“Não há necessidade alguma de comunicação telefônica entre os dois estabelecimentos”: da Academia Imperial de Belas Artes (AIBA) para o Ministério do Império

Solange Ribeiro Viegas

Resumo


Este trabalho tem como objetivo apresentar a transcrição de um manuscrito, pertencente ao Arquivo do Museu D. João VI/-EBA/-UFRJ. Trata-se de um documento escrito em língua portuguesa, datado de 4 de novembro 1886, da Academia Imperial de Belas Artes, destinado ao Ministério do Império, no qual o autor identificado é Antônio Nicolau Tolentino, que solicita o desligamento de uma linha telefônica entre as duas instituições. O documento é contextualizado historicamente, na primeira parte do texto. A indicação das normas utilizadas na transcrição e a transcrição do manuscrito, na segunda parte. Uma análise baseada na transcrição do manuscrito e a identificação de elementos que se referem à estrutura dos signos, como morfologia, módulo e materialidade, são apresentadas na terceira parte do trabalho. Ressaltamos a importância do testemunho como fonte para estudos do contexto tecnológico do Brasil Império. Espera-se que o texto sirva como fonte primária para estudos diversos.


Palavras-chave


Paleografia. Transcrição de manuscritos. Linhas telefônicas. Brasil Império. Academia Imperial de Belas Artes.

Texto completo:

PDF

Referências


ACKEL, A. Estudo Paleográfico de Manuscrito do Século XVII. Revista todas as letras, São Paulo, v. 21, p. 06-17, 2019.

BARBOSA, A. G. O controle de marcas de inabilidade na escrita alfabética e a identificação das mãos inábeis em corpora histórico-diacrônicos. Revista da ABRALIN, v.16, n.2, p. 19-43, Jan./Fev./Mar./Abril de 2017

BERWANGER, A. R.; LEAL, J. E. F. Normas Técnicas para Transcrição e Edição de Documentos Manuscritos. In: Noções de Paleografia e de Diplomática. 5a ed. Santa Maria: Editora UFSM, 2015. p. 97-106.

CASTILLO GÓMEZ, A.; SÁEZ, C. Paleografia versus Alfabetização. Reflexões sobre História Social da Cultura Escrita. LaborHistórico, v. 2, n. 1, p. 164-187, 2016.

MARQUILHAS, R. Norma Gráfica Setecentista - do Autógrafo ao Impresso. Lisboa: INIC, série Linguística, n. 14, 1991.

NACIONALIDADE BRASILEIRA. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nacionalidade_brasileira. Acesso em: 2 dez 2020.

NÚÑEZ CONTRERAS, L. Manual de Paleografía. Fundamentos e história de la escritura latina hasta el siglo VIII. Madrid: Cátedra, 1994.

PEREIRA, Sonia Gomes. Artes ensino e academia: Estudos e ensaios sobre a Acadêmia de Belas Artes do Rio de Janeiro. Rio de janeiro: Faperj, 2016.

PETRUCCI, A. La ciencia de la escritura: primera lección de paleografía. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2003.

SANTIAGO, H. da S.; CARNEIRO, Z. de O. N. Tratamento metodológico das mãos inábeis em corpora diacrônicos. In: CASTILHO, A. T. de. (Coord.). História do Português Brasileiro. v. 2. Corpus diacrônico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2019. p. 92-119.

SANTIAGO. H. da S. A escrita por mãos inábeis: uma proposta de caracterização. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29323. Acesso em: 2 dez 2020.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v7i1.39995

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Solange Ribeiro Viegas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.