Quem tem medo de etnografia?

Amurabi Oliveira, Felipe Boin, Beatriz Demboski Búrigo

Resumo


Nos últimos anos o uso da etnografia em pesquisas educacionais tem se ampliado consideravelmente, ao mesmo tempo fortalecendo os diálogos entre a antropologia e a educação, e também evidenciando as disputas e tensões entre estes dois campos. Estas tensões se revelam em muitos casos através das dificuldades impostas à realização de pesquisas etnográficas em estabelecimentos escolares, o que será o tema deste artigo. Partindo de um caso particular, envolvendo uma pesquisa etnográfica em escolas, buscaremos problematizar os desafios encontrados neste tipo de pesquisa, indicando que isto ser compreendido também como parte relevante dos dados produzidos em campo.

 


Palavras-chave


etnografia e educação; antropologia e educação; trabalho de campo

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Marli. Etnografia da prática escolar. Campinas, SP: Papirus: 1995.

BARBOSA, Talita Prado. Entre o fazer e o ensinar antropologia: a graduação em ciências sociais no Estado de São Paulo. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2011.

BARTH, Fredrik. O Guru, o Iniciador e Outras Variações Antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BESERRA, Bernadete de L. Ramos. Dos riscos da diferença: etnografia de um percurso acadêmico. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2016.

BOURDIEU, Pierre; CHAMBOREDON, Jean-Claude; PASSERON. Jean-Claude. O Ofício do Sociólogo: preliminares epistemológicas. Petrópolis: Vozes, 2000.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

COHN, Clarice. Antropologia da Criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

CIPINIUK, Tatiana Arnaud. Etnografia em escola pública e seus desafios: um olhar sobre métodos aplicados no itinerário do trabalho de campo. Educere et Educare, v. 9 , n 17, p. 83-91, 2014.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1998.

DAUSTER, T. An interdisciplinary experience in anthropology and education: memory, academic project and political background. Vibrant, v. 12, n. 2, p. 451-496, 2015.

DAUSTER, Tânia; TOSTA, Sandra Pereira; ROCHA, Gilmar (orgs.). Etnografia e educação. Rio de Janeiro: Lamparina, 2012.

EUGÊNIO, Fernanda. De como olhar onde não se vê: ser antropóloga e ser tia em uma escola especializada para crianças cegas. In: VELHO, Gilberto; KUSCHNIR, Karina (Orgs.). Pesquisas urbanas: desafios do trabalho antroplógico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003. p. 208-220

FRANCH, Mónica. Imagine yourself not alone: ReZexões sobre a produção coletiva de conhecimento em antropologia. In: BURITY, Joanildo A.; RODRIGUES, Cibele Maria L.; SECUNDINO, Marcondes de A.. Desigualdades e justiça social, vol. II: Diferenças culturais & políticas de identidade. Belo Horizonte, Argvmentvm, 2010, p. 245-258.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

______. Obras e vidas: o antropólogo como autor. Rio de Janeiro, Editora da UFRJ, 2005.

GIDDENS, Anthony. As Consequências da Modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1997.

GUEDES, Simone Lahud; CIPINIUK, Tatiana Arnaud. (Orgs). Abordagens Etnográficas sobre Educação: adentrando os muros da escola. Rio de Janeiro: editora alternativa, 2014.

GUSMÃO, Neusa Maria M. Antropologia e Educação: história e trajetos/Faculdade de educação -- UNICAMP. In: GROSSI, Miriam P.; TASSINARI, Antonella; RIAL, Carmen (orgs.). Ensino de Antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além-fronteiras. Blumenau: Nova Letra, 2006, p. 299-331.

______. Antropologia e educação: origens de um diálogo. Cad. CEDES. v.18, n.43, pp.8-25, 1997.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. Sociologia do Currículo: origens, desenvolvimento e contribuições. Em Aberto, v. 9, n. 46, 1990.

NOGUEIRA, Maria Alice; CANAAN, Mariana Gadoni. Os “iniciados”: os bolsistas de iniciação científica e suas trajetórias acadêmicas. Tomo, s/v, nº 15, p. 41-70, 2009.

OLIVEIRA, Amurabi. Por que etnografia no sentido estrito e não estudos do tipo etnográfico em educação? Revista FAEEBA, v. 22, n. 40, p. 69-82, 2013.

______. Sobre o Lugar da Educação na Antropologia Brasileira. Temas em Educação, v. 24 n. 1, p.40-50, 2015.

______; BOIN, Felipe; BÚRIGO, Beatriz. A Antropologia, os Antropólogos e a Educação no Brasil. Revista Anthropológicas, v. 27, n. 2, p. 21-44, 2016.

______; FERREIRA, Vanessa R.; BÚRIGO, Beatriz D.; BOIN, Felipe. Pesquisa de campo sobre ensino de ciências sociais: alguns desafios. Em Debate, s/v, n. 13, p. 13-29, 2016.

OLIVEN, Ruben George; MACIEL, Maria Eunice; ORO, Ari Pedro (orgs). Antropologia e Ética: o debate atual no Brasil. Niterói: EdUFF, 2004.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, v. 20, n. 42, p. 377-391, 2014.

______. Teoria Vivida: e outros ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

PIRES, Flávia. O que as crianças podem fazer pela antropologia?. Horizontes Antropológicos, v. 16, n. 34, p. 137-157, 2010.

______. Roteiro sentimental pata o trabalho de campo. Cadernos de Campo, v. 20, n. 20, p. 143-148, 2011.

ROSISTOLATO, Rodrigo; PRADO, Ana Paula. Etnografia em pesquisas educacionais: o treinamento do olhar. Linhas Críticas, v.21, n.44, p. 57-75, 2015

ROSISTOLATO, Rodrigo. “Sabe como é, eles não estão acostumados com antropólogos!”: uma análise etnográfica da formação de professores. Pro-posições, v. 24, n. 2, p. 41-54, 2013.

STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

SILVA, Camila Ferreira. (Ciências da) Educação no Brasil e em Portugal: autonomização dos espaços acadêmicos específicos. 2017. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) -- Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa: 2017.

VALENTE, Ana Lúcia. Usos e abusos da Antropologia na pesquisa educacional. Pro-Posições, v. 7, n. 20, p. 54-64, 1996.

VELHO, Otávio. A Antropologia e o Brasil, Hoje. Revista Brasileiro de Ciências Sociais, v. 23, nº 66, p. 5-9, 2008.

TASSINARI, Antonella M. I.. O que as crianças têm a ensinar a seus professores? Contribuições a partir da Antropologia. Antropologia em primeira mão, s/v, n. 130, p. 1-20, 2011.

WEBER, Florence. A entrevista, a pesquisa e o íntimo, ou: porque censurar seu diário de campo?. Horizontes Antropológicos, v. 15, n. 32, p. 157-170, 2009.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v13i26.12243

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.