Recuperando a história do léxico antroponímico brasileiro

Juliana Soledade

Resumo


Com base em estudos desenvolvidos desde 2007, com aportes de corpora variados que abarcam mais de 20 mil registros de prenomes brasileiros, esse artigo tem por finalidade, apresentar caminhos para a construção de saberes acerca da história do léxico antroponímico brasileiro. Para além de uma proposta de agenda para estudos de natureza sócio histórica dos nomes de pessoa no Brasil, apresentamos também uma investigação sobre dados do século XIX que conduzem a considerações relevantes sobre a chamada revolução antroponímica que teria lugar no segundo quarto do século XX. Ao tratar da tradição e inovação em dados baianos do século XIX, esse artigo consolida dados de pesquisas já empreendidas, o que resulta em expor a face mais conservadora da antroponímia oitocentista em oposição à crescente abertura para inovação que se dará no século XX. É inequívoca a afirmação de que antroponímia brasileira é ainda carente de descrição, tanto do ponto de vista sócio histórico, quanto dos pontos de vista lexicológico e lexicográfico. Existem inúmeras perguntas a serem respondidas acerca de como se constituiu historicamente o sistema antroponímico no Brasil e esse artigo traz a tentativa de oferecer uma pequena contribuição para aqueles que desejam percorrer esse caminho.


Palavras-chave


Antroponímia. História. Mudança. Lexicografia. Lexicologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, IBGE. Nomes no Brasil. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/nomes/#/search.

GUÉRIOS, R. F. M. Dicionário etimológico de nomes e sobrenomes. 3. ed. rev. e aum. São Paulo: Ave Maria, 1981.

LOBO, T. C. F.; ALMEIDA, A. A. D.; SOLEDADE, J. Todos os nomes: análise sócio histórica, mórfico-semântica e etimológica da antroponímia baiana – Projeto de pesquisa. Salvador, 2007. Disponível em https://www.prohpor.org/morfo-proj-2. Acesso em 30 maio 2020.

MACHADO, J. P. Dicionário onomástico etimológico da língua portuguesa. 3 v. Lisboa: Horizonte/Confluência, 1981.

NASCENTES, A. Dicionário etimológico da língua portuguesa – Tomo II. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1952.

OLIVEIRA, K. Negros e escrita no Brasil do século XIX: sócio-história, edição filológica de documentos e estudo linguístico, 2005. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

REIS, J. J. Rebelião Escrava no Brasil: a história do levante dos Malês em 1835. ed. rev. e amp. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

RODRIGUES, L. S. Neologismos antroponímicos com base na utilização de formativos germânicos no Brasil. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

SIMÕES NETO, N. A.; SOLEDADE, J. Nomes masculinos X-son na antroponímia brasileira: uma abordagem morfológica, histórica e construcional. Revista de Estudos da Linguagem, v. 26, p. 1295-1350, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.26.3.1295-1350.

SOLEDADE, J. A hipótese da prevalência de construções biformativas em processos concatenativos e não-concatenativos de formação de antropônimos neológicos no Brasil. In: Estudos Linguísticos e Literários – Dossiê Morfologia, Salvador: EDUFBA, 2019.

SOLEDADE, J.; SIMÕES NETO, N. A. Uma abordagem construcional da antroponímia brasileira em perspectiva histórica. Inédito. In: Anais do IX Seminário de Estudos Filológicos. Salvador: UFBA, 5 a 7 de setembro de 2018.

SOLEDADE, J. Origens e estruturação do léxico antroponímico. Macabéa – Revista eletrônica do NETLLI, Crato, v. 8, n. 2, p. 411-452, 2019. Disponível em: http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/MacREN/article/view/1954.

SOUZA, H. F. C. Arlindos e negros: o nome próprio em uma irmandade de cor na Bahia dos séculos XIX e XX, 2017. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017. Disponível em: http://dicionariodenomesdobrasil.com.br/index.php/links-uteis/. Acesso em: 05 fev. 2019.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i3.35110

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Juliana Soledade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.