FORMULAÇÕES DA CLASSE EMPRESARIAL PARA A FORMAÇÃO HUMANA: DA EDUCAÇÃO POLÍTICA À EDUCAÇÃO ESCOLAR

André Silva Martins

Resumo


O texto analisa o posicionamento de uma fração da classe empresarial sobre a relação trabalho e educação. A perspectiva epistemológica da análise é o materialismo histórico. A investigação foi realizada sobre documentos de organismos empresariais. O texto apresenta: (a) reflexão sobre classes sociais, (b) análise sobre a constituição dessa fração de classe e suas formulações para a educação política; (c) formulações de três organismos para a educação básica. A investigação demonstra que uma fração da classe empresarial vem atuando para afirmar um novo padrão de sociabilidade e instituir o neopragmatismo para a administração da escola pública.


Palavras-chave


trabalho-educação; classe social; relações de poder

Texto completo:

PDF

Referências


BIANCHI, Álvaro. Hegemonia em construção: a trajetória do Pensamento Nacional das Bases Empresariais. São Paulo: Xamã, 2001.

CARDOSO, Miriam Limoeiro. Sobre as relações sociais capitalistas. In: LIMA, Júlio César França; NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Org.) Fundamentos da educação Escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006, p. 25-66.

CHAUÍ, Marilena. Universidade operacional. http://www1.folha.uol.com.br/fol/brasil500/dc_1_3.htm. Acesso: 10/05/2013.

COELHO, Eurelino. Uma esquerda para o capital: o transformismo dos grupos dirigentes do PT (1979-1998). São Paulo: Xamã, 2012.

DAVIES, Nicholas. O financiamento da educação básica no Brasil. In: Rubens Luiz Rodrigues. (Org.). Educação escolar no século XXI. Juiz de Fora: EdUFJF, 2013, p. 205-225.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1995.

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL; CENPEC. O Programa Melhoria da Educação no Município e as políticas públicas sociais. Coleção diálogos sobre gestão municipal. São Paulo: Fundação Itaú Social; CENPEC, 2009

FUNDAÇÃO LEMANN. Gestão para o sucesso escolar. s/d.

INSTITUTO ETHOS. Visão. São Paulo, 1999. Disponível em http://www.ethos.org.br. Acesso: 9/04/2007.

INSTITUTO ETHOS. Carta de princípios. São Paulo, 1998. Disponível em http://www.ethos.org.br. Acesso: 9/04/2007.

INSTITUTO ETHOS.Visão. São Paulo, 1999a. Disponível em http://www.ethos.org.br. Acesso: Acesso: 9/04/2007.

INSTITUTO ETHOS. O que é RSE. São Paulo, 2000. Disponível em http://www.ethos.org.br . Acesso: Acesso: 9/04/2007.

INSTITUTO ETHOS. Fórum empresarial de apoio ao município. São Paulo: Instituto Ethos, 2005.

INSTITUTO ETHOS. Relatório de atividades de 2006. São Paulo, 2000b. Disponível em http://www.ethos.org.br. Acesso: 25/10/2005.

GIDDENS, Anthony. Para além da esquerda e da direita: O futuro da política radical. São Paulo: UNESP, 1996.

GIFE. Relatório de Atividades. 2000. São Paulo, 2000.

GIFE. Guia de Investimento Social Privado na Educação. São Paulo: GIFE, 2003.

GIFE. Relatório de Atividades 2008. São Paulo, 2009.

GIFE. Por que fazer ISP. São Paulo, 2004c. Disponível em http://www.gife.org.br . Acesso: 28/11/2009.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. vol. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000a.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. vol 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000b.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. vol. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

HARVEY, David. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1994.

LÜCK, Heloísa. Dimensões de gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo, 2009.

MARTINS, André Silva. A direita para o social: a educação da sociabilidade no Brasil contemporâneo. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2009.

Marx, Karl; Engels, Friedrich. A ideologia alemã. 5a ed., São Paulo: Hucitec, 1986.

MARX, Karl. A miséria da filosofia. Lisboa: Estampa, 1978.

MELO, Adriana Almeida Sales de. A mundialização da educação: consolidação do projeto neoliberal na América Latina: Brasil e Venezuela. Maceió: Universidade Federal de Alagoas, 2004.

NERI, Marcelo Cortes (org.). A nova classe média. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2008.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.). Política educacional nos anos 90: determinantes e propostas. 2a. ed. Recife: UFPE, 1997.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.). Direita para o social e esquerda para o capital: os intelectuais da nova pedagogia da hegemonia. Xamã: 2010.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SENNET, Richard. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 1999.

THOMPSON, Edward Palmer. A formação da classe operária inglesa: a árvore da liberdade. 4. ed. Vol. 1. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Relatório de atividades 2013. São Paulo, 2014.

TODOS PELA EDUCAÇÃO; INSTITUTO ISPIRARE. Propostas para a Educação Básica no Brasil. São Paulo, 2014.

TOURAINE, Alan. O pós-socialismo. Porto: Afrontamentos, 1981.

TOURAINE, Alan. Como sair do liberalismo?. Bauru: EDUSC, 1999.

VALENTE, Ivan; ROMANO, Roberto. PNE: Plano Nacional de Educação ou carta de intenção?. Educ. Soc. [online]. 2002, vol.23, n.80, pp. 96-107. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v23n80/12926.pdf. Acesso: 10/02/2003.

ZADEK, Simon et. all. Agrupamentos de responsabilidade corporativa: alavancando a responsabilidade corporativa para atingir benefícios competitivos nacionais. Cadernos Reflexão, ano 4, nº 09. São Paulo: Instituto Ethos, 2003.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v10i20.2216

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Revista Contemporânea de Educação



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.