O nacionalismo linguístico em obras didáticas do Maranhão do século XIX

Yasmine Louro

Resumo


Esta pesquisa iniciou-se pela necessidade de estudos sobre a gramaticografia maranhense do século XIX e pela relevância do passado para a identidade do povo maranhense. Tendo em vista as condições desfavoráveis da educação no Brasil, em particular no Maranhão na primeira metade do século XIX, foi relevante a publicação dos corporada pesquisa, sendo estes: Compendio da Grammatica Portugueza, de Padre Antonio da Costa Duarte (1829); Grammatica Elementar da Lingua Portugueza, de Filippe Benicio de Oliveira Conduru (1850); Postillas de Grammatica Geral, Applicada á Lingua Portugueza pela Analyse dos Classicos(1862) e Grammatica Portugueza Accommodada aos Principios Geraes da Palavra Seguidos de Immediata Applicação Pratica(1871), de Francisco Sotero dos Reis. Dessa forma, objetiva-se verificar a presença de nacionalismo linguístico no corpo das obras em análise. A fundamentação teórica desse artigo estrutura-se nos estudos realizados por Cabral (1984); Ribeiro (2000); Orlandi (2000); Guimarães (2005); e Melo (2012). A metodologia fundamenta-se nos princípios da Historiografia Linguística, ao contextualizar a economia, o social, a política e a educação no século XIX, para compreensão do período. Assim sendo, como resultados finais, obteve-se a seleção de vocábulos que determinam a presença de nacionalismo linguístico no corpusanalisado. Dentre eles, palavras de matriz indígena, africana e substantivos próprios e adjetivos pátrios nacionais, assim como foi o processo de construção e inserção destes no cotidiano do povo maranhense. 


Palavras-chave


Educação. Língua Portuguesa. Maranhão. Nacionalismo Linguístico. Historiografia Linguística. Ensino

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Vasco Botelho de. Cultura, defesa e expansão da língua portuguesa. Lisboa: Revista de Portugal, 1944.

ARAÚJO, Antonio Martins de. A herança de João de Barros e outros estados. São Luís: Ed. AML, 2003.

BASTOS, Neusa. Classes gramaticais: um tratamento histórico – século XX. Limite, nº 6, p. 237-258, 2012. Disponível em: http://www.revistalimite.es/volumen%206/12bast.pdf. Acesso em: 03 ago 2019.

CABRAL, Maria do Socorro Coelho. Política e Educação no Maranhão. São Luís: SIOGE, 1984.

CÂMARA JUNIOR, Joaquim Mattoso. Dicionário de linguística e gramática. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

CASTELLANOS, Samuel Luís Velázquez. Os Livros Escolares nas Instituições de Ensino no Maranhão Imperial. In: Cadernos do CBHE, 7. ed., Cuiabá: Sociedade Brasileira da História da Educação, 2013.

CERTEAU, Michael de. A invenção do cotidiano. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

CONDURU, Filippe Benicio de Oliveira. Grammatica elementar da lingua portugueza. 13. ed. São Luís: Typhographia Paiz, 1988.

DORES, Marcus Vinícius Pereira. Um estudo comparativo sobre a classe gramatical “nome” nas gramáticas de João de Barros (1540) e de Reis Lobato (1770). Caletroscópio, v. 4, nº Especial, 2016. Disponível em: http://caletroscopio.ufop.br/index.php/caletroscopio/article/view/147/94. Acesso em: 03 ago 2019.

DUARTE, Antonio da Costa. Compendio da grammatica portugueza. São Luís: Typographia Nacional, 1829.

GÓIS JUNIOR, Edivaldo. Movimento higienista e o processo civilizador: apontamentos metodológicos. In: Simpósio Internacional Processo Civilizador, 10. ed. Campinas: UNICAMP, 2007. Disponível em: http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais10/Artigos_PDF/Edivaldo_Gois_Jr.pdf. Acesso em: 5 ago 2019.

GUIMARÃES, Eduardo. A língua portuguesa no Brasil. Ciência e Cultura.v. 57, nº 2, p. 24-28, 2005. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252005000200015&script=sci_arttext. Acesso em: 10 dez 2016.

JOTA, Zélio dos Santos. Dicionário de linguística. 2. ed. Rio de Janeiro: Presença, 1981.

KOERNER, Konrad. Questões que persistem em Historiografia Lingüística. Revista da Associação Nacional de Pós-graduação em Letras e Lingüística. nº 2, p. 45-70, 1996. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/289940450_Questoes_que_persistem_em_Historiograjia_Linguistica. Acesso em: 03 ago 2019.

LEITE, Marli Quadros. Metalinguagem e discurso: a configuração do purismo brasileiro. São Paulo: Humanitas, 1999, p. 79-113.

LESSA, Carlos. Nação e Nacionalismo a partir da experiência brasileira. Estudos Avançados, São Paulo. v. 22, n. 62, p. 237-256, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142008000100016&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 03 ago 2019.

LIMA, Alexandre Xavier. Descrição da ortografia portuguesa: a inserção do princípio etimológico na prescrição e na prática gráficas oitocentistas. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.posvernaculas.letras.ufrj.br/images/Posvernaculas/4-doutorado/teses/2014/1-LimaAX-ilovepdf-compressed.pdf. Acesso em: 03 ago 2019.

MAZZOLINI, Vitor César de Oliveira. Empréstimo Linguístico e Purismo. Fraseologia, Terminologia e Semântica, Rio de Janeiro: CiFEFil, 2015.

MELO, Sandra Maria Barros Alves. Percurso Histórico da Formação de Professores para a Escola Primária no Maranhão: Império e República Velha. In: IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil”. João Pessoa, nº 4, 2012, p. 4741-4756. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario9/PDFs/8.09.pdf. Acesso em: 10 dez 2016.

NOGUEIRA, Sônia Maria; BASTOS, Neusa Maria O. Barbosa. Língua Portuguesa no Maranhão: Um percurso historiográfico do século XIX. Linha D’Água, nº 17, p. 49-64, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v0i17p49-64.

NOGUEIRA, Sônia Maria. Língua Portuguesa no Maranhão do século XX sob o enfoque historiográfico. São Luís: EDUEMA, 2015.

NOGUEIRA, Sônia Maria. Estudos Historiográficos e o Ensino da Língua Portuguesa. In: Cadernos do CNLF. Rio de Janeiro, v. 13, nº 4, 2009. p. 1408-1425. Disponível em: http://www.filologia.org.br/xiiicnlf/XIII_CNLF_04/tomo_2/estudos_historiograficos_.e_o_ensino_SONIA.pdf. Acesso em: 10 dez 2016.

OLIVEIRA, Rosângela Silva. Do contexto histórico às idéias pedagógicas predominantes na escola normal maranhense e no processo de formação das normalistas na primeira república. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2004.

ORLANDI, Eni P. Metalinguagem e Gramatização no Brasil: Gramática-Filologia-Linguística. Associação Nacional de Pós-Graduação em Letras e Linguística. Campinas, v. 8, nº 1, p. 29-39, 2000.

REIS, Francisco Sotero dos. Postillas de Grammatica Geral, Applicada á Lingua Portugueza pela Analyse dos Classicos. 2. ed. São Luís: Livraria de Magalhães & Cia., 1862.

REIS, Francisco Sotero dos. Grammatica portugueza accommodada aos principios geraes da palavra seguidos de immediata applicação pratica. 2. ed. São Luís: Livraria de Magalhães & Cia., 1871.

RIBEIRO, Maria Luiza Santos. História da Educação Brasileira: a organização escolar. 16. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

VIEIRA, Nanci Rita Ferreira; NEIVA, Luciano Santos. Representações nacionalistas na formação histórico-literária brasileira. Ipotesi. v. 18, nº 1, p. 63-72, 2014. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistaipotesi/files/2015/05/art-5-IPOTESI_18_1.pdf. Acesso em: 20 nov 2016.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i2.26901

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.