CONTRIBUIÇÕES HISTÓRICAS E POLÍTICAS PARA A FORMAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE NO BRASIL

José Roberto Franco Reis, Camila Furlanetti Borges

Resumo


Este artigo procura refletir sobre a proposta do eixo Estado, Sociedade e Políticas Públicas do Curso Técnico de Agentes Comunitários de Saúde (ACS), organizado pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da FIOCRUZ. O objetivo do eixo foi oferecer aos trabalhadores-estudantes uma compreensão das bases históricas de formação da nacionalidade brasileira, de forma a promover um processo de apropriação crítica das raízes sociais e políticas da desigualdade brasileira e dos modos de exclusão historicamente instituídos no país. O artigo, além de discorrer brevemente sobre a trajetória história dos ACS no Brasil, apresenta a proposta do eixo e busca refletir sobre os objetivos e importância de oferecer um tal conteúdo curricular para a formação destes trabalhadores.

Palavras-chave


formação política; agentes comunitários de saúde; educação profissional

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, L. F. de Com quantos escravos se constrói um país. In: FIGUEIREDO, L. Raízes Africanas, Rio de janeiro:Sabin, 2009, p.26-30.

BARBOZA FILHO, R.. A modernização brasileira e o nosso pensamento político. Perspectivas, São Paulo, vol 27, jan/jun 2010, p. 15-63.

BATALHA, C. Limites da liberdade; trabalhadores, relações de trabalho e cidadania durante a primeira República,. In: Trabalho livre, trabalho escravo. Brasil e Europa, séculos XVIII e XIX, LIBBY, D. C. ; FURTADO, J. F. (Orgs), São Paulo:Annablume, 2006, p. 97-110.

BORNSTEIN, V. J. STOTZ, E. N. O trabalho dos agentes comunitários de saúde: entre a mediação convencedora e a transformadora. Trabalho, educação e saúde. Rio de Janeiro 2008, v. 6, n. 3, p. 457-480.

BORNSTEIN, V. J. ; DAVID, H. M. S. L.; MATTA, G. C.. O processo de trabalho do agente comunitário de saúde e sua incidência sobre a mudança do modelo de atenção em saúde. In: MONKEN, M.; DANTAS, A. V. (Orgs.). Estudos de Politecnia e Saúde. 1ed., 2009, v. 4, p. 191-219.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.886/GM de 18 de dezembro de 1997. Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, p. 11-13, 22 dez. 1997.

______. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Referencial Curricular para o Curso Técnico de Agente Comunitário de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

________ Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n.º 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (Pacs). Brasília, 2006.

CARDOSO, A. Escravidão e sociabilidade capitalista. Um ensaio sobre inércia social. Novos Estudos Cebrap, 80, março de 2008, p. 71-88.

CARVALHO, J. M. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CHALHOUB, S. A Abolição em crônicas. In: Jornal da Unicamp. Campinas, SP, 25 a 31 de agosto de 2008.

____________ Visões da liberdade. Uma história da últimas décadas da escravidão na Corte, São Paulo:Companhia das Letras, 2011.

CHAUÍ, M.. Brasil. Mito fundador e sociedade autoritária, São Paulo, Editora Perseu Abramo, 2000.

CORBO, A. D. ; MOROSINI, M. V. G. C.. Saúde da Família: história recente da reorganização da atenção à saúde. In: EPSJV. (Org.). Políticas de Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2005, p. 157-181.

CORBO, A. D..; MOROSINI, M. V. G. C. ; PONTES, A. L. M. . Saúde da Família: construção de uma estratégia de atenção à saúde. In: MOROSINI, M. V. G. C.; CORBO, A. D. (Orgs.). Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007. p. 69-106.

DAMATTA, R.. Carnavais, Malandros e Heróis. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1979.

_____________ Prefácio. In: BARBOSA, L. O Jeitinho Brasileiro: a arte de ser mais igual que os outros. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

EPSJV. Projeto Político Pedagógico. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Org.). Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2005.

FAUSTO, M. C. R.; MATTA, G. C. Atenção Primária à Saúde: histórico e perspectivas. In: MOROSINI, M. V. M. C. ; CORBO, A. D.. (Orgs.). Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007. p. 43-68.

FONSECA, A. F.; MOROSINI, M. V. G. C.; MENDONÇA, M. H. M. . Atenção primária na saúde e o perfil social do trabalhador voluntário em perspectiva histórica. Revista Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, vol 11, nº 3, dez. 2013

FRENCH, J. Afogados em Leis: a CLT e a cultura política dos trabalhadores brasileiros. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

__________As falsas dicotomias entre escravidão e liberdade: continuidades e rupturas na formação política e social do Brasil moderno. In: LIBBY, D. C..; FURTADO, J. F. (Orgs). Trabalho escravo, trabalho escravo: Brasil e Europa, séculos XVII e XIX, São Paulo: Annablume, 2006, p.75-96.

GOMES, A. C. A invenção do trabalhismo, Rio de janeiro, Vértice/Iuperj:1998.

HEAVER, R.. Managing primary Care: Implications of the health transitions. World Bank discussion paper, n.276,Wasnhington DC : World Bank, 1995.

MOROSINI, M. V. G. C. Educação e Trabalho em Disputa no SUS: a política de formação dos agentes comunitários de saúde. 1. ed. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fiocruz, 2010.

NEGRO, A. L. Paternalismo, Populismo e História Social. Cadernos AEL, Campinas, Unicamp/IFCH/AEL, vol. 11, nº 20/21. ANO 2004, p. 9-37.

PAOLI, M. C. . Movimentos sociais, movimentos republicanos. In: SILVA. F. T.; NAXARA, M. R. C. ; CAMILOTTI, V. C. . (Orgs). República. Liberalismo e Cidadania, Piracicaba: editora Unimep, 2003, p. 163-189.

PONTES, A. L. M. O processo de trabalho do Agente Comunitário de Saúde e a construção da Integralidade: histórico e a Política Nacinal de Atenção Básica. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. (Org.). Estudos de Politecnia e Saúde. 1ed.Rio de Janeiro: EPSJV, 2006, v. 1, p. 87-106.

RAMOS, M. N. . Educação pelo trabalho: possibilidades, limites e perspectivas da formação profissional. Saúde e Sociedade (USP. Impresso), v. 18, 2009, p. 55-59.

REIS, J. J.; SILVA, E.. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista, São Paulo:Companhia das Letras, 1989.

REIS, J. R. F. Cultura de Direitos e Estado: os caminhos (in)certos da cidadania no Brasil. In: MOROSINI, M. V. G. C. ; REIS, J. R. F. (Orgs). Sociedade, estado e direito à saúde, Rio de Janeiro:EPSJV/Fiocruz, 2007, p. 15-61.

SALES, T. Raízes da desigualdade social na cultura política brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Ano 9, n2º 5, 1994, p. 26-37.

SILVA, F. T. ; COSTA, H. Trabalhadores urbanos e populismo: um balaço dos estudos recentes. In: FERREIRA, J. (Org). O Populismo e Sua História: debate e crítica, Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 2001, p. 205-271.

TELLES, V. S. Direitos Sociais: afinal do que se trata? Belo Horizonte: UFMG, 1999.

___________ Cultura da Dádiva, avesso da cidadania. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Ano 9, nº 25, 1994, p. 45-47

THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses. In: NEGRO, A. L. ; SILVA, S. (Orgs.), As peculiaridades dos ingleses e outros artigos, 2ª ed., Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2012.

UNICEF. Cuidados Primários de Saúde. Brasil, 1979. Relatório sobre Cuidados Primários de Saúde, Alma Ata, URSS, set. 1978.

VIANNA, L. W. A Revolução Passiva: iberismo e americanismo no Brasil, Rio de Janeiro:Editora Revan, 2004.

WILLIAMS, R. Cultura e Materialismo, São Paulo: Editora Unesp, 2011.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v11i21.2127

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.