As marcas regionais lexicais do português falado em Colíder – MT

Maria José Basso Marques, Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida

Resumo


Este trabalho utiliza como corpus um recorte dos dados geolinguísticos documentados para o Atlas Semântico-Lexical de Colíder-MT (ASeLCo). Esse município integra, conforme a divisão dialetal que Nascentes (1953) fez no Brasil, parte do território incaracterístico e, também por esse motivo, ausente na rede de pontos do Projeto ALiB (Atlas Linguístico do Brasil). O estudo objetiva examinar quais são as marcas regionais registradas no português falado desses indivíduos sob a ótica da variação diatópica e diageracional. A análise recai sobre as lexias, em manutenção, registradas como respostas dadas às questões 1, 2, 33, 44, 47, 85, 99, 115, 128, 131, 145, 157, 158, 160, 162, 164, 167, do Questionário Semântico Lexical (QSL), versão 2001, do (ALiB), no ponto linguístico rural do ASeLCo, Comunidade Café Norte. O estudo foi fundamentado nos princípios teóricos da Dialetologia, da Sociolinguística e da Lexicologia. Os dados analisados mostraram que o português falado nessa comunidade foi constituído, em sua maioria, por meio do contato linguístico na interação dos migrantes oriundos do Sul e Sudeste do país, com predomínio de variantes +[RS] e essa variedade permanece no falar dos informantes acima de 50 anos de idade.


Palavras-chave


Léxico. Marcas regionais. Atlas semântico-lexical. Colíder-MT. Diversidade linguística.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTENHOFEN, Cléo Vilson. Migrações e contatos linguísticos na perspectiva da Geolinguística pluridimensional e contatual. Revista de Letras Note@mentos. Sinop, v.6, n.12, p. 31-52, 2013. Disponível em: http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/norteamentos/issue/view/73. Acesso em 17 jul. 2019.

ALTENHOFEN, Cléo Vilson; KLASMANN, Mário Silfredo. Atlas linguístico-etnográfico da Região Sul do Brasil. Porto Alegre. Editora da UFRGS, 2011.

ANTUNES, Carolina. Dicionário do dialeto rural do Vale de Jequitinhonha - Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Teoria Linguística. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística em sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Do campo para a cidade: estudo sociolinguístico de migração e redes sociais. São Paulo: Parábola, 2011.

BUSSE, Sanimar. Atlas linguístico-etnográfico da região Oeste do Paraná/ALERO: uma descrição preliminar do movimento diatópico e diastrático da fala. SIGNUM: Estudos da Linguagem. Londrina, v.12, n.1, p.123-144, 2009.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino da Silva. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino da Silva. A dialectologia no Brasil: Perspectivas. Delta. vol. 15. Nº Especial, p. 233-255, 1999. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-44501999000300010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em out 2016.

COROMINAS, Joan; PASCUAL, José A. Diccionario Crítico Etimológico Castellano e Hispánico. Madrid: Editorial Gredos S.A., 1980.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Histórico das Palavras Portuguesas de Origem Tupi. São Paulo: Melhoramentos, 1982.

FARACO. Carlos Alberto. Linguística histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

FILIPAK. Francisco. Dicionário Sociolinguístico Paranaense. Curitiba: Brasil Diferente, 2002.

HOUAISS. Dicionário Conciso. São Paulo: Moderna, 2011.

ISQUERDO, Aparecida Negri; TELES, Ana Regina. A rede de pontos. In: CARDOSO, Suzana Alice Marcelino da Silva. et al. Atlas linguístico do Brasil: v. 1: Londrina. Eduel, 2014. p. 37-77.

MARQUES, Maria José Basso. Atlas semântico-lexical de Colíder- Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em Letras). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual de Mato Grosso, Sinop, 2018. Disponível em: http://portal.unemat.br/?pg=site&i=ppgletras-sinop&m=dissertacoes&c=turma-1. Acesso em: abr. de 2020

MICHAELIS. Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Edição Digital: Melhoramentos. 2015. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/. Acesso em em abr. de 2020.

OLIVEIRA, Alberto Juvenal de. Dicionário Gaúcho. Porto Alegre: Age, 2003.

RIBEIRO, Silvana Soares Costa; PAIM, Marcela Moura Torres. Pipa e amarelinha na área do baiano numa perspectiva diageracional, p. 17-37, 2016. In: A Fala Nordestina: entre a Sociolinguística e a dialetologia. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/316050023.

RODRIGUES, Rosa Evangelina de Santana Belli. Em busca de uma história social para o léxico rural paranaense. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) Londrina, 2007. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000128954. Acesso em: maio de 2020.

SERAINE, Florival. Dicionário de Termos Populares: registrados no Ceará. UFRGS: Simões Editora Rio, 1958.

SOUZA. Bernardinho José de. Dicionário da Terra e da Gente do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1961.

TRASK. R. L. Dicionário de linguagem e linguística. São Paulo: Contexto, 2015.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i3.34945

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Maria José Basso Marques e Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.