Considerações léxico-culturais da Vila de Catalão (GO): uma análise de Autos de partilhas manuscritos do século XIX

Maria Gabriela Gomes Pires

Resumo


Com base na perspectiva de que as características culturais e sociais estão arraigadas na estrutura lexical de uma língua, este texto tem como objetivo discutir e demonstrar, com base na análise de três autos de partilhas manuscritos na Vila de Catalão nos oitocentos, considerações que dizem respeito a categorização lexical. Para que isso fosse alçado, o texto foi organizado na seguinte ordem: (i) discussão teórica sobre língua e léxico, fundamentados em autores como Biderman (2001), Vilela (1979), Coseriu (1977), Paula (2005), entre outros; (ii) caracterização dos manuscritos analisados, a saber, um processo de partilha e inventário de bens de Joze Ribeiro da Silva, exarado em 1839, um processo de conto de testamento de bens de Joaquim Jose da Silva, lavrado em 1841, e um processo de partilha e inventário de bens de Claudio Francisco Ferreira, publicado em 1851; (iii) breve contextualização histórica de Catalão do século XIX, com base nos autores Palacín (1994) e Azzi (1937); (iv) arrolagem dos itens lexicais que se referiam aos bens deixados em herança; (v) análise semântica dos bens listados, com o auxílio das definições de Morais Silva (1813). O léxico é um conjunto de lexemas que estruturam um sistema aberto linguístico, por isso é impossível que todos saibam e utilizem os mesmos itens lexicais, sendo assim, cada comunidade escolhe o seu vocabulário com base nas suas realidades. Portanto as lexias, como escravo e carro de boi arquivadas manuscritamente nos autos, são representações da realidade socioculturais dos sujeitos catalanos, em parte do século XIX.


Palavras-chave


Manuscritos oitocentistas. Catalão. Análise lexical. Autos de partilhas. Sudeste goiano

Texto completo:

PDF

Referências


AZZI, Antonio Jorge. Catalão Ilustrado. São Paulo: Linotechnica, 1937.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, Ana Maria Pires Pinto de; ISQUERDO, Aparecida Negri (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. v. 1. Campo Grande-MS: Ed. UFMS, 2001. p. 13-22.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documentos de arquivo.São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial do Estado, 2002.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Lingüística Geral II. 2. ed. Campinas: Pontes Editores, 2006.

BOSI, Alfredo. Cultura brasileira e culturas brasileiras. In: BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 308-345.

CAMBRAIA, César Nardelli. Introdução à crítica textual. Martins Fontes: São Paulo, 2005.

COSERIU, Eugenio. Principio de semântica estructural. Madrid: Editorial Gredos/Biblioteca Románica Hispánica, 1977.

FACHIN, Pablo Roberto Marchis. Descaminhos e dificuldades: leitura de manuscritos do século XVIII. Goiânia: Trilhas Urbanas, 2008.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

ISQUERDO, Aparecida Negri. Vocabulário do seringueiro: campo léxico da seringa. In: OLIVEIRA, Ana Maria Pires Pinto de; ISQUERDO, Aparecida Negri (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. v. 1. Campo Grande-MS: Ed. UFMS, 2001. p. 91-100.

LIMA, Igor de; SILVA, Patrícia Garcia Ernando da. Tipologia documental. In: SAMARA, Eni de Mesquita (Org.). Paleografia, Documentação e Metodologia Histórica. São Paulo: Humanitas, 2010. p. 147-253.

LIVRO de Iuizo de orfaons do ano 1839. 55 fólios. Acervo digital do Laboratório de Estudos do Léxico, Filologia e Sociolinguística do Departamento de Letras da UFG-CAC: Catalão-GO, 2013.

LIVRO de Conto de Testamento do ano 1841. 24 fólios. Acervo digital do Laboratório de Estudos do Léxico, Filologia e Sociolinguística do Departamento de Letras da UFG-CAC: Catalão-GO, 2013.

LIVRO do ano 1851. 44 fólios. Acervo digital do Laboratório de Estudos do Léxico, Filologia e Sociolinguística do Departamento de Letras da UFG-CAC: Catalão-GO, 2013.

MEGALE, Heitor; TOLEDO NETO, Sílvio de Almeida. Por minha letra e sinal: Documentos do ouro do século XVII. Cotia: Ateliê Editorial, 2005.

MELO, Gladstone Chaves de. Iniciação à Filologia e à Lingüística Portuguesa. 5. ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1975.

MORAIS SILVA, Antonio. Diccionario da lingua portugueza. 2. ed. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813. 2 tomos.

Ordenações Filipinas, vols. 1 a 5. Edição de Cândido Mendes de Almeida, Rio de Janeiro, 1870. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/242733. Acesso em: 25 nov. 2019.

PALACÍN, Luís; CHAUL, Nars Fayad; BARBOSA, Juarez Costa. História política de Catalão. Goiânia: Editora da UFG, 1994.

PAULA, Maria Helena de. Traços de conservação no português falado no brasil: um estudo de manuscrito bandeirante oitocentista e de narrativa oral contemporânea. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Catalão, v. 6-7, n. único, p. 143-173, jan./dez. 2005.

PAULA, Maria Helena de. Inventário lexical sobre escravidão negra em Goiás em registros paroquiais. In: PAULA, Luciane de; PAULA, Maria Helena de. Confluências na linguagem: língua, discurso e ensino. 1. ed. Goiânia: Gráfica e Editora América, 2013. p. 41-52.

POTTIER, Bernard. As Estruturações Internas. In: POTTIER, Bernard. Lingüística geral: teoria e descrição. Tradução e adaptação portuguesa de Walmírio Macedo. Rio de Janeiro: Presença: Universidade Santa Úrsula, 1978. p. 257-282.

SPINA, Segismundo. Introdução à edótica. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1977.

SAPIR, Edward. Lingüística como ciência. [1921]. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Lingüística Geral. Org. Charles Bally; Albert Sechehaye. São Paulo: Cultrix, 1970.

SOUZA, Bernardino Jose de Souza. Ciclo do carro de bois no Brasil. São Paulo: Comp. Ed. Nacional, 2003.

VILELA, Mário. Estudos de Lexicologia do Português. Coimbra: Livraria Almeida, 1979.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i2.31083

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.