A experiência do pai na unidade de tratamento intensivo neonatal/ The experience of the father in the Neonatal Intensive Care Unit

Rerinton Peres dos Santos, Nicole Ruas Guarany

Resumo


Resumo

Durante a gestação, os pais idealizam a imagem de um filho perfeito, mas por complicações alguns são internados na Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal (UTIN). As causas são variadas, podendo ser decorrentes de complicações pré, peri e pós-natal. O objetivo deste estudo foi compreender a participação do pai no cuidado e no acompanhamento de bebês internados na UTIN. Trata-se de um estudo de caráter qualitativo, descritivo e exploratório, para investigar a participação do pai no cuidado e acompanhamento das crianças internadas. Foi utilizado um questionário aberto com sete questões. As entrevistas foram gravadas e transcritas na íntegra. Os resultados foram analisados segundo análise de conteúdo de Bardin. Os resultados evidenciaram que os pais vivenciam fortemente os efeitos da internação do filho, com sentimentos complexos como frustração, impotência, medo do desconhecido e preocupação com a mãe. Contrariando a hipótese do estudo, os pais se sentiram acolhidos pela equipe da UTIN e foram participantes ativos nas decisões e cuidados com o bebê. Os resultados indicam que os pais têm consciência e buscam realizar seus papéis de cuidador da criança e como cônjuge de forma participativa. Concluiu-se que o processo de humanização dos hospitais que acolhem as famílias nas UTIN tem sido muito importante para que os pais consigam superar as dificuldades relacionadas à internação do bebê, ainda mais quando há apoio e suporte da equipe.

 

Abstract

During the pregnancy the parents idealize the image of a perfect child, but due to complications some of them are hospitalized in the Neonatal Intensive Care Unit (NICU). The causes are varied, stemming from pre, peri and postnatal complications. The goal of this study was to comprehend the father’s participation in the care and monitoring of babies interned in the NICU. It is a study of qualitative, descriptive and exploratory nature, to investigate the participation of the father in the care and monitoring of interned babies. An open questionnaire with seven questions was utilized for the interviews, which were recorded and transcribed; the results were analyzed according to Bardin’s content analysis. The results made evident that the fathers experience intensely the effects of the child’s hospitalization with complex feelings ranging from frustration, impotence, fear of the unknown and concern with the mother. In contrast to the hypothesis of the study, the fathers felt welcomed by the NICU team and active participants in the decisions and cares regarding the baby. Results indicate that the fathers are aware and aim to fulfill their roles as the baby’s caretaker and of partner in active fashion. It was concluded that the humanization process of the hospitals that foster the families into the NICU has been important for the fathers to overcome the difficulties related to the baby’s hospitalization, seeing help and support in the team.

Keywords: Humanization; Paternity; Neonatal Intensive Care Unit.



Palavras-chave


Humanização; Paternidade; Unidades de Terapia Intensiva Neonatal

Texto completo:

PDF

Referências


Soares RLSF et al. Ser pai de recém-nascido prematuro na unidade de terapia intensiva neonatal: da parentalidade a paternidade. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Rio de Janeiro. 2015; 19 (3): 409-16. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20150054 .

Reginato Gabriel M, Garcia Dias AC. Percepções sobre a paternidade: descrevendo a si mesmo e o próprio pai como pai. Estudos de Psicologia [Internet]. 2011;16 (3):253-261. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=26122323007. Acesso em 07 Jan 2019.

Santos MCL, et al. Sentimentos dos pais enfrentando-se no nascimento de um recém-nascido prematuro. Revista de Enfermagem da UFPE on line - ISSN: 1981-8963 , [Sl], v. 1, n. 2, p. 140-145, nov. 2007. ISSN 1981-8963. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/5309/4528 . Data de acesso:10 de janeiro. 2019.

Gonçalves de Oliveira BR, Azzoni Lopes T, Silveira Vieira C, Collet N. O processo de trabalho da Doença para a UTI Neonatal e o cuidado humanizado. Texto & Contexto Enfermagem . 2006; 15: 105-113. Disponivel em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71414366012 . Data de acesso: 11 de janeiro. 2019.

Souza ABG.; Angelo M. Buscando uma chance para o filho vir a ser: a experiência do pai na unidade de terapia intensiva. Rev. Esc. Enf. USP, v. 33, n. 3, p. 255-64, set. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v33n3/v33n3a07>. Acesso em: 11 Jan 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n.º 930, de 10 de maio de 2012. Define as diretrizes e objetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) DOU. Nº 91 (dez. 2012), Seção I, p.138. Disponível em: . Acesso em: 18 Mar 2018.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área de Saúde da Criança. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_recem_nascido_canguru.pdf Acesso em 08 Fev 2018.

Dittz ES, Melo DCC, Pinheiro ZMM. A terapia ocupacional no contexto da assistência à mãe e à família de recém-nascidos internados em unidade de terapia intensiva. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. São Paulo. 2006; 17(1): 42- 47. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v17i1p42-47 .

Soares RLSF et al. Ser pai de recém-nascido prematuro na unidade de terapia intensiva neonatal: da parentalidade a paternidade. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Rio de Janeiro. 2015; 19 (3): 409-16. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20150054 .

Bardin L. Análise de conteúdo. 3ª ed. Lisboa. Edições 70; 2011.

Rebelato Mozzato A, Grzybovski D. Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios. RAC - Revista de Administração Contemporânea [Internet]. 2011;15(4):731-747. Disponível em:https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=84018975010 . Acesso em 10 Jan 2019.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área de Saúde da Criança. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. Brasília; 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_recem_nascido_canguru.pdf Acesso em 06 Fev 2018.

Tronchin DMR, Tsunechiro MA. Cuidar e o conviver com o filho prematuro: a experiência do pai. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto. 2006; 14 (1): 93-101. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000100013 .

Silva RMM et al. Vivências de famílias de neonatos prematuros hospitalizados em unidade de terapia intensiva neonatal: revisão integrativa. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. São João Del Rei. 2016; 6(2): 2258-70. DOI:http://dx.doi.org/10.19175/recom.v6i2.940

Reichert APS, Lins RNP, Collet N. Humanização do Cuidado da UTI Neonatal. Revista Eletrônica de Enfermagem. Goiânia. 2009; 9(1): 200-13. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/7148/5060 . Acesso em: 14 maio 2018.

Kenner C. Enfermagem neonatal. 2ª. ed. Rio de Janeiro (RJ). Reichmann & Affonso;2001.

Souza ABG, ANGELO M. Buscando uma chance para o filho vir a ser: a

experiência do pai na unidade de terapia intensiva. Rev. Esc. Enf. USP, v. 33, n. 3, p. 255-64, set. 1999. Disponível em: . Acesso em: 11 Jan 2019.

Souza NL, Araújo ACPF, Costa ICC, Carvalho JBL, Silva MLC. Representações de mães sobre hospitalização do filho prematuro. Rev Bras Enferm. Brasília. 2009; 62 (5): 729-33. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/reben/v62n5/13.pdf . Acesso em 05 Mar 2018.

Milanesi Karina et al. Sofrimento psíquico da família de crianças hospitalizadas. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília. 2006; 59 (6): 769-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672006000600009.

Frigo J, Zocche DAA, Palavro GL, Turatti LA, Neves ET, Schaefer TM. Percepções de pais de recém-nascidos prematuros em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFSM. 2015; 5(1):58-68. DOI: http://dx.doi. org/10.5902/2179769212900.

Santos LM et al . Vivências paternas durante a hospitalização do recém-nascido prematuro na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev. bras. enferm. Brasília. 2012; 65 (5): 788-94. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000500011.

Soares RLSF et al. Ser pai de recém-nascido prematuro na unidade de terapia intensiva neonatal: da parentalidade a paternidade. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Rio de Janeiro. 2015; 19 (3): 409-16. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20150054 .

Fontoura FC, Fontenele FC, Cardoso MVLML, Sher-lock MSM. Experiência de ser pai de recém-nascido prematuro internado em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Rene. 2011; 12(3):518-25. Disponível em: . Acesso em: 10 Jan. 2019.

Rios MIM. Mães acompanhantes em unidade de terapia intensiva neonatal. [Dissertação]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2015.

Cypriano LM, Pinto EEP. Chegada inesperada: a construção da parentalidade e os bebês prematuros extremos. Psicol. hosp. (São Paulo). São Paulo. 2011. 9 (2): 02-25. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ph/v9n2/v9n2a02.pdf . Acesso em 19 Mar 2018.

Cardoso MVLML, Souto KC, Oliveira MMC. Compreendendo a experiência de ser pai de recém-nascido prematuro internado na unidade neonatal. Rev. RENE.Fortaleza 2006; 7 (3): 49-55. DOI:http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene.v7i3.5427.

Moreira MEL, Braga NA, Morsch DS. Quando a vida começa diferente: o bebê e sua família na UTI Neonatal. Rio de Janeiro. Editora Fiocruz; 2003.

Carvalho LS, Pereira CMC. As reações psicológicas dos pais frente à

hospitalização do bebê prematuro na UTI neonatal. Rev. SBPH. Rio de Janeiro. 2017. 20 (2): 101-22. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v20n2/v20n2a07.pdf . Acesso em 20 Mar 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. 1. ed. Brasília, DF, 2013, 16p. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf . Acesso em 11 Jan 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB