AVALIAÇÃO DA COMPREENSÃO EM LIBRAS POR ALUNOS SURDOS: Uma proposta

Joice Batista Lemes, Cristina Broglia Feitosa de Lacerda, Rimar Ramalho Segala, Guilherme Nichols, Marcus Vinícius Batista Nascimento

Resumo


Com base em uma experiência de pesquisa realizada na Universidade de Barcelona, Espanha optamos por criar também no Brasil um instrumento que contribuísse com as práticas pedagógicas apoiando o professor no que concerne às avaliações da compreensão de seus alunos surdos em Libras. Com este objetivo, foi elaborado um vídeo com a enunciação, em Libras, de uma fábula, e um elenco de 15 perguntas relativas à esta, resultando em duas versões do instrumento, as quais foram aplicadas em caráter experimental para 16 alunos surdos do Ensino Fundamental. Resultados preliminares são apresentados indicando a necessidade de ajustes a serem realizados no instrumento visando seu aperfeiçoamento e posterior validação.


Palavras-chave


Educação bilíngue. Avaliação. Libras.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCOVERDE, R.D.L. Tecnologias digitais: novo espaço interativo na produção escrita dos surdos. Caderno Cedes, Campinas, v. 26, n. 69, p. 251-267, mai/ago. 2006.

BAKTHIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas do método sociológico para a ciência da linguagem. 13 ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BARBOSA, F. V.; LICHTIG, I. Protocolo do perfil das habilidades de comunicação de crianças surdas. Revista de estudos da linguagem, [S.l.], v. 22, n. 1, p. 95-118, june 2014.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 106 p.

BRASIL. Decreto Nº 5.626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Publicado no Diário Oficial da União em 22/12/2005.

BRASIL. Decreto Nº 6.949. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Publicado no Diário Oficial da União em 25/08/2009.

BRASIL. Lei Nº 13.005. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Publicada no Diário Oficial da União em 25/06/2014.

GÓES, M.C.R. de. Linguagem, Surdez e Educação. Campinas/ SP, Editora Autores Associados, 1996.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem, cognição numa perspectiva interacionista. São Paulo: Editora Plexus, 2007.

GRÀCIA, M. et al. Com ensenyen a parlar el nostre alumnat? Formació des de la metodologia conversacional. Âmbits de psicopedagogia, n. 36, 35-39, 2012a.

GUARINELLO, A.C. O papel do outro na escrita de sujeitos surdos. São Paulo: Editora Plexus, 2007.

JARQUE, M.J; LACERDA, C.B.F. de; CEDILLO, P e MARIA, M. Prueba de comprensión en Lengua de Signos Catalana (favola) (versión preliminar), Barcelona, 2017.

LACERDA, CBF de. Experiência de auto avaliação docente mediada por uma escala de avaliação de interlocução no espaço escolar para o contexto da Educação Bilíngue de Surdo. Relatório parcial de pesquisa submetido à FAPESP. Processo 2016/13276-2- Abr. 2018, p. 59.

LACERDA, C.B.F.; LODI, A.C.B. A inclusão escolar bilíngue de alunos surdos: princípios, breve histórico e perspectivas. In: LODI, A.C.B. e LACERDA, C.B.F.; Uma escola duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 11-32.

LACERDA, C.B.F.; SANTOS, L.F.; MARTINS, V.R.O. (Org.). Escola e diferença: caminhos da educação bilíngue para surdos. São Carlos: Edufscar, 2016

LODI. A.C.B. A leitura como espaço discursivo de construção de sentidos: oficina com surdos. 2004. 248 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

LODI, A.C.B. e LACERDA, C.B.F.; Uma escola duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Mediação, 2009.

LOPES, M.A.C.; LEITE, L.P. Concepções de surdez: a visão do surdo que se comunica em língua de sinais. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 17, n.2, p.305-320, 2011.

MOURA, M.C. O surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro: Editora Revinter, 2000.

MOURA, M.C. As leis e a realidade. In: MOURA, M.C; VERGAMINI, S.A.A.; CAMPOS, S.R.L. Educação para surdos: práticas e perspectivas. São Paulo: Editora Santos, 2008.

MÜLLER, R., Q; CRUZ, C. R.. Língua de sinais - instrumentos de avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2011. 159 p.

SKLIAR, C. (Org). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação,1998.

STOKOE, W. Sign Language Structure: An outline of the visual communication systems of the american deaf. Studies in Linguistics, nº 8. University of Buffalo, 1960.

VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

________________________________________

A Fábula ‘A tartaruga e a águia’ é atribuída a Esopo.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v15i34.32392

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.