"É MEU ÚLTIMO ANO AQUI MESMO [...] TÔ PENSANDO EM BOTAR FOGO NA ESCOLA": O COTIDIANO ESCOLAR E AS PRÁTICAS DE RESISTÊNCIAS

Wescley Dinali, Anderson Ferrari

Resumo


A partir da fala de um aluno, o que é possível de ser problematizado? Não somente a falatítulo,mas diferentes situações entre alunos e entre alunos e professores fazem parte desteartigo, no intuito de discutir que modelo de escola estamos vivenciando e sua relação com aconstituição das subjetividades, sobretudo no que diz respeito à articulação disciplina e“indisciplina”. Buscamos estabelecer um diálogo entre os conceitos foucaultianos detransgressão, resistências e práticas de liberdade com questões relativas ao cotidiano escolar,sobretudo problematizando as ações desviantes dos sujeitos escolares, as ditas “indisciplinas”,que aqui serão pensadas como resistências, consequentemente, como práticas de liberdade.

Palavras-chave


Indisciplinas; Resistências; Liberdades.

Texto completo:

PDF

Referências


CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2009.

BRANCO, Guilherme Castelo. Considerações sobre ética e política. In: BRANCO, Guilherme Castello; PORTOCARRERO, Vera (orgs.). Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: Nau, 2000, pp. 310-327.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2006.

EWALD, François. Foucault, a norma e o direito. 2ª ed. Vega, 2000.

EIZIRIK, Marisa Faermann. Michel Foucault: a agonística do espaço pedagógico. In: Educação subjetividade e poder. Porto Alegre: n. 3, pp. 99-109, abr. 1996.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v6i12.1650

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.