Ergonomia e postos de trabalho: análise do ambiente de trabalho de professores da Universidade Federal da Paraíba de acordo com a NR17 / Ergonomics and workshops: analysis of the work environment of teachers of the Federal University of Paraíba

Aryellyson Hellyton Gomes do Nascimento, Marina Batista Chaves Azevedo Souza

Resumo


Observa-se hoje o abrangente número de pesquisas que refletem sobre as condições precárias do trabalho de docentes, mostrando sua associação com sintomas mórbidos e a elevada prevalência de afastamentos por motivos de doença. Porém, a incidência de doenças físicas nessa categoria, considerando o viés ergonômico, ainda é pouco estudada. A pesquisa objetivou analisar, através do que preconiza a Norma Regulamentadora 17 (NR17), espaços de trabalho de professores da Universidade Federal da Paraíba. O estudo é exploratório, descritivo, quantitativo, e de campo. Os dados foram coletados através de questionário elaborado de acordo com a NR17, que regulamenta o indicado aos postos de trabalho. Foram utilizados os instrumentos e aparelhos de mensuração necessários. Os resultados apontam que nenhum ambiente analisado atende às condições mínimas da NR17. Os maiores déficits foram nas condições ambientais gerais de trabalho e equipamentos desses postos, pontos negativos que podem ser sugestivos ao desconforto, e danos à saúde. Conclui-se que há necessidade de enviar relatórios aos centros analisados para elaboração de futuras transformações e percebe-se como urgente a necessidade de se refletir sobre a presença de equipe multiprofissional em saúde, incluindo o terapeuta ocupacional, tanto nos processos de elaboração desses ambientes, quanto nas atuações em prevenção, promoção, ou reabilitação à saúde destes trabalhadores.

 

Abstract

Today, we have a large number of researches that reflect the precarious conditions of professor work, showing their association with morbid symptoms and the high prevalence of illness in this category. However, the incidence of physical diseases in this category, considering the ergonomic bias, is still little analyzed. The research aimed to analyze through what is recommended by regulatory standart 17 (NR17), workspaces of professors of the Federal University of Paraíba. The study is exploratory, descriptive, quantitative, and a field research. The data were collected through a questionnaire elaborated according to NR17, which regulates the indicated to the workstations. The necessary measuring instruments and were used. The results indicate that no analyzed environment meets the minimum conditions of NR17. The biggest deficits were in the general environmental conditions of work and equipment of these stations, negative points that can be suggestive to the discomfort, and damages to the health. It is concluded that there is a need to send reports to the analyzed centers to elaborate future transformations, as well as the concern with the presence of multiprofessional health team, both in the processes of elaboration of these environments and in the promotion and prevention of these workers' health.

Keywords: Working environment.; Faculty, Ergonomics, Occupational therapy.


Palavras-chave


Ambiente de trabalho; Docentes; Ergonomia; Terapia ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Lancman S. Saúde, trabalho e terapia ocupacional. 1ª ed. São Paulo. Roca; 2004.

Lancman S; Oliveira JB; Jardin TA. Teorias e práticas de retorno e permanência no trabalho. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2016; 27(2): 101-8.

Lancman S; Ghirardi MIG. Pensando novas práticas em terapia ocupacional, saúde e trabalho. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2002; 13(2): 44-50.

Gasparini SM; Barreto SM; Assunção AA. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educ. Pesqui. 2005; 31(2): 189-199.

Cruz RM; Lemos JC. Atividade docente, condições de trabalho e processos de saúde. R. Motriviv.. 2005; (24): 59-80.

Arroyo MG. Ofício de Mestre. 15ª ed. Petrópolis. Vozes; 2000.

Abrahao JI. Reestruturação produtiva e variabilidade do trabalho: uma abordagem da ergonomia. Rev. Psicologia Teor. Pesq. 2000; 16(1): 49-54.

Ministério do Trabalho e da Previdência Social. Manual de aplicação da norma regulamentadora nº 17 -- Ergonomia. 2ª ed. Brasília, MTE/SIT; 2002.

Ministério do Trabalho e da Previdência Social. Adaptação da norma regulamentadora n.º 17 -- Ergonomia. Disponível em: Acesso em: 28 de Outubro de 2017.

Siqueira AR; Vieira AOG; Costa MJTO; Udihara ML; Araújo RCSS. Grupos de portadores de ler: atenção integral à saúde do trabalhador criando outras formas de intervenção no CRST-LAPA. In: Anais do Seminário nacional sobre lesões por esforços repetitivos, 1., Brasília. 1996.

Crepeau EB; Cohn ES; Schell BAB. Willard & Spackman -- Terapia Ocupacional. 11ª ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan; 2011.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo. Atlas; 2002.

Pereira TCB; BONATES MF; SILVA AC; SILVA LB; COUTINHO AS. Avaliação das condições termofísicas e perceptivas em ambientes climatizados de unidades universitárias. In: XXIII Encontro nacional de engenharia de produção. Ouro Preto. 2003.

Correia SVO; Silva MM; Neta BPC; Cavalcante NGL; Silva ICS. Avaliação do conforto térmico em uma sala de aula. In: XXXV Encontro nacional de engenharia de produção. João Pessoa. 2016.

Silva LB. Análise da relação entre produtividade e conforto térmico: o caso dos digitadores do centro de processamento de dados da caixa econômica federal de pernambuco. [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2001.

Iida I. Ergonomia: projetos e produção. 2ª ed. São Paulo. Editora Edgard Blücher; 1993.

Grandjean E. Manual de ergonomia -- adaptando o trabalho ao homem. Tradução João Pedro Stein. 4ª ed. Porto Alegre. Editora Artes Médicas; 1998.

Fanger PO. Thermal comfort: analysis and applications in environmental engineering. 1ª ed. Michigan. Danish Technical Press; 1970.

Silva LB. Análise da relação entre produtividade e conforto térmico: o caso dos digitadores do centro de processamento de dados da caixa econômica federal de Pernambuco. [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2001.

Ruas AC. Avaliação de conforto térmico -- contribuição à aplicação prática das normas internacionais. [Dissertação]. Campinas: Faculdade de Engenharia Civil, Universidade Estadual de Campinas; 1999.

Xavier AAP. Condições de conforto térmico para estudantes de 20 Grau na região de Florianópolis. [Dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 1999.

Li D; Tsang E. An analysis of daylighting performance for office buildings in Hong Kong. Build. Environ. 2008; 43(9):1446-1458.

Bins EVH; Turkienicz B. Método da grade de atributos: avaliando a relação entre usuário e ambiente. Ambient. constr. 2005; 5(2):77-88.

Ettinger K. Direção e produtividade. direção, organização e administração de empresas. 1ª ed. São Paulo. Manual de Ensino; 1964.

WahL. Escritório eficaz. Revista Hsm Management. São Paulo. 1998; 1(10).

Villarouco V; Andreto LFM. Avaliando desempenho de espaços de trabalho sob o enfoque da ergonomia do ambiente construído. Produção. 2008; 18(3): 523-539.

Consolino AMGAV; Salgado ECVC; Leão MABG. Interdisciplinaridade, saúde e trabalho: uma análise de publicações em bases científicas. R. Ci. Hum. 2012; 5(2):1-27.

Ochoa JH; Araujo DL; Salter MA. Análise do conforto ambiental em salas de aula: comparação entre dados técnicos e a percepção do usuário. Ambient. constr. 2012; 12(1):91-114.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB