Tradições Discursivas em anúncios de fugitivos nos jornais do Recife

Ana Karine Pereira de Holanda Bastos

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as tradições discursivas (TDs) dos anúncios de fuga de escravos dos jornais do Recife, do século XIX, e compará-las com as dos anúncios de procurados da atualidade, identificando os elementos constitutivos de ambos os gêneros, a fim de estabelecer um elo entre inovação e conservação de TDs entre os textos. Os critérios definidores da historicidade e tradicionalidade dos textos residem na repetição e evocação de expressões que adquirem valor de signos próprios, princípios que fundamentam a noção de TD. O arcabouço teórico está ancorado nos pressupostos das TDs, a partir das considerações de Coseriu (1979; 1980), Schlieben-Langue (1983), Koch (1997), Oesterreicher (1994; 1996; 2006), Kabatek (2004; 2005; 2008; 2010). A metodologia consiste no método histórico e na abordagem quanti-qualitativa, pautada na análise estrutural, descritiva, interpretativa dos dados, e na pesquisa documental e bibliográfica. As análises evidenciaram que tais anúncios estão muito próximos do que Oesterreicher denominou de imediatez comunicativa, apresentando sintaxe truncada, ausência de pontuação ou pontuação inadequada e ausência de elementos sintáticos que contribuem com a ruptura no tópico discursivo, entre outros aspectos.


Palavras-chave


Anúncios; Escravos; Procurados; Imprensa; Tradição discursiva

Texto completo:

pdf

Referências


ADAM, Jean-Michel. Quadro teórico de uma tipologia sequencial. In: BEZERRA, Benedito Gomes; BIASE-RODRIGUES, Bernadete; CAVALCANTE, Mônica Magalhães (Orgs.). Gêneros e sequências textuais. Recife, EDUPE, 2009. p. 115-132.

BARBOSA, Marialva. História cultural da imprensa: Brasil, 1800-1900. Rio de Janeiro: Mauad X, 2010.

BASTOS, Ana Karine P. de Holanda. Anúncios de escravos: traços de mudanças e permanências de tradições discursivas nos jornais do Recife. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação. Recife, 2016.

BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Discurso e tradição em anúncios da imprensa brasileira: da informação à sedução – imagens do cotidiano. São Paulo: USP, 2004.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Trad. MACHADO, Anna. Rachel; CUNHA, Péricles São Paulo: EDUC, 1999.

CARVALHO, Marcus J. M. Liberdade. Rotinas e rupturas do escravismo no Recife. 2. ed. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2010.

CASTILHO, Ataliba T. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

COSERIU, Eugenio. Sincronia, diacronia e história. Tradução: Carlos Alberto da Fonseca e Mário Ferreira. São Paulo: EDUSP, 1979.

______. Lições de linguística geral. (Edição revista e corrigida pelo autor). Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1980.

______. A língua literária. Agália. Revista Internacional da Associaçom Galega da língua. 41, 1995, p. 57-60.

GIVÓN, T. Prototypes: between Plato and Wittgenstein. In: CRAIG, C. (Hrsg.). Noun classes and categorization. Amsterdam/Philadelphia. Typologycal Studies in language. 1986. p. 77-102.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas, SP: Papirus, 1996.

KABATEK, Johannes. Tradições Discursivas e mudança linguística. Texto apresentado no Encontro PHPB em Itaparica, Bahia, setembro de 2004. Disponível em . Acesso em 06 mai. 2013.

______. Sobre a historicidade de textos. Tradução de José da Silva Simões. In: Linha d'água. 17. São Paulo: USP/APLL, 2005.

______. Sintaxis histórica del español y cambio linguístico. Nuevas perspectivas desde las tradiciones discursivas. V. 31. Madrid, Vervuerte/Iberoamericana, 2008.

______. Tradição discursiva e gênero. Tübingen, 2010. (Mimeo)

KOCH, Ingedore. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1999.

KOCH, Peter. Diskurstraditionen:zu ihrem sprachtheoretischen Status und ihrer Dynamik. In: FRANK, Barbara; HAYE, Thomas; TOPHINKE, Doris. (Eds.). Gattungen mittelalterlicher Schriftlichkeit. (ScriptOralia, 99). Tradução de Alessandra Castilho Ferreira da Costa. Tübingen: Narr, 1997, p. 43-79.

KOCH, Peter; OESTERREICHER, Wulf. Gesprochene Sprache in der Romania: Französisch, Italienisch, Spanisch. Tübingen, Niemeyer, 1990.

MOLES, Abraham. A. O cartaz. São Paulo: Perspectiva, Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

OESTERREICHER. Wulf. El español em textos escritos por semicultos Competência escrita de impronta oral em la historiografia indiana. In: LÜDTKE, Jens (Org.). El español de América em el siglo XVI. Actas del simposio del Instituto Ibero-Americano de Berlin, 23 y 24 de abril de 1992. Madrid: Iberoamericana, 1994. p. 155-190.

______. Competencia escrita, tradición discursiva y variedades linguísticas el español em los siglos XVI y XVII. In: Coloquio Internacional (Friburgo, 26-28 de septiembro), 1996. Mimeo.

______. Mudança linguística e recursos de expressividade na língua falada. In: CIAPUSCIO, Guiomar; JUNGBLUTH, Konstanze; KAISER, Dorothe; LOPES, Célia (Eds.). Sincronía y diacronía de tradiciones discursivas em Latinoamérica. Madrid: Iberoamericana, 2006. p. 253-281.

PESSOA, Marlos Barros. (Org.). Formação de uma variedade urbana e semi-oralidade na primeira metade do século XIX. O caso do Recife. Brasil. Tübingen, Max Niemeyer Verlag, 2003.

______. Do oral e do escrito desde os gregos até a geografia linguística. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2010.

______. Algumas comparações entre manuscritos e impressos brasileiros (Séc. XVIII e XIX). In: VERRI, Gilda Maria Whitaker. (Org.) Memorat: tecnociência, memória e cultura urbana na formação brasileira. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2013.

PINTO, Izabella Cavalcanti Holanda. Análise gráfica de cartazes realizados na Ditadura do Estado Novo (1937-1945). Projeto de Conclusão de Curso. WAECHTER, Hans (Orientador). Centro de Artes e Comunicação. Departamento de Design. UFPE, 2014.

SANTOS, Maria José Azevedo. Ler e compreender a escrita na Idade Média. Lisboa: Fernando Mão de Ferro, 2000. p. 88-95.

SCHLIEBEN-LANGE, Brigitte. História do falar e história da linguística. Tradução de Fernando Tarallo et al. Campinas: EDUNICAMP. (1993 [1983]).

______. La construction des champs déictiques dans la sémi-oralité. In: Diachronie et variation linguistique. La deixis temporelle, spatiale et personnelle. Ed. Rika Van Deyck. Communication & Cognition, 1995. p. 115-128.

SILVA, Rafael Souza. Diagramação: o planejamento visual gráfico na comunicação impressa. São Paulo: Summus, 1985.

STOLL, Eva Competencia escrita de impronta oral em la crónica soldadesca de Pedro Pizarro. In. KOTSCHI, Thomas; OESTERREICHER, Wulf; ZIMMERMANN, Klaus. (Eds.). El español hablado y la cultura oral em España e Hispanoamérica. Frankfurt am Main: Vervuert; Madrid: Iberoamericana, 1996. p. 427-446.

TORAL, Marta Pérez. Marcas de cohesion textual en documentos notariales del medievo asturiano. Archivum: Revista de la Facultad de Filología, Tomo 63, 2013, p. 245-274.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v4i2.17497

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.