MOVIMENTOS ESCOLARIZADOS E NÃO-ESCOLARIZADOS: DO CORPO ALUNO E SUAS ESTRATÉGIAS DE RESISTÊNCIA

Aline Rodrigues

Resumo


O artigo apresenta alguns movimentos realizados ao pensar-se o corpo do aluno em sua relação com a escola. A articulação em questão faz parte de uma pesquisa maior desenvolvida no Centro Universitário UNIVATES/RS, e o estudo foi realizado a partir de teorizações pós-estruturalistas. A exploração inicial teve em seu âmago um entendimento dos espaços escolares e não-escolares. Em seguida, foram feitos os cruzamentos metodológicos empregados para articular esta escrita. Para finalizar, realizou-se uma aproximação das resistências do corpo aluno, abordando-se alguns atravessamentos com as linhas de vida, teorização proposta por Gilles Deleuze.


Palavras-chave


Corpo, movimentos escolarizados e não escolarizados; resistência

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, Davis Moreira. O rio e a rocha: resistência em Gilles Deleuze e Michel Foucault. Revista Intuitio, Porto Alegre, nov. 2009.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Culturas escolares, culturas de infância e culturas familiares: as socializações e a escolarização no entretecer destas culturas. Educ. Soc. [online].2007, vol.28, n.100, p. 1059-1083.

BARBOSA, Maicon; LOPES, Kleber Jean Matos. Desventuras de um forasteiro numa cidade que se faz corpo. In: ADAD, Shara Jane Holanda Costa; JÚNIOR, Francisco de Oliveira Barros (Org.). Corpografia: Multiplicidades em fusão. Fortaleza: UFC, 2012.

CORAZZA, Sandra Mara; TADEU, Tomaz. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v9i18.1858

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.