Tradições Discursivas: conceitos e métodos para a análise diacrônica de gêneros

Jorge Luis Queiroz Carvalho, Aurea Zavam

Resumo


Este trabalho discute a gênese da noção de Tradição Discursiva (TD) como paradigma teórico e reflete sobre a polissemia do termo quando tomado como objeto de análise, visto que os estudos atuais em TD mostram que esse objeto pode ser encarado tanto como: a) formas particulares de dizer, b) gêneros, c) características constitutivas dos gêneros. Apresenta, ainda, uma proposta teórico-metodológica para análise diacrônica de gêneros a partir do modelo de Zavam (2009) e resultados de pesquisas desenvolvidas no âmbito do Grupo de Pesquisa -- Tradições Discursivas do Ceará que tomaram esse modelo como norte para a análise histórico-diacrônica de diferentes gêneros.


Palavras-chave


Linguística histórica; Tradições discursivas; Análise de gêneros.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, Jean-Michel. M. A linguística textual: uma introdução à análise textual dos discursos. Tradução de Maria das Graças Soares Rodrigues, Luis Passeggi, João Gomes da S. Neto e Eulália Vera Lúcia Fraga Leurquin. Revisão Técnica: João Gomes das S. Neto. São Paulo: Cortes, 2011.

ASKEHAVE, Inger; SWALES, John. Identificação de gênero e propósito comunicativo: um problema e uma possível solução. In: BEZERRA, Benedito Gomes; BIASI-RODRIGUES, Bernardete; CAVALCANTE, Mônica Magalhães (Org.). Gêneros e sequencias textuais. Recife: Edupe, 2009. p. 221-247.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 261-306.

______. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Autora F. Bernardini et al. São Paulo: Unesp-Hucitec, 1988.

BAZERMAN, Charles. Shaping written knowledge. Madison: The University of Wisconsin Press, 1988

CARVALHO, Jorge Luis Queiroz. Tradições discursivas em resenhas acadêmicas: mudanças e permanências entre os séculos XX e XXI. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. M. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2013.

COSERIU, Eugenio. Sincronia, diacronia e história. Rio de Janeiro/São Paulo: Presença/EDUSP, 1979.

______. O homem e sua linguagem. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1980.

COSTA, Alessandra Castilho da. A construção do sentido de redenção social na carta-testamento de Getúlio Vargas (1954): cristianismo, castilhismo, paganismo e outras tradições discursivas. Conexão Letras, v. 11, p. 57-74, 2016.

______. Tradições discursivas da mídia impressa: critérios de análise, VIII Encontro Nacional de Interação em Linguagem Verbal e Nao-Verbal e II Simposio Internacional de Análise Crítica do Discurso, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2017.

DEBRAY, Règis. Manifestos midiológicos. São Paulo: Vozes, 1995.

DILLER, Hans-Jurgen. Genre in linguistic and related discourses. In: DILLER, Hans-Jurgen; GÖRLACH, Manfred. (Ed.). Towards a History of English as a History of Genres. Heidelberg: Universitätsverlag C. Winter, p. 3-43, 2001.

GENETTE, Gérard. Palimpsestes: La littérature au second degré. Paris: Ed. Du Seuil, 1982.

GOMES, Valéria Severina. Traços de mudança e de permanência em editoriais de jornais pernambucanos: da forma ao sentido. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

JUBRAN, Clélia Abreu Spinardi. Tópico discursivo. In: ______; KOCH, Ingedore Grunfled Villaça. Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, v.1. p. 89-132, 2006.

KABATEK, Johannes. Introducción. In: KABATEK, Johannes. Sintaxis histórica del español y cambio lingüístico: nuevas perspectivas desde las Tradiciones Discursivas. Madrid: VervuertIberoamericana, 2008, p. 07-16.

______. Sobre a historicidade dos textos. Linha d’água, n. 17, p. 159-170, abr. 2005.

______. Tradição discursiva e gênero. In LOBO, T. et al (Org.). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias [online]. Salvador: EDUFBA, 2012. Disponível em Acesso em: 28 ago. 2017.

______. Tradições discursivas e mudança linguística. Alemanha, set. 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2017.

KRESS, Gunther; VAN LEEUWEN, Theo. Multimodal Discourse: The modes and media of contemporary communication. London: Arnold, 2001.

KOCH, Peter. Diskurstraditionen: zu ihrem sprachtheoretischen Status und ihrer Dynamik. In: FRANK, Barbara; HAYE, Thomas; TOPHINKE, Doris. (Hrgs.) Gattungen mittelalterlicher Schriftlichkeit. Tradução: Alessandra Castilho Ferreira da Costa. Tübingen: Narr, 1997, p. 43-79.

______. Tradiciones discursivas y cambio lingüístico: el ejemplo del tratamiento vuestra merced en español. In: KABATEK, Johannes. Sintaxis histórica del español y cambio lingüístico: nuevas perspectivas desde las Tradiciones Discursivas. Madrid/Frankfurt: Iberoamericana/Vervuert, 2008. p. 53-88.

LONGHIN, Sanderléia Roberta. Tradições discursivas: conceito, história e aquisição. São Paulo: Cortez, 2014.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos da comunicação. Tradução Cecília P. de Souza-e-Silva e Décio Rocha. São Paulo: Cortez, 2013.

MILLER, Carolyn. Gênero Textual, agência e tecnologia. DIONÍSIO, Angela Paiva; HOFFNAGEL, Judith Chambliss. (Org.). São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

OESTERREICHER, Wolf. Mudança linguística e recursos de expressividade na língua falada. In: CIAPUSCIO, Guiomar et al. (Org.) Sincronia y diacronia de tradiciones discursivas em latinoamerica. Vervuert: Iberoamericana, 2006, p. 253-282.

______. Lo hablado em lo escrito. Reflexiones metodológicas y aproximación a una tipologia. In: OESTERREICHER, Wulf; KOTSCHI, Thomas; ZIMMERMANN, Klaus (Ed.). El español hablado e la cultura oral en España e Hispanoamérica. Vervuet: Iberoamericana, 1996, p. 317-340.

RAIBLE, Wolfgang. Linking clauses. In: HASPELMATH, Martin et al. (Ed.). Language typology and language universals: an international handbook. Berlin: Walter de Gruyter, 2001. p. 590-617.

RODRIGUES, Maria Coeli Saraiva. Multimodalidade e tradição discursiva: um estudo sobre gênero anúncio publicitário. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

______. Tradução discursiva no anúncio publicitário de automóveis: permanências e mudanças do impresso ao digital. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Fortaleza, 2016.

RODRIGUES, Ticiane. Tradições discursivas em gêneros jurídicos: um estudo sobre o gênero denúncia em processos criminais dos séculos XX e XXI. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Fortaleza, 2016.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Lingüística Geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SENA, Karina Gomes. Anúncios publicitários femininos dos séculos XX e XXI: um olhar à luz do paradigma das tradições discursivas. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

SILVA, Lucimar Bezerra Dantas da. Carta-crônica: uma tradição discursiva no jornalismo potiguar. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Fortaleza, 2012.

SWALES, John. Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

VAN DIJK, Teun. Texto y contexto. Semántica y Pragmática del discurso. (Introducción de A. García Berrio), Ed. Cátedra, 1980.

ZAVAM, Aurea Suely. Por uma abordagem diacrônica dos gêneros do discurso à luz da concepção de tradição discursiva: um estudo com editoriais de jornais. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v4i1.17489

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.