Fotografias como estratégia metodológica: perscrutando formas de tratamento pronominais brasileiras, moçambicanas e angolanas

Sabrina Rodrigues Garcia Balsalobre

Resumo


Brasil, Moçambique e Angola compartilham da língua portuguesa. Entretanto, esse sistema linguístico é atualizado de modos particulares em função de cada um dos contextos nacionais e de suas idiossincrasias. Particularmente, essa situação é válida ao se observar os usos pronominais da língua portuguesa em suas variedades brasileira, angolana e moçambicana. Ao se considerar apenas situações de interlocução, o sistema dispõe de pronomes pessoais que contemplam recursos pragmáticos de cortesia, intimidade, polidez, distanciamento hierárquico etc. por meio de formas como tu, você, o senhor/a senhora, vocês, os senhores/as senhoras. Além dessas formas pronominais, ainda está disponível sistemicamente ao falante a ausência do pronome (ou forma zero), em que a marca pessoal é demonstrada pela desinência verbal. Para a realização dessa pesquisa comparativa entre as três variedades do português, algumas escolhas metodológicas foram decisivas. Em especial, fez-se imprescindível o resgate de uma metodologia utilizada por pesquisadores brasileiros nos anos 1980. Trata-se do emprego de fotografias como motivador para a realização das entrevistas com os informantes. A partir da seleção das imagens de perfis sociais, foi possível realizar as entrevistas com os informantes. A proposta feita aos entrevistados era que lhes seria indicada, para cada imagem, uma instrução específica contendo um pedido acerca de endereço, referência a uma pessoa, o preço de determinado produto etc. Tendo compreendido a instrução, o informante estabelecia um diálogo com a pessoa da fotografia -- a maioria dos informantes compreendia prontamente a proposta da entrevista e produzia naturalmente diversas formas de tratamento. Em geral, há a possibilidade de se estabelecer algumas tendências no comportamento linguístico dos informantes de um mesmo país, corroborando com a assertiva de que o português brasileiro, o moçambicano e o angolano são variedades linguísticas autônomas. 


Palavras-chave


sociolinguística; pragmática; metodologia; formas de tratamento; pronomes pessoais.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. T. dos S.; MERCER, J. L. V. O tratamento em Curitiba: o pronome zero. Revista Ilha do Desterro. A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, Florianópolis, n. 20, p. 19-30, 1988. Disponível em: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/desterro/article/view/8920. Acesso em: 21 mar 2012.

BALSALOBRE, S. R. G. Língua e sociedade nas páginas da Imprensa Negra paulista: um olhar sobre as formas de tratamento. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

_____. Brasil, Moçambique e Angola: desvendando relações sociolinguísticas pelo prisma das formas de tratamento. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara, 2015.

BROWN, P.; LEVINSON, S. Politeness: some universals in language usage. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

BROWN, R.; GILMAN, A. The pronouns of power and solidarity. In: GIGLIOLI, P. P. (Ed.) Language and social context: selected readings. England: Peguin Books, 1972 [1960].

CASTILHO, A. T. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

COUTO, L. R.; LOPES, C. R. S. As Formas de Tratamento em Português e em Espanhol: variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF, 2011.

DIAS, H. As desigualdades sociolinguísticas e o fracasso escolar: em direção a uma prática linguístico-escolar libertadora. Maputo: Promédia, 2002.

DUARTE, M. E. L. A perda do princípio “evite pronome” no português brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

FIRMINO, G. A questão linguística na África pós-colonial: o caso do português e das línguas autóctones em Moçambique. Maputo: Texto editores, 2006.

FONSECA, D. J. Nas marolas do Atlântico: interpretações de Angola, da África, do Brasil e de Portugal. Relatório Científico de Pós-Doutorado apresentado ao Departamento de Ciências Sociais na Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Campinas, Campinas, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. Resultados gerais da amostra. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000008473104122012315727483985.pdf. Acesso em: 01 de abril de 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. III Recenseamento geral da população e habitação 2007: indicadores sóciodemográficos: Resultados definitivos – Maputo Cidade. Maputo, 2010.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. Inquérito Integrado sobre o Bem-estar da população (IBEP). Relatório de tabelas. Vol. II. Luanda, 2011.

LOPES, C. R. S. Correlações histórico-sociais e linguístico-discursivas das formas de tratamento em textos escritos no Brasil – séculos XVIII e XIX. In: _____. et al. (Orgs.) Sincronía y diacronía de tradiciones discursivas en Latinoamérica. Frankfurt: Vervuert, 2006.

_____. Sobre a norma e tratamento em cartas a Rui Barbosa. In: AGUILERA, V. (Org.) Para a história do português brasileiro. Londrina: Eduel, vol. 7, 2009. p. 45-92.

_____; DUARTE, M. E. L. De “Vossa Mercê” a “Você”: análise da pronominalização de nominais em peças brasileiras e portuguesas setecentistas e oitocentistas. In: BRANDÃO, S. F.; MOTA, M. A. (Orgs.) Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos. Rio de Janeiro: In-Fólio, 2003.

_____; MACHADO, A. Tradição e inovação: indícios do sincretismo entre a segunda e a terceira pessoas nas cartas dos avós. In: _____. (Org.) A norma brasileira em construção: fatos linguísticos em cartas pessoais do século 19. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.

MARCOTULIO, L. L. Língua e História: o 2º marquês de Lavradio e as estratégias linguísticas no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Ítaca, 2010.

MILROY, L. Social Networks. In: CHAMBERS, J.; TRUDGILL, P.; SCHILLING-ESTES, N. (Eds.). The handbook of language variation and change. Blackwell Publishing, 2007. Disponível em: http://bu-169.bu.amu.edu.pl/han/BlackwellReferenceOnline/www.b…iber/uid=819/tocnode?id=g9781405116923_chunk_g978140511692330. Acesso em: 12 de maio de 2012.

MUNDIM, S. S. M. Formas de tratamento e vocativos no Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1981.

NETO, M. G. Aproximação linguística e experiência comunicacional: o caso da escola de formação Garcia Neto. Luanda: Editora Mayamba, 2012.

PAREDES SILVA, V. L. Notícias recentes da presença do pronome tu no quadro de pronomes do português falado no Rio de Janeiro. In: COUTO, Letícia Rebollo; LOPES, Célia R. dos Santos. As formas de tratamento em português e em espanhol: variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: UFF, 2011. p. 245-262.

SANKOFF, D., TAGLIAMONTE, S. A., SMITH E. Goldvarb X: A variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics, University of Toronto, 2005.

SAVEDRA, M. M. G. Estudos e pesquisa em sociolinguística no contexto plurilíngue do Brasil. Revista da Anpoll, vol. 1. n. 29, p. 219-234, 2010.

SILVA, G. M. de O. e. Aspectos sociolinguísticos dos pronomes de tratamento em português e francês. Dissertação (Mestrado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1974.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v1i1.4789

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.