“Não me aquenta, nem me arrefenta”: considerações a propósito da origem e evolução dos verbos terminados em -entar em português

Rui Abel Rodrigues Pereira

Resumo


Os verbos terminados em -entar, como amolentar, apodrentar, avelhentar, endurentar, enfraquentar, adormentar, acrescentar ou afugentar, têm suscitado, ao longo dos anos, análises diversas no que diz respeito à sua morfologia e/ou ao seu modo de construção. Este subconjunto de verbos derivados é especialmente interessante pois não apenas nos fornece pistas sobre o processo de geração e de desaparecimento dos afixos, como também permite analisar como se desenrola o fenómeno de competição afixal (cf. amolentar vs. amolecer; apodrentar vs. apodrecer).

Neste artigo, para além de apresentarmos as questões fundamentais que a descrição destes verbos suscita em termos lexicogenéticos, analisaremos o percurso diacrónico do constituinte derivacional -entar desde os primórdios da nossa língua, avaliando os efeitos do fenómeno de competição mantido com outros processos verbalizadores, especialmente com aqueles que envolvem o elemento sufixal -ecer.

Palavras-chave


Formação de palavras. Morfologia. Derivação. Sufixo. Diacronia.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Stephen. Morphological Change. In: BOWERN, Claire; EVANS, Bethwyn (Eds.). The Routledge Handbook of Historical Linguistics. London and New York: Routledge, 2014. p. 264-285.

ARIM, Eva; FREITAS, Tiago. Parassíntese e conversão: uma nova explicação para um velho problema. In: Actas do XVIII Encontro Nacional da APL. Lisboa: APL, 2003, p. 145–159.

ARONOFF, Mark. Competition and the lexicon. In: ELIA, Annibale; IACOBINI, Claudio; VOGHERA, Miriam (Eds.). Livelli di Analisi e fenomeni di interfaccia. Atti del XLVII Congresso Internazionale della Società di Linguistica Italiana. Roma: Bulzoni Editore, 2016, p. 39-52.

ARONOFF, Mark; LINDSAY, Mark. Partial organization in languages: la langue est un système où la plupart se tient. In: AUGENDRE, Sandra; COUASNON-TORLOIS, Graziella; LEBON, Déborah; MICHARD, Clément; BOYÉ, Gilles; MONTERMINI, Fabio (Eds.). Proceedings of Décembrettes 8. Bordeaux: CLLE-ERSS, 2014, p. 1-14.

BOOIJ, Geert. Construction Morphology. Oxford: Oxford University Press, 2010.

BOOIJ, Geert. Construction Morphology. In: HIPPISLEY, A.; STUMP, G. (Eds.), The Cambridge Handbook of Morphology. Cambridge: Cambridge University Press, 2016. p. 424-448.

CARVALHO, José G. Herculano de. Teoria da linguagem. Natureza do fenómeno linguístico e análise das línguas. Tomo II, 4ª reimp. Coimbra: Coimbra Editora, 1984.

CARVALHO, Mário de. Conselho a um novo escritor. Portal da Literatura, 16.05.2013. Disponível em: https://www.portaldaliteratura.com/cronicas.php? id=95&fb_comment_id=552162474826481_5901108. Acesso em: 09 set 2019.

CLAMOTE, Francisco. Terra dos Espantos. 4 de janeiro de 2009. Disponível em: http://terradosespantos.blogspot.com/2009/01/no-me-aquenta-nem-arrefenta.html. Acesso em: 06 set 2019.

DIEZ, Frédéric. Grammaire des langues romanes. Troisième édition refondue et augmenté, Tome II. Paris: A. Franck, 1874.

FERREIRA, Antunes. Travessa do Ferreira. 24 de setembro de 2008. Disponível em: http://travessadoferreira.blogspot.com/2008/09/h-dias-em-que-antunes-ferreira-manuela.html. Acesso em: 09 set 2019.

LIEBER, Rochelle. The suffix -ize in English: implications for Morphology. In: LAPOINTE, S. G.; BRENTARI, D. K.; FARRELL, P. M. (Eds.). Morphology and its Relation to Phonology and Syntax. Stanford: CSLI Publications, 1998. p. 12-33.

LIEBER, Rochelle. Morphology and Lexical Semantics. Cambridge/UK: Cambridge University Press, 2004.

LINDSAY, Mark; ARONOFF, Mark. Natural selection in self-organizing morphological systems. In: MONTERMINI, Fabio; BOYÉ, Gilles; TSENG, Jesse (Eds.). Morphology in Toulouse. Selected Proceedings of Décembrettes 7. Munich: Lincom Europa, 2013. p. 133-153.

MAGALHÃES, José Fernandes. Atributos. 9 de outubro de 2009. Disponível em: http://atributos-1.blogspot.com/2009/10/cansaco_09.html. Acesso em: 09 set 2019.

MALKIEL, Yakov. Atristar-entristecer: adjectival verbs in Spanish, Portuguese and Catalan. Studies in Philology, vol. 38, p. 429-461, 1941.

MARCHAND, Hans. The Categories and Types of Present-day English Word-formation. A synchronic diachronic approach. 2nd edition. München: C. H. Beck’sche Verlagsbuchhandlung, 1969.

MEYER-LÜBKE, Wilhelm. Grammaire des langues romanes. Tome II: Morphologie. Traduction par Auguste Doutrepont e Georges Doutrepont. Paris: H. Welter Éditeur, 1895.

NUNES, José Joaquim. Compêndio de gramática histórica portuguesa. Fonética e Morfologia. 8.ª edição. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1975.

PAIVA, Manuel José de. Infermidades da Lingua, e Arte que a ensina a emmudecer para melhorar. Lisboa: na Of. de Manoel Antonio Monteiro, 1759.

PEREIRA, Rui. Diacronia dos sufixos -izar e -ificar em português. In: ISQUERDO, Aparecida Negri (Org.). Ciências do Léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia, vol. VI. Campo Grande, MS: Editora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2012. p. 283-302.

PEREIRA, Rui. Formação de Verbos em Português. Afixação Heterocategorial. Muenchen: Lincom Europa, 2007.

PEREIRA, Rui. Formação de verbos. In: RIO-TORTO, Graça (Coord.) et al. Gramática Derivacional do Português. 2.ª ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2016. p. 297-355.

PEREIRA, Rui. Relações intraparadigmáticas na derivação verbal: -izar versus -ificar. In: CAMPOS SOUTO, Mar; MARIÑO PAZ, Ramón; PÉREZ PASCUAL, José Ignacio; RIFÓN SÁNCHEZ, Antonio (Eds.). «Assi como es de suso dicho». Estudios de morfología y léxico en homenaje a Jesús Pena. San Millán de la Cogolla: Cilengua, 2012. p. 393-405.

PLAG, Ingo. Morphological Productivity. Structural Constraints in English Derivation. Berlin, New York: Mouton de Gruyter, 1999.

RIO-TORTO, Graça Maria. Morfologia derivacional. Teoria e aplicação ao Português. Porto: Porto Editora, 1998.

RODRIGUES, Alexandra Soares. A gramática do léxico: morfologia derivacional e o léxico mental. München: Lincom, 2015.

RODRIGUES, Alexandra Soares. Noções basilares sobre a morfologia e o léxico. In: RIO-TORTO, Graça (Coord.) et al. Gramática Derivacional do Português. 2.ª ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. 2016, p. 35-133.

RODRIGUES, Alexandra Soares. Nomes deverbais. In: RIO-TORTO, Graça (Coord.) et al. Gramática Derivacional do Português. 2.ª ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2016. p. 176-240.

ROLLAND, Francisco. Adagios, proverbios, rifãos e anexins da lingua portugueza […]. Lisboa: Typ. Rollandiana, 1780.

SAID ALI, Manuel. Gramática histórica da língua portuguesa. Lexeologia e formação de palavras e sintaxe do português histórico. 3.ª edição melhorada e aumentada. Estabelecimento do texto, revisão, notas e índices pelo Prof. Maximiano de Carvalho e Silva. S. Paulo: Edições Melhoramentos, 1964.

SERRANO-DOLADER, David. Tensiones entre sincronía y diacronía en la descripción de la morfologia léxica del español: el caso de la Nueva gramática de la lengua española (NGRAE). In: CAMPOS SOUTO, Mar; MARIÑO PAZ, Ramón; PÉREZ PASCUAL, José Ignacio; RIFÓN SÁNCHEZ, Antonio (Eds.). «Assi como es de suso dicho». Estudios de morfología y léxico en homenaje a Jesús Pena. San Millán de la Cogolla: Cilengua, 2012. p. 485-498.

SILVA, Luiz Augusto Rebello da. Rausso por homizio. Revista Universal Lisbonense, tomo II (1842-43). Lisboa: Imprensa Nacional, 1843.

VASCONCELOS, António Garcia Ribeiro de. Grammática histórica da língua portuguesa. VI e VII classes do curso dos lyceus. Paris/Lisboa: Aillaud, Alves & C.ia, 1900.

VASCONCELOS, Carolina Michaëlis de. Filologia portuguesa: prelecções feitas pela exmª srª D. Carolina Michäelis de Vasconcelos doutora em Filologia, ao curso do 1º anno da Faculdade de Letras, 2 vols. Coimbra: Tipografia Comercial, [1912-1914].

VASCONCELOS, J. Leite de. Apontamentos filologicos (portuguès). Romania, tome 48, n.°189, p. 117-124, 1922.

VASCONCELOS, Jorge Ferreira de. Comedia Eufrosina. Coimbra: João de Barreira, 1555.

VERDELHO, Telmo. Dicionários: testemunhos da memória linguística. In: BRITO, Ana Maria; FIGUEIREDO, Olívia; BARROS, Clara (Org.). Linguística Histórica e História da Língua Portuguesa. Porto: Faculdade de Letras/Secção de Linguística do Departamento de Estudos Portugueses e de Estudos Românicos, 2004. p. 413-427.

VERDELHO, Telmo. Índice Reverso de «Os Lusíadas». Coimbra: Biblioteca Geral da Universidade, 1981.

VIARO, Mário Eduardo. A produtividade dos sufixos do ponto de vista diacrônico. In: LOBO, Tânia; CARNEIRO, Zenaide, SOLEDADE, Juliana; ALMEIDA, Ariadne; RIBEIRO, Silvana (Orgs.). ROSAE: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 275-292.

VILLALVA, Alina. Formação de palavras: afixação. In: MATEUS, Maria Helena Mira et al. Gramática da Língua Portuguesa. 5.ª edição. Lisboa: Caminho, 2003. p. 939-967.

VILLALVA, Alina. Bare Morphology. Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, Vol. 8, p. 121-141, 2013.

ZWANENBURG, Wiecher. La distribution des catégories lexicales en morphologie française. In Atti del XXI Congresso Internazionale di Linguistica e Filologia Romanza. Sezione 2: Morfologia e sintassi delle lingue romanze. Tübingen: Max Niemeyer Verlag, 1998, p. 867-874.

Bases de dados lexicográficos

ACADEMIA REAL DAS SCIENCIAS DE LISBOA (Ed.). Diccionario da lingoa portugueza, Tomo primeiro A. Lisboa: na Officina da mesma Academia, 1793.

ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA (Ed.). Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa / Editorial Verbo, 2001.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez e latino […], 10 vols. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712-1728.

CARDOSO, Jerónimo. Dictionarium ex lusitanico in latinum sermonem. Coimbra: João Álvares, 1562-1563.

CENTRO DE LINGUÍSTICA DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA (ed.). Dicionário de Verbos do Português Medieval. Disponível em: http://cipm.fcsh.unl.pt/ gencontent.jsp ?id=5. Acesso em: 07 jul 2019.

FIGUEIREDO, Candido de. Nôvo diccionário da língua portuguesa, 2 vols. Lisboa: Livraria Editôra Tavares & Irmão, 1899.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello (Dir.). Dicionário Houaiss da língua portuguesa, 6 tomos. Lisboa: Círculo de Leitores, 2002-2003.

MACHADO, José Pedro (Coord.). Grande Dicionário da Língua Portuguesa, 6 vols. Lisboa: Alfa, 1991.

NASCENTES, Antenor. Dicionário Etimológico da Língua Portuguêsa. Segunda tiragem do I tomo. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica / Livraria Francisco Alves / Livraria S. José / Livros de Portugal, 1955.

PEREIRA, Bento. Thesouro da lingoa portuguesa. Lisboa: officina de Paulo Craesbeeck, 1647.

SILVA, António de Moraes. Diccionario da lingua portugueza [...]. Lisboa: Of. de Simão Thaddeo Ferreira, 1789.

VIEIRA, Frei Domingos. Grande Diccionario Portuguez / Thesouro da Lingua Portugueza, 5 vols. Porto: Em Casa dos Editores Ernesto Chardron e Bartholomeu H. de Moraes, 1871-1874.

Vocabulário Ortográfico do Português. Disponível em: http://www.portaldalingua portuguesa. org/vop.html. Acesso em: 07 jul 2019.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i1.29260

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.