Refletindo sobre a produção textual no 5º ano

Antonio de Pádua Dias da Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é refletir sobre o compromisso e o planejamento para a prática da escrita no 5º ano do fundamental I. A pesquisa-ação propôs atividades interventivas em sala de aulda, desenvolvendo estratégias capazes de subsidiar o aluno quanto ao domínio dessa competência. A intervenção deu-se em uma escola pública e rural do interior da Paraíba, em uma classe multisseriada (4º e 5º anos). O problema da pesquisa reside no fato de que ao aluno não são dadas condições necessárias para o desenvolvimento eficaz da escrita, o que resulta em ações docentes, muitas vezes, dispedagógicas e promotoras de uma discapacidade do aluno. Trabalha-se com a hipótese da reversão dos déficits de escrita, sobretudo, daqueles provocados pelo professor, pela escola e pelos modos de abordagens.

Palavras-chave


séries iniciais, aprendizagem, dispedagogia

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Irandé. Aulas de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

ANTUNES, Irandé. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BOYER, Patrice. Distúrbios da linguagem em Psiquiatria. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1982.

CAVALCANTI, Joane Veloso Pina; SILVA, Marcela Thaís Monteiro de; SUASSUNA, Lívia. Como os professores definem o que ensinar? Um estudo sobre a construção/prática de currículos de língua portuguesa. In: LEAL, Telma Ferraz; SUASSUNA, Lívia (Orgs.). Ensino de Língua Portuguesa na educação básica: reflexões sobre o currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014, p. 11-29.

CORRÊA, Letícia Maria Sicuro. Processamento linguístico e aquisição da linguagem: uma abordagem integrada. In: BUCHWEITZ, Augusto & MOTA, Mailce Borges (Orgs.). Linguagem e cognição: processamento, aquisição e cérebro. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2015, p. 107-142.

FERREIRO, Emilia & TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Trad. Diana Linchestein et. al. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

FONSECA, Vitor da. Introdução às dificuldades de aprendizagem. 2, ed. Revista e aumentada. Porto Alegre: Artmed, 1995.

HEAT, Shirley Brice. What no bedtime story means: narrative skills at home and school. Language in Society, Cambridge, n. 11, 1982, p. 49-76.

IANHEZ, Maria Eugênia; NICO, Maria Angela. Nem sempre é o que parece: como enfrentar a dislexia e os fracassos escolares. São Paulo: Alegro, 2002.

KOCH, Ingedore Villaça. Argumentação e linguagem. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

KOCH, Ingedore Villaça. O texto e a construção de sentidos. São Paulo: Contexto, 2013.

KRAMER, Sonia. Alfabetização, leitura e escrita: formação de professores em curso. São Paulo: Ática, 2010.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meireles. Produção de textos e a escola. Campinas: Mercado de Letras, 1994.

MENDES, Carlos Brito. Dislexia ou dispedagogia. Análise Psicológica, Lisboa, n. II, v. 1, 1978, p. 157-162.

ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SERAFINI, Maria Teresa. Como escrever textos. Trad. Maria Augusta Bastos de Matos. 11. ed. São Paulo: Globo, 2001.

VAN DIJK, Teun A.; KINTSCH, Walter. Strategies of discourse comprehension. New York: Academic Press, 1983.




DOI: http://dx.doi.org/10.20500/rce.v13i26.16588

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.