A EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA: CRÍTICA DE QUE?

Eunice Schilling Trein

Resumo


Neste texto buscamos problematizar as concepções de educação ambiental crítica à luz dos condicionantes sociohistóricos que as engendram. Analisamos as tensões entre as diferentes práticas educativas e os sentidos que elas assumem no Brasil nas últimas décadas. Buscamos respostas para as indagações sobre o que caracteriza a educação ambiental crítica num diálogo com os questionamentos propostos por Tozoni-Reis (2004) e Carvalho (2004). Buscamos compreender os impactos na educação proporcionados pelas diretrizes curriculares e os processos avaliativos que balizam o trabalho docente.

Palavras-chave


Educação ambiental crítica, práxis, trabalho docente.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Almerindo J.; ESTEBAN, Maria Teresa. Olhares e interfaces: reflexões críticas sobre a avaliação. São Paulo: Cortez, 2010.

ALTVATER, Elmar. O preço da riqueza. São Paulo: UNESP, 1995.

ALTVATER, Elmar. O fim do capitalismo como o conhecemos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

BALL, Stephen. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. In: Cadernos de Pesquisa, v.35, n. 126, p. 539-564, set/dez, 2005.

CARVALHO, Isabel. Movimentos sociais e políticos de meio ambiente: a educação ambiental onde fica? In: Cadernos do III Fórum de educação ambiental. SORRENTINO, Marcos; TRAJBER, Rachel; BRAGA, Tânia (orgs.) São Paulo: Gaia, 1995.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v7i14.1673

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.