Testamento do Rei Dom Pedro II, de Portugal, ano de 1704

Christiane Benones Oliveira, Soélis Teixeira do Prado Mendes

Resumo


A edição diplomática apresentada neste artigo é parte da dissertação da primeira autora e orientada pela segunda, intitulada “Estudo comparativo das abreviaturas em documentos politestemunhais do testamento do rei D. Pedro II, de Portugal.” Esse tipo de edição busca facilitar a leitura de documentos manuscritos de diacronias passadas, sem, contudo, alterar as características linguísticas genuínas do documento original.  O documento se encontra nas Gavetas da Torre do Tombo e está disponível para consulta online. Ao longo dos doze fólios do manuscrito é possível compreender melhor como funcionava a composição da Corte no início dos setecentos, além de perceber aspectos da política, religião e sociedade da época. O testamento escrito no ano de 1704, pelo padre confessor Sebastião de Magalhães, sob comando do rei Dom Pedro II, tinha por objetivo garantir a sucessão ao trono para os descendentes do rei, uma vez que havia a possibilidade da sucessão não acontecer da forma como Dom Pedro II almejara.

Palavras-chave


Filologia; Documentos Manuscritos; Edição Diplomática

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, A. Cristina. A morte em Lisboa: atitudes e representações 1700-1830. Lisboa: E. Notícias, 1997.

CAMBRAIA, César Nardelli. Subsídios para a fixação de normas de transcrição de textos para estudos linguísticos – I. In: MATTOS E SILVA, R. V. (Org.). Para História do Português Brasileiro. v. 2. Tomo 2. São Paulo: Humanitas, 2001.

DURÃES, Margarida; RODRIGUES, A. Maria. Família, Igreja e Estado: a salvação da alma e o conflito de interesses entre os poderes. In: Arqueologia do Estado. Actas do Colóquio, Lisboa, 1988.

DURÃES, Margarida. Herança e Sucessão. Leis, práticas e costumes no Termos de Braga (séc. XVIII – XIX). Tese de doutoramento, Universidade do Minho, 2001.

FACHIN, P. R. Marchis. Critérios de leitura de manuscritos: em busca de lições fidedignas. Filologia e Linguística Portuguesa. São Paulo, v. 10/11, 2008/2009. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/flp/article/view/59824. Acesso em: 12 de maio 2019.

MENDES, S. T. do Prado. Combinações lexicais restritas em manuscritos setecentistas de dupla concepção discursiva: escrita e oral. 724 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos). BH: FALE/UFMG, 2008. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=131534.

OLIVEIRA, C. Benones de. Estudo comparativo das abreviaturas em documentos politestemunhais do testamento do rei D. Pedro II, de Portugal. 232 f. Dissertação (Mestrado em Letras). Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, 2019. Disponível em: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/11154.

SÁ, José António. Tratado sobre a Origem e Natureza dos Testamentos. Lisboa, 1973.

Fonte documental

Testamento do rei Dom Pedro II, 1704:

Cota atual: Gavetas, Gav. 16, mç. 2, n.º 21.

Código de referência: PT/TT/GAV/16/2/21A

Arquivo da Torre do Tombo.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i1.25447

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.