Autonomia curricular do professor em Angola: limites, desafios e possibilidades

António Luis Julião

Resumo


Angola atravessa momentos de profundas mudanças em vários domínios. No caso da educação, faz sentido repensar a escola como local estratégico de decisão curricular, de mudanças organizacionais e funcionais que permitem melhorar o ensino e adequar o sistema educativo aos imperativos modernos.
Inserida nesta lógica, a publicação do Decreto Presidencial nº 160/2018, de 3 de Julho, procura gerar, tacitamente, uma nova perspectiva de gestão curricular, consignando algumas margens de autonomia aos professores, como agentes curriculares, o que permitirá reforçar suas possibilidades. Só que parece
que continua a existir alguma dissonância entre o estatuído na norma e o que acontece no terreno das práticas. Neste sentido, no presente artigo procuramos analisar a autonomia curricular do professor à luz do normativo referido, no sentido de averiguar se garante o sucesso educativo dos aprendentes.
Para dar suporte à nossa análise, inspirada numa abordagem qualitativa, privilegiámos a recolha bibliográfica e a análise documental. Para elaborar o texto dialogamos com vários autores que discutem que discutem a autonomia curricular do professor. Aprofundando as leituras, os autores chamam a atenção
para a necessidade de uma maior autonomia do professor, substancialmente fundada num processo colectivo de construção no contexto da escola. É que, embora legalmente seja conferida alguma autonomia aos professores, várias observações quotidianas e alguns relatos indiciam a existência de um certo
desconhecimento dessa prerrogativa legal, pois, em múltiplos casos, os docentes limitam-se a cumprir o que lhes é central e curricularmente prescrito, em detrimento de uma tomada de decisões partilhadas, colocando em causa a qualidade do processo de ensino e aprendizagem perseguida em Angola.


Palavras-chave


Autonomia curricular, Docência, Qualidade do Ensino e da Aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. E. O papel do professor na (re)construção do currículo do 1º ciclo do ensino secundário em Angola: das intenções às práticas.Tese (Doutorado) — Universidade do Minho, Braga, 2014.

ANGOLA. Decreto lei Nº 17/16, de 7 de outubro de 2016. Cria os principios e as bases gerais do sistema de educação e ensino. Boletim Oficial de Angola, 8 out. 2016.

ANGOLA. Decreto presidencial Nº 3/08, de 4 de março, que aprovava o estatuto da carreira docente. Boletim Oficial de Angola, 4 mar. 2008.

ANGOLA. Decreto presidencial Nº 160/18, de 3 de julho de 2018. Aprova o estatuto dos agentes de educação.Boletim Oficial de Angola, 4 jul. 2018.

ANGOLA. Ministério da Educação. Plano mestre de formação de professores em An¬gola. Luanda, 2009.

APPLE, M. W. Conhecimento oficial: a educação democrática numa era conservadora. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

BALL, S. Culture, cost and control: Self-management and entrepreneurial schooling in England and Wales. In: SMITH, J. (ed). A socialy critical view of the self-managing school. Londres: The Falmer, 1993. p. 63-82.

COUTINHO, C. P. Paradigmas, metodologias e métodos de investigação. Lisboa: Almedina, 2011.

DUPRIEZ, V. Autonomia dos estabelecimentos. In: Zanen, A. V. Dicionário de educação. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 688-93.

FERNANDES, S. A centralização burocrática do ensino secundário. 1992.. Tese (Doutorado em Disciplina) – Universidade do NInho, Braga, Portugal, 1992.

FLORES, M. A.; FLORES, M. O professor agente de inovação curricular. In: PACHE¬CO,J. A.; PERASKEVA, J. M.; SILVA, A. M. (Orgs.). Reflexão e inovação curricular. In: COLÓQUIO SOBRE QUESTÕES CURRICULARES, 3, 1998, Braga. Actas… Braga: Universidade do Minho, 1998. p.79-99.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1998.

GUERRA, M. S. A escola que aprende. Porto: Asa, 2000.

INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - INIDE. Comparação entre o Sistema de Educação em vigor e o Siste¬ma de Educação a implementar. Luanda, 2003.

LEITE, C. Para uma escola curricularmente inteligente. Porto: Asa, 2003.

LIMA, L. Organização escolar e democracia radical: Paulo Freire e a governação demo¬crática da escola pública. São Paulo, SP: Cortez, 2000. (Guia da escola cidadã, v. 4).

LIMA, L. C. Reformar a administração escolar: a recentralização por controlo remoto e a autonomia como delegação política. Revista Portuguesa de Educação, v. 8, n. 1, p. 57- 71, 1995.

MACHADO, M. O papel do professor na construção do currículo.Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) — Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Braga, 2006.

MACHADO, R. C. F. Autonomia. In: STRECK, D. R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. J. (Org.). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2008.

MARKONI, A.; LAKATOS, E. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2013.

MARKONI, M.; LAKATOS, E. Técnicas de pesquisa. 7. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2009.

MORGADO, J. C. A (des)construção da autonomia curricular. Lisboa: Asa, 2000.

MORGADO, J. C. Processos e práticas de (re) construção da autonomia curricular. 2003. Tese (Doutorado) — Universidade do Minho, Braga, 2003.

MORGADO, J. C. Avaliação e autonomia curricular: dos discursos emancipadores à (des)regulação das práticas. In: CONGRESSO INTERNACIONAL GALEGO-POR¬TUGUÊS DE PSICOPEDAGOGIA, 10., 2009, Braga. Actas... Braga: Universidade do Minho, 2009. p. 3590-602.

MORGADO, J. C. Projeto curricular e autonomia da escola: das intenções às práticas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Goiânia, v. 27, n. 3, p. 391-408, set.-dez. 2011.

https:/doi.org/10.21573/vol27n32011.26411

PACHECO, A. Flexibilização curricular: algumas interrogações. PACHECO, J. (Org.). Políticas de integração curricular. Porto: Porto, 2000.

PACHECO, J. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto, 2001.

PACHECO, J. Tendências de descentralização das políticas curriculares. In: PACHECO, J. (Org.). Políticas educativas: o neoliberalismo em educação. Porto: Porto, 2001.

PARASKEVA, J. M.; MORGADO, J. C. Autonomia curricular: uma nova ferramenta ideológica. In: Pacheco, J. A.; Paraskeva, J. M.;

Silva, A. M. (orgs.) Reflexão e inovação curricular. Braga: Universidade do Minho, 1998. p. 107-26.

RYAN, B. And your corporate manager will set you free... : devolution in South Australian education. In: Smyth, J. (Ed.). A socially critical view of the self-managing school. Londres: The Falmer, 1993. p. 191-211.

SANCHES, M. C. Da natureza e possibilidade da liderança colegial das escolas. In: COSTA, J. A.; MENDES, A. N.; VENTURA, A. (Org.). Liderança e estratégia nas orga¬nizaçõesescolares. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2000. p. 45-64.

SOUSA, F. Diferenciação curricular e deliberação docente. Porto: Porto, 2010.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v14i29.22155

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.