Variação lexical no contexto das obras lexicográficas

Américo Venâncio Lopes Machado Filho, Ivan Pedro Santos Nascimento, Lisana Rodrigues Trindade Sampaio

Resumo


O léxico constitui-se em importante domínio na construção da identidade de uma língua, revelando os complexos processos de variação e mudança a que esta se submeteu em seu fazer sócio-histórico. Pretende-se, neste trabalho, discutir a variação lexical em função de seu registro nos trabalhos lexicográficos, observando-se, nomeadamente, o contexto em que se inserem os de verve histórico-variacional, em especial os dialetais, a partir de uma revisão sobre a tipologia tradicional até hoje adotada por alguns estudiosos da área. Apresenta-se, por fim, uma nova proposta taxionômica para esse ramo do conhecimento, assim como uma reflexão sobre a necessidade do registro da variação lexical de forma mais ampla.


Palavras-chave


Léxico. Variação. Lexicografia. Lexicografia dialetal. Tipologia das obras lexicográficas.

Texto completo:

PDF

Referências


ATKINS, B. T. S.; RUNDELL, Michael. The Oxford Guide to Practical Lexicography. New York: Oxford University Press, 2008.

BEAUREPAIRE-ROHAN, Henrique Pedro Carlos de. Diccionário de vocábulos brasileiros. Brasília, DF; Rio de Janeiro, RJ: Imprensa Nacional. 1889.

BILAC, Olavo. Antologia poética. Porto Alegre: L&PM, 2002.

BUGUÑO MIRANDA, Félix. Da classificação de obras lexicográficas e seus problemas: proposta de uma taxonomia. Alfa, São Paulo, v. 58, p. 215-231, 2014.

BURKE, Petter. A escrita da História: novas perspectivas; trad. de Magda Lopes. São Paulo: Editora UNESP, 1992.

BURKHANOV, Igor. Lexicography: A Dictionary of Basic Terminology. Rzeszow: WWP, 1998.

CALDAS AULETE, Francisco Júlio. Diccionario Contemporaneo da Lingua Portugueza, Lisboa: Imprensa Nacional, 1881.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino. A dialectologia no Brasil: perspectivas. DELTA [online]. 1999, vol.15, n.spe, p. 233-255. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-44501999000300010. Acesso em 20 de março de 2020.

CARDOSO, J. Hieronymi Cardosi Lamacensis dictionarium ex lusitanico in latinum sermonem. Lisboa: Ex officina Ioannis Aluari Typographi Regij, 1562-1563.

CUNHA, M. B.; CAVALCANTI, C. R. O. Dicionário de biblioteconomia e arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008.

FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 5.ed. totalmente revista e ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

FIGUEIREDO, F. C. de. Elói Mendes ontem e hoje: os “causos e casos” que a Mutuca não conta mais. 2ª ed. Elói Mendes, 2015.

GUIMARÃES ROSA, João. Tutaméia - terceiras histórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1967.

HARTMANN, R; JAMES, Gregory. Dictionary of Lexicography. London: Routledge, 2002.

HAUSMANN, F. J. Kollokationen im deutschen wörterbuch. Ein beitrag zur theorie des lexikographischen Beispiels. In: BERGENHOLTZ, H.; MUGDAN, J. (Ed.). Lexikographie und grammatik. Tübingen: Niemeyer, 1985.

MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes. Novo Dicionário do Português Arcaico ou Medieval. Columbia: Amazon, 2019.

MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes. Do conceito de “variante” nos estudos do léxico de perspectiva histórico-variacional. Filologia E Linguística Portuguesa, 16(2), p. 261-275, 2014. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v16i2p261-275. Acesso em 20 de março de 2020.

MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes. Do conceito de nomia para os estudos do léxico em perspectiva variacional e histórica (no prelo).

MARROQUIM, Mário. A língua do Nordeste: Alagoas e Pernambuco. 2 nd ed. São Paulo: Nacional, 1945.

MEXIA P. Entrevista. Aveiro: Biblioteca Municipal de Aveiro [realizada no dia 21 de março de 2016, publicada no dia 23 de março de 2016]. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2020.

NASCENTES, Antenor. O linguajar carioca. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953 [1922].

OLIVEIRA, Anielle Souza de. Léxico brasileiro em dicionários monolíngues e bilíngues: estudo metalexicográfico em perspectiva dialetal e histórica. Tese (Doutorado em Língua e Cultura). Faculdade de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

PENTEADO, Amadeu Ataliba Arruda Amaral Leite. O dialeto caipira. São Paulo: Casa Editora O Livro, 1920.

PIEL, JM. Origens e estruturação histórica do léxico português. In: PIEL, JM. Estudos de Linguística Histórica Galego-Portuguesa. Lisboa: IN-CM, 1989.

ROMANO, Valter Pereira. Balanço crítico da geolinguística brasileira a e proposição de uma divisão. Entretextos, v. 13, n. 2, Londrina, p. 203-242, jul./dez. 2013.

VERDELHO, Telmo; SILVESTRE, João Paulo. Dicionarística portuguesa. Inventariação e estudo do património lexicográfico. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2007.

WELKER, Hebert Andréas. Dicionários: Uma pequena introdução à lexicografia. Brasília: Thesaurus, 2004.

WELKER, Hebert Andréas. O Uso de dicionários: Panorama geral das pesquisas empíricas. Brasília: Thesaurus, 2006.

WELKER, Hebert Andréas. Questões de Lexicografia Pedagógica. In: XATARA, Claudia; BEVILACQUA, Cleci Regina; HUMBLÉ, Philippe René Marie (Orgs.). Dicionários na teoria e na prática: como e para quem são feitos. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

WIEGAND, H.E. Aspekte der Makrostruktur im allgemeinen einsprachigen Wörterbuch: alphabetische Anordungsformen und ihre Probleme. In: HAUSMANN, F.J. et al. (Hrsgn.). Wörterbücher, Dictionaries, Dictionnaires. Ein internationales Handbuch zur Lexikographie. Band 1. Berlin; New York: Walter de Gruyter, 1989.

ZGUSTA, Ladislaw. Manual of Lexicography, Mouton, The Hague, Paris, 1971.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i3.33469

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Américo Venâncio Lopes Machado Filho, Ivan Pedro Santos Nascimento e Lisana Rodrigues Trindade Sampaio.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.