"Que cousa he virgula?": a mudança nas funções da vírgula em doutrinas gramaticais do século XVII ao XIX

Aline de Azevedo Rodrigues, Maria Filomena Gonçalves

Resumo


O objetivo deste artigo é investigar aspectos do desenvolvimento histórico do sistema de pontuação e de escrita. Para tanto, focalizamos as diferentes funções da vírgula observadas em prescrições gramaticais de língua portuguesa publicadas entre os séculos XVII e XIX, o que aqui interpretamos como efeito de diferentes concepções de linguagem, de pontuação e de relação entre fala e escrita. Ao longo do trabalho, defendemos a hipótese de que a complexidade parece ser uma propriedade constitutiva do sistema de pontuação, em razão de sua história heterogênea. Com base nos resultados, encontramos uma mudança funcional ao longo dos séculos que sugere uma coexistência de várias funções, fato que corrobora a teoria que considera os sinais de pontuação como evidências da natureza multidimensional da linguagem.

Palavras-chave


Escrita. Pontuação. Língua Portuguesa. Vírgula. Mudança linguística.

Texto completo:

PDF

Referências


ARGOTE, J. C. de. Regras da língua portuguesa, espelho da língua latina. Lisboa: Oficina da Musica, 1725. Disponível em: http://purl.pt/10.

BARBOSA, J. S. Grammatica philosophica da lingua portugueza; ou principios da grammatica geral applicados á nossa linguagem. Lisboa: Tipografia da Academia das Sciencias, 1822. Disponível em: http://purl.pt/128.

BARRETO, J. F. Ortografia da língua portuguesa. Lisboa: Oficina de João da Costa, 1671. Disponível em: http://purl.pt/18.

BORGES NETO, J. História da Gramática. Curitiba: [s.n.], 2018.

CAGLIARI, L. C. Marcadores prosódicos na escrita. Estudos linguísticos, XVIII Anais de Seminários do GEL, Lorena, p. 195-203, 1989.

CARMELO, L. de M. Compendio de orthografia, com sufficientes catalogos, e novas regras. Lisboa: Oficina de Antonio Rodrigues Galhardo, 1767. Disponível em: http://purl.pt/9.

CHACON, L. Ritmo da escrita: uma organização do heterogêneo da linguagem. São Paulo: Martins Fonte, 1998.

CORUJA, A. A. P. Compendio da ortografia da lingua nacional. Rio de Janeiro: Tipographia Franceza, 1848. Disponível em: hhttps://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/2678.

DAHLET, V. Pontuação, língua, discurso. Estudos Linguísticos, Anais de Seminários do Gel, XXIV. São Paulo: USP, p. 337-340, 1995.

DAHLET, V. As (man)obras da pontuação: usos e significações. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006.

DESBORDES, F. Concepções sobre a escrita na Roma antiga. Trad. F. M. L. Moretto e G. M. Machado. São Paulo: Ática, 1995.

DIAS, A. E. da S. Grammatica portugueza elementar. Obra approvada pela junta consultiva de instrução publica, 9ª edição revista. Lisboa: Livraria Escolar, 1894. Disponível em: http://purl.pt/29127.

FARACO, C. A. Linguística histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas.1ª Ed., 4ª reimpr.: Fevereiro/2014 -São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

FÁVERO, L. L. As concepções linguísticas no século XVIII - A gramática portuguesa. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 1996.

FEIJÓ, J. de M. M. Orthographia, ou arte de escrever; e pronunciar com acerto a língua portugueza. Lisboa: Na Oficina de Miguel Rodrigues, 1734. Disponível em: http://purl.pt/13.

GONÇALVES, M. F. Madureira Feijó, ortografista do século XVIII: para uma história da ortografia portuguesa. Lisboa: Ministério da Educação, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1992.

GONÇALVES, M. F. Notas sobre a pontuação e a gramática no século XIX. In: HEAD, B. F. et alii (Org.). História da Língua e História da Gramática: Actas do Encontro. Braga: Universidade do Minho/ILCH. p. 113-130, 2003.

GONÇALVES, M. F. A “arte de pontuar” no século XVI e os Tratados de Fernão Cardim. Estudos Linguísticos, Araraquara: v. XXXVI, n. 2, p. 3-21, mai-ago, 2007.

GRIVET, A. Nova grammatica analytica da lingua portugueza. Rio de Janeiro: Typ. de G. Leuzinger & Filhos, ouvidor 31, 1881.

MACHADO FILHO, A. V. L. (Org.). O português quinhentista: estudos linguísticos, 1ed. Salvador: Edufba/UEFS, v. 01, 2002. p. 351-366.

MACHADO FILHO, A. V. L. A pontuação em manuscritos medievais portugueses. Salvador: EDUFBA, 2004.

MOURA, T. M. T. de. A tradição gramatical portuguesa: Jerónimo Contador de Argote no contexto cultural iluminista. Dissertação de Mestrado em ensino da língua e literatura portuguesas. Vila Real. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2002.

PACHECO, V. Investigação fonético-acústico-perceptual dos sinais de pontuação enquanto marcadores prosódicos. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

PARKES, M. B. Pause and effect - an introduction to the history of punctuation in the West. Aldershot: Scolar Press, 1992.

PESTANA, D. F. Principios de grammatica geral aplicados á lingua portugueza. Goa: Imprensa Nacional, 1849. Disponível em: http://purl.pt/438.

PEREIRA, B. Regras Geraes breves, e compreensivas da melhor ortografia, com que se podem evitar erros no escrever da lingua Latina, e portuguesa. Lisboa: Domingos Carneiro, 1666. Disponível em: http://purl.pt/29112.

RABELO, L. J. da S. Compendio de grammatica da lingua portuguesa. Rio de Janeiro: Tipografia Esperança, 1872. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/4393.

RIBEIRO, J. Grammatica portugueza. São Paulo: Typ. de Jorge Seckler, 1881. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/2097.

ROCHA, I. L. V. O sistema de pontuação na escrita ocidental: uma retrospectiva. DELTA v.13, 1997.

RODRIGUES, A. A. Usos de vírgula em esquema duplo: sobre estruturas linguísticas envolvidas e sua manifestação discursiva em textos escolares. Revista Mosaico. São José do Rio Preto, v. 16, n. 1, p. 473-495, 2017.

ROSA, M. C. Sintaxe e pontuação em impressos portugueses renascentistas. Rio de Janeiro. Tese de doutorado: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1994.

ROSA, M. C. Onde foram parar as pausas? Sobre leitura e pontuação. In: MOLLICA, Maria Cecília. (Org.). #Linguísticadeprotestos: novos caminhos de pesquisa, 1ed.Rio de Janeiro: 7Letras, v, 1, p. 9-33, 2016.

SONCIN, G. Língua, discurso e prosódia: investigar o uso da vírgula é restrito? Vírgula!. São José do Rio Preto. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2014.

SONCIN, G.; TENANI, L. E. O emprego de vírgulas: evidências de relações entre enunciados falados e escritos. In: MARÇALO, M. J.; LIMA-HERNANDES; M.C., ESTEVES E; FONSECA, M. do C.; GONÇALVES, O.; VILELA, A. L.; SILVA, A. A. (Eds.). Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas. Évora: Universidade de Évora, 2011. p. 44-65.

SONCIN, G.; TENANI, L. Relações entre emprego de vírgula e prosódia do Português Brasileiro: aspectos teórico-analíticos e implicações didáticas. Revista de Filologia e Linguística Portuguesa, n.18, p. 305-326, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p473-493.

SOUSA, M. D. de. Grammatica Portugueza. Coimbra: Na Real Imprensa da Universidade, 1804. Disponível em: http://purl.pt/17363.

SOUTO-MAIOR, F. F. C. Ortographia Portugueza ou regras para escrever certo, ordenadas para uso de quem se quizer applicar. Lisboa, por Francisco Luís Ameno, 1783.

VERA, A. F de. Ortographia ou modo para escrever certo na lingua portugueza. Lisboa: Mathias Rodrigues, 1631. Disponível em: http://purl.pt/12.

YANO, C. O emprego de vírgula como um recurso discursivo na escrita do português clássico. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 58, n. 2, p. 221-235, set. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.20396/cel.v58i2.8647152.

YANO, C. T. Um estudo sobre o emprego de vírgula antes de oração completiva no português europeu clássico: sintaxe, discurso e gramática normativa. (Dissertação de Mestrado) Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2013.

YANO, C. T. A história do emprego de vírgula do português clássico ao português europeu moderno. Campinas. Tese (Doutorado em Linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 2018.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i1.31955

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.