A concordância verbal em ibero-românico

Xavier Frias Conde

Resumo


Na gramática tradicional, quando se fala em concordância nas línguas românicas ibéricas, faz-se sempre referência à que se dá entre o sujeito e o predicado (Conc S↔P), por norma quanto à pessoa (1ª, 2ª ou 3ª) e quanto ao número (singular e plural), mas pode afetar ao género quando se fala em construções passivas. Em determinadas línguas românicas (francês, italiano, sardo, catalão etc.) existe, aliás, uma dupla concordância de sujeito e objeto com o verbo (Conc S↔P↔O), como em catalão les pomes, pro les he comprades les pomes, onde esta segunda concordância é de género e número. Porém, existe uma terceira concordância, que é a de objeto e predicado (Conc P↔O), que partilha traços com a primeira, pois também afeta a pessoa e o número. É desta terceira que trataremos a seguir, pois só se produz em contextos muito concretos, os da voz média (impessoal e ergativa), que tem caraterísticas exclusivas em ibero-românico (portugalego, espanhol e catalão), com uma estrutura sintática complexa, que requer do sintagma diatético (SDiat) para explicar a sua natureza, bem como dos sintagmas de concordância de sujeito (SConcS) e de objeto (SConcO).


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v1i2.4798

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.