Bern: Peter Lang Publishing, 2010.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Abordagens qualitativas de pesquisa: a pesquisa etnográfica e o estudo de caso. São Paulo: EPU, 11-24, 1986.

PEZZINI, Ornella Inês. Análise das estratégias de tradução de cem resumos/abstracts da revista DELTA (segundo CHESTERMAN 1997). Dissertação (Mestrado) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina. 2005.

PRABHU, N. S. There is no best method – why? TESOL Quarterly 24, p. 161-176, 1990.

RUI, Mengqing. O uso da tradução no discurso do professor em interações de sala de aula de PLNM. Dissertação de Mestrado. Universidade de Macau. 2016

SACKS, H.; Schegloff, E.; JEFFERSON, G. A Simplest Systematics for the Organization of Turn Taking for Conversation. Language. v 50, n. 4, p. 696-735, 1974.

SOUZA CORRÊA, Elisa Figueira de. A tradução pedagógica: experimentos e exercícios para uso em aula. EntreLínguas, Araraquara, v. 3, n. 1, p. 179-202, jul./dez. 2017. Disponível em: . E-ISSN: 2447-3529.

TANNEN. D.; WALLAT. C. Enquadres interativos e esquemas de conhecimento em interação: exemplos de um exame/consulta médica. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. Sociolinguística Interacional. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2002. p. 153-174.

TEIXEIRA E SILVA, R. . A Aula de Língua Não-Materna sob uma Perspectiva Sociointeracional. In: LIMA-HERNANDES, Maria Célia; CHULATA, K. A.. (Org.). Língua Portuguesa em Foco: Ensino-Aprendizagem, Pesquisa e Tradução. 1ed.Salento: ed. Lecce: Pensa Multimedia Editores, 2010, v. 1, p. 163-175.

TEIXEIRA E SILVA, R. O discurso do professor como material didático nas aulas de português como língua não materna em Macau: construção da competência textual. In: Silva, Kleber et al. Português Como Língua (Inter)nacional: Faces e Interfaces. 1.ed. Campinas, SP: PONTES EDITORA, 2013, p. 69-84.

TEIXEIRA E SILVA, R. Silence and Silencing in the Classroom of Portuguese as a Foreign Language in Macau: Identity and Interculturality. Interface )1: Journal of European languages and literatures,. Taiwan, 2016.

VOLKOVA, T., & ZUBENINA, M. (2015). Pragmatic and sociocultural adaptation in translation: Discourse and communication approach. SKASE Journal of Translation and Interpretation, 8(1), 89-106.

WELKER, Herbert A. Traduzir frases isoladas na aula de língua estrangeira: por que não? Horizontes de Linguística Aplicada, Brasília - DF, vol. 2, n. 2, p. 149-162, 2003.

WIDDOWSON, H. G. O ensino de línguas para a comunicação. Pontes, 1991.




DOI: https://doi.org/10.35520/diadorim.2020.v22n1a32004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Indexadores e bases bibliográfcias:
Google Scholar  LivRe  DRJI Base EZB  WorldCat Kubikat InfoGuide HNU 


Licença Creative Commons
A Revista Diadorim utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.