Currículo como lugar de escuta: afeto, performatividade e emancipação de histórias da dança

Roberta Ramos Marques

Resumo


O presente artigo é motivado pelos tensionamentos que tenho observado e vivenciado no contexto educacional universitário brasileiro, devido ao fato de que ações afirmativas, incluindo a políticas de cotas, já vêm acontecendo no país há quase 20 anos (embora, inicialmente, em níveis estaduais e de modo isolado, até que, em 2012, tornou-se a Lei 12.711); porém, sem virem acompanhadas de uma reformulação mais radical e sistemática da “infraestrutura da vida branca” (MOMBAÇA, 2021, p. 40), através da qual se organizam as instituições educacionais, incluindo as de Ensino Superior, no Brasil. Tenho proposto tentativas de lidar com essa problemática, partindo do reconhecimento das relações de posicionalidade entre lugares de privilégios e lugares historicamente invisibilizados e silenciados, numa abordagem interseccional; e, a partir disto, tenho buscado desenvolver, nos últimos anos, o que poderia corresponder, na prática curricular, ao que estou experimentando chamar de currículo como lugar de escuta (MOMBAÇA, 2021).


Palavras-chave


Currículo; Lugar de escuta; histórias da dança; ação afirmativa; política de cotas.

Texto completo:

PDF

Referências


BHABHA, Homi. O local da cultura. 2.reimp. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

BONFIM, Larissa Verbisck Alcântara. Avaliação Projeto Janelas da Dança do Recife. [Google forms]. 2021. Não disponível.

BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Unesp, 1992.

BUTLER, Judith. Sin miedo: formas de resistencia a la violencia de hoy. Taurus, 2020. Ebook.

CLEMENCIO, M. A. Considerações sobre currículo, diversidades e ações afirmativas no espaço acadêmico. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 3, n. 3, p. 149 - 159, 2019. DOI: 10.5965/25944630332019149. Disponível em: . Acesso em: 17 maio. 2022.

FERREIRA, Bia. Cota não é esmola. 2018. Canção e clipe. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QcQIaoHajoM&ab_channel=SofarLatinAmerica. Acesso em: 1 de maio de 2022.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2020.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

GOULART, Chrystianne . “Janela” - elemento do ambiente construído. uma abordagem psicológica da relação ‘homem-janela’. 1997. 148p. Dissertação (mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 1997. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/158124/108866.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 1 maio 2022.

JESUS, Alexandro Silva de. Notas sobre a atualidade da ferida colonial. Recife: Titivillus, 2022. Disponível em: https://www.titivilluseditora.com.br/product-page/notas-sobre-a-atualidade-da-ferida-colonial. Acesso em: 1 maio 2022.

LOUPPE, Laurence. Poétique de la danse contemporaine: la suite. Bruxelles: Contredanse, 2007.

MARQUES, Roberta Ramos; VICENTE, Ana Valéria (orgs.). Acordes e traçados historiográficos: a dança no Recife. Recife: Edufpe, 2016. Disponível em: https://editora.ufpe.br/books/catalog/book/218. Acesso em: 1 maio 2022.

MARQUES, Roberta Ramos. Ensino da história da dança e dança documental: por

uma história afetiva, emancipada e performativa da dança. Anais do IV Congresso

Nacional de Pesquisadores em Dança. Goiânia: ANDA, 2016. p. 684-694. Disponível em: https://proceedings.science/anda/anda-2016/papers/ensino-de-historia-da-danca-e-danca-documental--por-uma-historia-afetiva--emancipada-e-performativa-da-danca. Acesso em: 1 maio 2022.

MARQUES, Roberta Ramos; BRITTO, Fabiana Dultra. Reagências do/no presente:

Propostas para o ensino de uma historiografia da dança corporificada e afetiva.

PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG. v.8, n.16:

nov. 2018. Disponível em https://eba.ufmg.br/revistapos. Acesso em: 1 maio 2022.

MARQUES, Roberta Ramos. Dança macabra: re-enactment como reagência em uma videodança. SILVA, Maria Betânia e; AMARAL, Maria das Vitórias Negreiros do; Costa, Robson Xavier da (orgs.). Memórias plurais em artes visuais. Recife : Edufpe, 2019. pp. 215-238. Disponível em: http://plone.ufpb.br/ccta/contents/documentos/publicacoes/e-book-memorias-plurais-em-artes-visuais/ebook_memorias.pdf. Acesso em: 1 maio 2022.

MOMBAÇA, Jota. Pode um cu mestiço falar (2015). Disponível em: https://medium.com/@jotamombaca/pode-um-cu-mestico-falar-e915ed9c61ee. Acesso em: 01 de maio de 2022.

_______ Não vão nos matar agora. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

MOREIRA, Antonio Flavio; CANDAU, Barbosa Vera Maria. Currículo, conhecimento

e cultura. In: BEAUCHAMP, Jeanete; PAGEL, Sandra Denise; NASCIMENTO, Aricélia Ribeiro do (orgs.). Indagações sobre currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag3.pdf. Acesso em: 1 maio 2022.

MUNIZ, Ricardo. Estudos mostram efeitos benéficos de sistema de cotas raciais sobre a universidade pública brasileira. Jornal da Unesp. 26 de janeiro de 2022. Disponível em: https://jornal.unesp.br/2022/01/26/estudos-mostram-efeitos-beneficos-de-sistema-de-cotas-raciais-sobre-a-universidade-publica-brasileira/. Acesso em: 01 maio 2022.

OLIVEIRA, George. 5 motivos para defender as cotas para negros em universidades. Brasil de Direitos. 12 de Novembro de 2021. Disponível em: https://brasildedireitos.org.br/atualidades/5-motivos-para-defender-as-cotas-para-negros-em-universidades?utm_source=google&utm_medium=cpc&utm_campaign=cotas&gclid=CjwKCAjwve2TBhByEiwAaktM1NI9EtIPWk24nvtD3ug65UbYy7Lzb9Sure3XtNbAgvJiMiES8lsbsxoCGP4QAvD_BwE. Acesso em: 1 maio 2022.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; CANDAU, Vera Maria Ferrão Candau. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.26, n.01, p.15-40, abr. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/TXxbbM6FwLJyh9G9tqvQp4v/abstract/?lang=pt. Acesso em: 1 maio 2022.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estudos, 79, ❙❙ novembro 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/nec/a/ytPjkXXYbTRxnJ7THFDBrgc/?format=pdf〈=pt. Acesso em: 1 maio 2022.

SANTOS, Adilson Pereira dos. Itinerário das ações afirmativas no ensino superior público brasileiro: dos ecos de Durban à Lei das Cotas. Revista de Ciências. Humanas, Viçosa, v. 12, n. 2, p. 289-317, jul./dez. 2012. Disponível em: http://flacso.redelivre.org.br/files/2014/05/1132.pdf. Acesso em: 1 maio 2022.

SILVA, Thomaz Tadeu da Silva. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SILVA, Jacqueline Ernesto da. Avaliação Projeto Janelas da Dança do Recife. [Google forms]. 2021. Não disponível.

WICKBOLD, Christiane Curvelo; SIQUEIRA, Vera. Política de cotas, currículo e a construção identitária de alunos de Medicina de uma universidade pública. Proposições, V. 29, n. 1, 86, jan./abr. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pp/a/MHFpp7ZhVHJhf8N6WDfC4cN/?lang=pt. Acesso em: 1 maio 2022.




DOI: https://doi.org/10.58786/rbed.v1i1.52512

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós Graduação em Dança - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Associação Nacional de Pesquisadores em Dança (ANDA)

ISSN 2764-782X