Uma abordagem ampliada da reduplicação no Vocabulario Portuguez, e Latino de Bluteau (séc. XVIII)

Antonia Vieira dos Santos

Resumo


Constitui o objetivo deste trabalho descrever a reduplicação no Vocabulario Portuguez, e Latino... de Rafael Bluteau (1712-1728), importante fonte para o estudo do léxico português, analisando-se a representatividade desse fenômeno a partir dos itens lematizados. A reduplicação é descrita no âmbito da morfologia não concatenativa e é definida como "um processo morfológico que envolve a cópia de material fonológico de uma base" (GONÇALVES; VIALLI, 2016, p. 57), podendo, a unidade lexical, resultar da cópia de toda a palavra (reduplicação total: caicai-cai) ou de parte dela (reduplicação parcial: paipapai). O fenômeno resulta, portanto, da relação da morfologia com a fonologia. No entanto, a concepção de reduplicação utilizada neste artigo é ampla, pois inclui casos de onomatopeia, em geral não considerados nos estudos sobre o tema. Neste trabalho, apresenta-se ainda, de forma breve, uma análise das marcas de uso que Bluteau atribui a algumas formas reduplicadas. Os resultados desse estudo certamente servirão como contributo para as pesquisas empreendidas no presente com base em dados da sincronia atual.


Palavras-chave


Morfologia não-concatenativa. Reduplicação. Onomatopeia. Vocabulario de Bluteau. História da língua.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Luciana R. de; GONÇALVES, Carlos Alexandre V. Análise da reduplicação em dados de aquisição: uma abordagem otimalista. In: VIII Congresso Nacional de Filologia e Linguística, 2005, Rio de Janeiro. Questões de morfossintaxe. Rio de Janeiro: CiFeFil, 2004. v. 8, p. 45- 53. Disponível em: http://www.filologia.org.br/viiicnlf/anais/caderno14-04.html. Acesso em: 28 fev 2019.

ARAÚJO, Gabriel. Truncamento e reduplicação no português brasileiro. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 10, n.1, p. 61-90, jan./jun. 2002.

AULETE, Caldas. Aulete Digital – Dicionário contemporâneo da língua portuguesa: dicionário Caldas Aulete, versão on-line. Disponível em: http://www.aulete.com.br/.

BLUTEAU, Rafael. Vocabulario portuguez, e latino, aulico, anatomico, architectonico, bellico, botanico, brasilico, comico, critico, chimico, dogmatico, dialectico, dendrologico, ecclesiastico, etymologico, economico, florifero, forense, fructifero... autorizado com exemplos dos melhores escritores portugueses, e latinos. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728 (10 vol.).

CARDOSO, Jerónimo. Dictionarium latinolusitanicum & vice versa lusitanicolatinum cum adagiorum fere omnium iuxta seriem alphabeticam perutili expositione: […]. Coimbra: João de Barreira, 1569/1570.

CARDOSO, Jerónimo. Hieronymi Cardosi Lamacensis Dictionarium ex Lusitanico in latinum sermonem. Ulissypone: ex officina Ioannis Aluari, 1562.

COUTO, Hildo Honório do. A reduplicação em português. Lusorama, v. 40, p. 29-40, 1999.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4ª. ed. revista e atualizada, Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

GONÇALVES, Carlos Alexandre V. Processos morfológicos não-concatenativos do português brasileiro: formato morfoprosódico e latitude funcional. Alfa, São Paulo, 48(1), p. 9-28, 2004.

GONÇALVES, Carlos Alexandre V. Atuais tendências em formação de palavras. São Paulo: Contexto, 2016.

GONÇALVES, Carlos Alexandre V.; VIALLI, Luciana A. Daltio. Reduplicação. In: GONÇALVES, Carlos Alexandre V. (Org.). Processos "marginais" de formação de palavras. Campinas: Pontes, 2016. p. 57-76.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. Edição eletrônica.

DICIONÁRIO Infopédia da Língua Portuguesa [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. Disponível em: https://www.infopedia.pt/.

KAUFFMAN, Charles. Reduplication reflects uniqueness and innovation in language, thought and culture. Omniglot – Online Encyclopedia of Writing Systems & Languages (Publisher Simon Ager), 2015. Disponível em https://www.omniglot.com/language/articles/reduplication.htm. Acesso em: 28 fev 2019.

PEREIRA, M. Isabel P. Processos de construção não concatenativa. In: RIO-TORTO, G. et al. Gramática derivacional do português. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2016. p. 521-553.

PHARIES, David A. Structure and Analogy in the Playful Lexicon of Spanish. Tübingen: Max Niemeyer Verlag, 1986.

SANDMANN, Antônio José. Formação de palavras no Português Brasileiro contemporâneo. Curitiba: Sciencia et Labor/Icone, 1988.

SCHWAIGER, Thomas. Reduplication. In: MÜLLER, P.O; OHNHEISER, I.; OLSEN, S.; RAINER, F. Word-Formation. An International Handbook of the Languages of the Europe. Vol. 1, Berlin/Boston: De Gruyter Mouton, 2015. p. 467-484.

REAL ACADEMIA ESPAÑOLA: Diccionario de la lengua española, 23.ª ed., [versión 23.3 en línea]. .

SILVESTRE, João Paulo. Bluteau e as origens da lexicografia moderna. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2008.

VIALLI, Luciana de Albuquerque Daltio. Reduplicação em baby-talk: uma análise morfo-prosódica. Dissertação (Mestrado): Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2008.

VIEIRA, Domingos. Grande diccionário portuguez ou Thesouro da lingua portugueza. Porto: Editores E. Chardron e Bartholomeu H. de Moraes, 1871-1874.

VILARINHO, Michelle Machado de Oliveira. Marcas de uso: estudo e proposta. Cadernos de Estudos Linguísticos, 59 (2), Campinas, p. 375-396, mai./ago. 2017.

VILLALVA, Alina; GONÇALVES, Carlos Alexandre V. The phonology and morphology of word- formation. In: WETZELS, L., COSTA, J. e MENUZZI, S. (Orgs.). The Handbook of Portuguese Linguistics. Amsterdam: John Benjamins Publishing Co., 2016. p. 167-187.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i1.31300

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.