A Biblioteca José de Alencar: sua história, memória e patrimônio

Cila Verginia da Silva Borges, Solange Ribeiro Viegas, Rosângela Coutinho da Silva

Resumo


A Biblioteca José de Alencar, idealizada e inaugurada pelo Professor Afrânio Coutinho em 09 de abril de 1969, é fonte de história, patrimônio, memória, pesquisa e leitura, referência na América Latina por seu acervo riquíssimo na área de Linguística, Filologia e Literatura. Os exemplares raros, as primeiras edições, as obras autografadas e os livros com edições esgotadas foram reunidos no Museu de Língua e Literatura. A inauguração da BJA ocorreu com uma exposição de obras selecionadas, das coleções da Biblioteca da antiga Faculdade Nacional de Filosofia, da Biblioteca Central da Universidade e de coleções particulares de maior importância bibliográfica como: Coleção Camoniana, Coleção Eciana, Coleção Adir Guimarães, Coleção Shakespeariana, Coleção Bastos Tigre. Em 06 de março de 1985, a Biblioteca José de Alencar foi reinaugurada no campus universitário da Ilha do Fundão. Em 1994, foram adquiridas as coleções dos professores Celso Cunha e Afrânio Coutinho, esta especializada em Literatura e Crítica Literária. De 1969 até 2019 a Biblioteca José de Alencar cresceu sobremaneira. Seus trabalhos técnicos passaram a ser informatizados através da base de dados Aleph, tanto os serviços de catalogação em 2003, quanto de circulação, em 2010. Em 2016 foi criada a Oficina de Conservação e Restauração. Através de projetos com o SiBI e também com professores da Faculdade de Letras da UFRJ, pretende-se conseguir recursos para digitalizar algumas obras do Museu de Língua e Literatura e também da Coleção Celso Cunha, a fim de preservar acervos, a memória e a história da literatura.


Palavras-chave


Bibliotecas. Acervos. Memória. Patrimônio documental. Educação patrimonial

Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Afrânio Coutinho. Disponível em: http://www.academia.org.br/academicos/afranio-coutinho/bibliografia. Acessado em 12 nov. 2019.

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Celso Ferreira da Cunha. Disponível em: http://www.academia.org.br/academicos/celso-ferreira-da-cunha/biografia. Acessado em 20 jul. 2012.

BORGES, Cila VS. A Coleção Celso Cunha da Faculdade de Letras da UFRJ e sua contribuição para o ensino e a pesquisa acadêmica. In: SEMINÁRIO Memória, Documentação e Pesquisa, 5.: Coleções especiais, patrimônio e memória. Rio de Janeiro, SiBI/UFRJ, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. SANTOS, Paulo Lenir dos (Org.). Porto Alegre: Sagra e Luzatto, 2000.

MAGALHÃES, L. H. et. al. Educação Patrimonial: da teoria à prática. Londrina: Ed. da UniFil, 2009.

PEREIRA, Cilene da Cunha, Pereira, Paulo Roberto (Coord.). Miscelânea de Estudos Linguísticos, Filológicos e Literários In Memoriam de Celso Cunha. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

VIEGAS, S. Imagem de danos em bibliotecas. Rio de Janeiro, 2019.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i2.31099

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.