Toponímia galega e brasileira. Similitudes e diferenças históricas à luz do conflito linguístico

Guillermo Vidal Fonseca

Resumo


Galiza e Brasil constituem duas entidades políticas e sociais bem diferenciadas e afastadas geograficamente, mas com peculiaridades históricas e linguísticas similares: ao já conhecido fato de ter surgido a língua hegemônica falada hoje no Brasil no território do Antigo Reino de Galiza soma-se o fato de que ambas foram submetidas, em maior ou menor grau e com maior ou menor êxito, a um processo de substituição linguística que afetou à(s) língua(s) autóctone(s) de cada uma delas. Através de documentos históricos e presentes, analisamos a toponímia de ambas as entidades, Galiza e Brasil, detendo-nos nas similitudes e nas diferenças sociolinguísticas de ambas provocadas por aquele conflito linguístico.


Palavras-chave


Toponímia; História; Conflito Linguístico; Brasil; Galiza

Texto completo:

PDF

Referências


ALBAIGÉS, Josep Maria. Enciclopedia de los Topónimos Españoles. Barcelona: Enciclopedias Planeta, 1998.

ANDRADE, Karylleila dos Santos. Atlas Toponímico de origem indígena do estado de Tocantins – Projeto Atito. Tese (Doutorado em Linguística), Faculdade de Filosofía, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/tese%3Aandrade-2006/TESE_KARYLLEILA_SANTOS_ANDRADE.pdf. Acesso em: 20 dez. 2018.

ARES VÁZQUEZ, Nicandro. Estudos de toponimia galega. Tomo I. A Coruña: Real Academia Galega, 2011.

ARGOLO, Wagner. As línguas gerais na história social-linguística do Brasil. Papia, v. 1, nº 26, p. 7-52, 2016.

Disponível em: http://revistas.fflch.usp.br/papia/article/view/2571/pdf. Acesso em: 20 dez. 2018.

BAGNO, Marcos. O português não procede do latim. Uma proposta de classificação das línguas derivadas do galego. Grial, nº 191, p. 34-39, 2011.

BARREIRO FERNÁNDEZ, Xosé Ramón. Historia política. In: BARREIRO FERNÁNDEZ, Xosé Ramón. Et al. Los Gallegos. Madrid: Istmo, 1976. p. 95-148.

BECKER, Lidia. Estandarización onímica en el proceso de elaboración de idiomas romances regionales. In: Els noms en la vida quotidiana. Actes del XXIV Congrés Internacional d’ICOS sobre Ciències Onomàstiques. Annex. Secció 11. Barcelona: Generalitat de Catalunya, 2014. p. 2453-2464. Disponível em: http://www.gencat.cat/llengua/BTPL/ICOS2011/238.pdf. Acesso em: 20 dez. 2018.

BEIRAS, Xosé Manuel. O atraso económico de Galicia. Vigo: Galaxia, 1972.

BENNASSAR, Bartolomé; MARIN, Richard. História do Brasil. Lisboa: Teorema, 2000.

BOULLÓN AGRELO, Ana Isabel. Toponimia galega. Estado da cuestión. In: GORDÓN PERAL, María Dolores. Toponimia de España. Estado actual y perspectivas de la investigación. Berlín: De Gruyter, 2010. p. 31-57.

CABEZA QUILES, Fernando. Toponimia de Galicia. Vigo: Galaxia, 2008.

CARVALHINHOS, Patrícia de Jesus. Estudos de Onomástica em língua portuguesa no Brasil: perspectivas para inserção mundial. In: Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa. São Paulo: FFLCH/USP, 2008. Disponível em: http://simelp.fflch.usp.br/sites/simelp.fflch.usp.br/files/inline-files/S1401.pdf. Acesso em: 20 dez. 2018.

CATASTRO DE ENSENADA. Madrid: Ministerio de Cultura y Deporte. Disponível em: http://pares.mcu.es/Catastro/servlets/ServletController. Acesso em: 30 nov. 2018.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Índios no Brasil. História, direitos e cidadania. São Paulo: Claro Enigma, 2012. Disponível em: https://www.companhiadasletras.com.br/trechos/35025.pdf. Acesso em: 20 dez. 2018.

DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL EM REGIÕES GEOGRÁFICAS IMEDIATAS E REGIÕES GEOGRÁFICAS INTERMEDIÁRIAS 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100600.pdf. Acesso em: 4 dez. 2018.

DOVAL IGLESIAS, Lucía; HERMO GONZÁLEZ, Gonzalo. A castelanización da toponimia na documentación instrumental galega da Idade Media. In: MARIÑO PAZ, Ramón; VARELA BARREIRO, Xavier (Ed.). A lingua galega no solpor medieval. Santiago de Compostela: Consello da Cultura Galega, 2016. p. 179-194. Disponível em: http://consellodacultura.gal/publicacion.php?id=4288. Acesso em: 22 dez. 2018.

EIRAS ROEL, Antonio. La emigración gallega a América. Panorama general. In: EIRAS ROEL, Antonio (Ed.). La emigración española a Ultramar, 1492-1914. Madrid: Asociación Española de Historia Moderna, 1991. p. 17-39. Disponível em: http://digital.csic.es/bitstream/10261/76346/1/R.C.AEHM_Madrid_1989_1_p.017-039_Eiras_Roel.pdf. Acesso em: 21 dez. 2018.

FAUSTO, Carlos. Os Índios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. Disponível em: http://professor-ruas.yolasite.com/resources/fausto,%20carlos.%20_os%20indios%20antes%20do%20brasil_.pdf. Acesso em: 21 dez. 2018.

FEYJÓO Y MONTENEGRO, Fr. Benito Gerónimo. Teatro Crítico Universal. Tomo primero. Pamplona: Benito Cosculluela, 1785. Disponível em: http://www.galiciana.bibliotecadegalicia.xunta.es/gl/consulta/registro.cmd?id=9006. Acesso em: 22 dez. 2018.

FERREIRO, Manuel. Gramática histórica galega. I: Fonética e morfosintaxe. Santiago de Compostela: Laiovento, 1999.

GARCIA, Elisa Frühauf. O projeto pombalino de imposição da língua portuguesa aos índios e a sua aplicação na América meridional. Tempo [online], v. 12, nº 23, p. 23-38, 2007. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tem/v12n23/v12n23a03.pdf. Acesso em: 11 dez. 2018.

GONZÁLEZ LOPO, Domingo Luís. La emigración gallega a América durante los siglos XVII-XX. Los lugares de destino y sus precedentes peninsulares. In: SUÁREZ ALBÁN, Maria del Rosario. Língua e imigração galegas na América Latina. Salvador: Celga, 1998. p. 169-194. Disponível em: http://www.usc.es/catedras/migracs/publicaciones/coordinadores/america/america.pdf. Acesso em: 21 dec. 2018.

GROSFOGUEL, Ramon. The multiple Faces of the Galician Migration Experience. In: DEPALMA, Renée; PÉREZ-CARAMÉS, Antía (Ed.). Galician Migrations: A Case Study of Emerging Super-diversity, v. 3. Cham: Springer, 2018. p. v-viii.

IBGE = Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro: Governo do Brasil. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 11 dez. 2018.

LACERDA, Marina Basso. Colonização dos corpos: Ensaio sobre o público e o privado. Patriarcalismo, patrimonialismo, personalismo e violência contra as mulheres na formação do Brasil. Tese (Programa de Pós-Graduação em Direito), PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=16570@1. Acesso em: 23 dez. 2018.

LIMA, Emanoela Cristina. A toponímia africana em Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/LETR-96LNKL/a_topon_mia_africana_em_minas_gerais___emanoela_lima.pdf?sequence=1. Acesso em: 21 dez. 2018.

MARIÑO PAZ, Ramón. Historia da lingua galega. Santiago de Compostela: Sotelo Blanco, 1998.

MELO, Pedro Antonio Gomes de. Toponímia indígena: um estudo lexical dos nomes de municípios alagoanos de étimo tupi. Veredas Favip, v. 6, nº 1, p. 160-179, 2013. Disponível em: http://veredas.favip.edu.br/ojs/index.php/veredas1/article/view/51/157. Acesso em: 22 dez. 2018.

MONTEAGUDO, Henrique; LAGARES, Xoán Carlos. Norma e autoridade linguística no galego e no português brasileiro. LaborHistórico, v. 3, nº 2, p. 12-27, 2017. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/lh/article/view/17123/10424. Acesso em: 21 dez. 2018.

MORENO CABRERA, Juan Carlos. Multilingüismo y lenguas en contacto. Madrid: Síntesis, 2016.

NOLL, Volker; DIETRICH, Wolf. O papel do tupi na formação do português brasileiro. In: NOLL, Volker; DIETRICH, Wolf. O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2010. p. 81-103. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/314977/mod_resource/content/1/O%20papel%20do%20tupi%20na%20forma%C3%A7%C3%A3o%20do%20portugu%C3%AAs%20brasileiro. Acesso em: 20 dez. 2018.

NOMENCLÁTOR. Santiago de Compostela: Xunta de Galicia. Disponível em https: //www.xunta.gal/nomenclator?. Acesso em: 30 nov. 2018.

PIEL, Joseph M. Considerações gerais sobre toponímia e antroponímia galegas. Verba, nº 6, 1979. p. 5-11.

PIMENTEL, Patrícia de Cássia Gomes. A toponímia da região central de Minas Gerais. Caletroscópio, v. 4, nº Especial, 2016. p. 614-623. Disponível em: https://www.caletroscopio.ufop.br/index.php/caletroscopio/article/view/160/107. Acesso em: 13 dez. 2018.

REAL ACADEMIA ESPAÑOLA. Diccionario Panhispánico de dudas. Madrid: Santillana, 2005. Disponível em: http://www.rae.es/diccionario-panhispanico-de-dudas. Acesso em: 22 dez. 2018.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro. A formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. Disponível em: http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/autores/Ribeiro,%20Darcy/Darcy%20Ribeiro%20-%20O%20POVO%20BRASILEIRO.pdf. Acesso em: 21 dez. 2018.

RODRIGUES, Aryon. As línguas gerais sul-americanas. Papia, v. 4, nº 2, 1996. p. 6-18. Disponível em: http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/artigo%3Arodrigues-1996/rodrigues_1996_linguas_gerais.pdf. Acesso em: 21 dez. 2018.

RODRIGUES, Aryon. Tupi, tupinamba, línguas gerais e português do Brasil. In: NOLL, Volker; DIETRICH, Wolf. O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2010. p. 27-47.

RODRÍGUEZ, Francisco. La lengua. In: BARREIRO FERNÁNDEZ, Xosé Ramón . Los Gallegos.Madrid: Istmo, 1976. p. 219-240.

SANTAMARINA, Antón. A recuperación e salvagarda da toponimia galega. In: Actas do IV Encontros para a normalización lingüística. 9 e 10 de novembro de 2000. Santiago de Compostela: Consello da Cultura Galega, 2002. p. 253-262. Disponível em: http://consellodacultura.gal/mediateca/extras/CCG_2002_Actas-dos-IV-Encontros-pola-Normalizacion-Linguistica-9-e-10-de-novembro-de-2000.pdf. Acesso em: 21 dez 2018.

SANTAMARINA, Antón. Efectos do contacto lingüístico na toponimia galega. In: KREMER, Dieter. Homenagem a Joseph M. Piel por ocasião do seu 85º. aniversário.Tübingen: Max Niemeyer, 1988. p. 87-96.

SANTOS, Joviano Gonçalves dos. O nome e o lugar: A toponímia na região central de Minas Gerais. Tese (Programa de Pos-Graduação em Estudos Linguísticos), Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/LETR-95PNBJ/santos_joviano_g..pdf?sequence=1. Acesso em: 1 dez. 2018.

SANTOS, Luiz Eduardo Neves dos. Toponímia, poder e identidade: uma abordagem acerca dos logradouros centrais em São Luís, Maranhão. Geo UERJ, nº 28, p. 171-195, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/geouerj/article/view/18873/16431. Acesso em: 21 dez. 2018.

SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de. A formação e a fixação da Língua Portuguesa em Minas Gerais: a Toponímia da Região do Carmo. Tese (Programa de Pos-Graduação em Estudos Linguísticos), Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/ALDR-64KQ9A. Acesso em: 22 dez. 2018.

SEEMANN, Jörn. A toponímia como construção histórico-cultural: o exemplo dos municípios do estado do Ceará. Vivência, nº 29, p. 207-224, 2005. Disponível em: https://www.academia.edu/647642/A_TOPON%C3%8DMIA_COMO_CONSTRU%C3%87%C3%83O_HIST%C3%93RICO-CULTURAL_o_exemplo_dos_munic%C3%ADpios_do_estado_do_Cear%C3%A1. Acesso em: 22 dez. 2018.

SILVA, Érica Sarmiento da. Rumbo aos trópicos: a emigración galega a Brasil. In: CAGIAO VILA, Pilar (Coord.). A emigración galega a América do Sur. A Coruña: Hércules de Ediciones, 2013. p. 199-236.

SIQUEIRA, Kênia Mara de Freitas; DAVID, Nismária Alves. Topônimos de origem indígena: O papel do tupi na nomeação dos lugares goianos. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v. 3, nº 1, 2014. p. 119-131. Disponível em: http://periodicos.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/article/view/788/770. Acesso em: 22 dez. 2018.

STESSUK, Sílvio. A implantação da língua portuguesa no Brasil, em contato com o Tupí Antigo e as Línguas Africanas. Todas as Letras, v. 8, nº 1, 2006. p. 96-102. Disponível em: http://tupi.fflch.usp.br/sites/tupi.fflch.usp.br/files/a%20implanta%C3%A7%C3%A3o%20da%20l%C3%ADngua%20portuguesa%20no%20Brasil.pdf. Acesso em: 16 dez. 2018.

VELASCO, Denise de Oliveira Barbosa; TAVARES, Marilze. A presença e a motivação de topônimos indígenas nas ruas de Dourados/MS. Arredia, v. 5, nº 9, 2016. p. 15-34. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/arredia/article/viewFile/5617/3018. Acesso em: 21 dez. 2018.

VIDAL FONSECA, Guillermo. La antroponimia de la comarca de Barcala (Galicia): evolución histórica moderna y causas implicadas. Estudios Interlingüísticos, nº 4, 2016. p. 99-117.

VILA DE PRADO, Roberto. El genocidio/epistemicidio contra los africanos con la trata y la esclavitud en Hispanoamérica. Analéctica, nº 22, 2017. p. 1-10. Disponível em: http://www.analectica.org/articulos/vila-genocidio/?pdf=986. Acesso em: 22 fev. 2019.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i1.22642

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.