Grupo de vivências sensório-motoras para crianças com microcefalia por síndrome congênita do Zika Vírus: uma experiência de estágio curricular/ Sensory-motor experience group for children with microcefalia by zika virus congenital syndrome: an experience of curricular internship

Bruna Antunes Souto Favero Borba, Maria Soraida Silva Cruz, Luanna Karine Pereira Bezerra, Raquel Costa Albuquerque

Resumo


A incidência de crianças com microcefalia por Síndrome Congênita do Zika Vírus incentivou a elaboração e adequação de serviços de saúde, em especial no nordeste do Brasil, afim de possibilitar acompanhamento multiprofissional contínuo requerido pelas crianças e suas famílias. Esse trabalho objetiva descrever as ações terapêuticas ocupacionais em um grupo de vivências sensório-motoras destinado a crianças com essa condição e a experiência de um estagiária de Terapia Ocupacional como parte da equipe de condução do grupo e a influência da prática na construção de sua formação profissional. Realizado um grupo semanal multidisciplinar em um Centro Especializado em Reabilitação no Recife, contendo cerca de 17 crianças, considerando dúvidas e receios dos seus cuidadores quanto ao manejo das estratégias de estimulação. As ações de Terapia Ocupacional abrangeram experiências de estimulação auditiva, visual, tátil, proprioceptiva e uma oficina de brinquedos. O grupo terapêutico possibilitou o compartilhamento de ideias, transformando seus sujeitos e contextos. A experiência analisada possibilitou a percepção do apoio técnico multiprofissional como fundamental, mesmo diante da condição crônica apresentada por essas crianças, reinventando o significado do cuidado. À estagiária de Terapia Ocupacional foi possibilitada a inserção na equipe comprometida com a efetivação das atividades, tornando-se o grupo um espaço de aprendizagem, concretização de conhecimentos e experimentações do exercício profissional, ao passo em que sua participação contemplou todas as etapas da execução de um grupo (elaboração da ideia, planejamento das etapas, identificação de demandas, escolha de materiais, condução das atividades e recebimento das considerações acerca da execução).

Abstract

The incidence of children with microcephaly due to Congenital Syndrome of the Zika Virus encouraged the elaboration and adequacy of health services, especially in Brazil’s northeast, in order to continuously enable multiprofessional follow-up required by children and their families. This study aimed at describing the occupational therapeutic actions in a group of sensory-motor experiences for children with this condition and the experience of an Occupational Therapy intern as part of the group's driving team and the influence of the practice in constructing their professional training. A multidisciplinary weekly group was held at a Specialized Rehabilitation Center, with about 17 children, considering the questions and concerns of their caregivers regarding the management of stimulation strategies. Occupational Therapy actions included experiences of auditory, visual, tactile, proprioceptive stimulation and a toy workshop.The therapeutic group allowed the sharing of ideas, transforming their subjects and contexts. The analyzed experience enabled the perception of multiprofessional technical support as essential, even in the face of the chronic condition presented by those children, reinventing the meaning of medical care. The Occupational Therapy intern allowed the insertion in the team being committed to the accomplishment of activities, leading the group into a learning space, learning new concepts and experimenting the professional role, while its participation contemplated all the stages of the execution with the group (idea elaboration, planning of the stages, identification of demands, choice of materials, conduction of activities and receipt of considerations about execution).

Keywords: Microcephaly, Zika Virus, Psychomotor Performance, Self-Help Groups, Caregivers.

Resumen

La incidencia de niños con microcefalia por Síndrome Congénita de Zika Virus incentivó la elaboración y adecuación de los servicios de salud, en especial en el nordeste de Brasil, con el fin de permitir la monitorización multiprofesional continua requerida por los niños y sus familias. Este trabajo objetiva describir las acciones terapéuticas ocupacionales en un grupo de vivencias sensorio-motoras destinado a niños con esa condición y la experiencia de una interna de Terapia Ocupacional como parte del equipo de conducción del grupo y la influencia de esta práctica en la construcción de su formación profesional. Se reunió un grupo semanal multidisciplinario en un Centro Especializado en Rehabilitación, con cerca de 17 niños, considerando dudas y temores de sus cuidadores acerca del manejo de las estrategias de estimulación. Las acciones de Terapia Ocupacional incluyeron experiencias de estimulación auditiva, visual, táctil, proprioceptiva y un taller de juguetes. El grupo terapéutico posibilitó el intercambio de ideas, transformando a sus participantes y contextos. La experiencia analizada posibilitó la percepción del apoyo técnico multiprofesional como fundamental, incluso ante la condición crónica presentada por estos niños, reinventando el significado del cuidado. A la interna de Terapia Ocupacional se posibilitó la inserción en el equipo comprometido con la efectividad de las actividades, convirtiéndose el grupo en un espacio de aprendizaje, materialización de conocimientos y experimentaciones del ejercicio profesional, ya que su participación contempló todas las etapas de ejecución (planeaminento de las etapas, identificación de demandas, elección de materiales, conducción de las atividades y críticas).

Palabras clave: Microcefalia, Virus Zika, Desempeño Psicomotor, Grupos de Autoayuda, Cuidadores.


Palavras-chave


Fisioterapia e Terapia Ocupacional; Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Barbosa AP, Santos DT, Santos LS, Gomes RAS, Anjos CC. O uso da CIF como proposta para o acompanhamento das crianças com Síndrome Congênita do Zika Vírus: relato de um caso. Rev CIF Brasil. 2016; 6(6):18-33.

Souza SEP, Matos SS. Percepção de profissionais de saúde sobre reabilitação para crianças com Síndrome Congênita do Zika Vírus em uma unidade de Vitória de Santo Antão – Pernambuco. Rev Idealogando. 2018; 2(1):138-148.

Vale PRLF. Experiências de famílias de crianças com microcefalia por Zika vírus [Dissertação]. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana – BA; 2018.

França TLB. Crescimento e desenvolvimento de crianças com microcefalia associado a Síndrome Congênita do Zika vírus no Brasil [Dissertação]. Santa Cruz: Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi – UFRN; 2018.

Eickmann SH, Carvalho MDCG, Ramos RCF, Rocha MAW, Linden VVD, Silva PFSD. Síndrome da infecção congênita pelo vírus Zika. Cad de Saúde Públ. 2016; 32:e00047716.

Souza AMCP, Souza GL, Hamburgo JS, Cardoso MM. Perspectivas atuais e prognóstico motor sobre a Síndrome Congênita do Zika Vírus. Rev Eletrôn Atualiza Saúde. 2018; 7(7):33-44.

Brunoni D, Blascovi-Assis SM, Osório AAC, Seabra AG, Amato CADLH, Teixeira MCTV, Rocha MM, Carreiro LRR. Microcefalia e outras manifestações relacionadas ao vírus Zika: impacto nas crianças, nas famílias e nas equipes de saúde. Ciên & Saúde Colet. 2016; 21:2397-3302.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 793 de 24 de Abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no Âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF; 2012; Seção 1. p 94-95. [acesso em 2019 mai. 07]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012.html.

Barba, PCSD. Intervenção precoce no brasil e a prática dos terapeutas ocupacionais. Rev Interisnt Bras Ter Ocup. 2018; 2(4):848-861.

Folha DRSC, Marini BPR, Nunes AC, Barba PCSD. Terapia Ocupacional e a atenção a crianças com Síndrome Congênita do Zika Vírus na perspectiva da Intervenção Precoce. Rev Argent Ter Ocup. 2018; 1(4):30-39.

Rocha ELL. A terapia ocupacional na atenção ao bebê com microcefalia: um relato de experiência [Monografia]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2016.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES 6, de 19 de Fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Terapia Ocupacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF; 2002; Seção 1. p 12. [acesso em 2019 mai. 07]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES062002.pdf.

Reis JC, Santos PS, Barata MFO, Falcão IV. Abordagem da terapia ocupacional a bebês com microcefalia: uma experiência no estágio curricular. Rev Interisnt Bras Ter Ocup. 2018; 2(1):212-227.

Jorge MM, Andrade MC. O valor do estágio na qualificação profissional: estágios do Curso de Psicologia Coração Eucarístico. Pretextos – Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas. 2019; 4(7):175-783.

Alves RLC, Fleischer S. ‘O que adianta conhecer muita gente e no fim das contas estar sempre só? Desafios da maternidade em tempos de Síndrome Congênita do Zika Vírus. Rev Anthropológicas. 2018; Ano 22; 29(2):6-27.

Souza SEP. Reabilitação para crianças com síndrome congênita do zika vírus: percepção de profissionais de saúde em uma unidade de Vitória de Santo Antão Pernambuco [Trabalho de Conclusão de Curso]. Vitória de Santo Antão: Universidade Federal de Pernambuco – PE; 2017.

Maciel DMVL, Parente SLS, Oliveira LABS. Como a família pode estimular a criança com microcefalia? Scire Salutis. 2018; 8(2):24-31.

Scalha TB, Souza VG, Boffi T. A importância do brincar no desenvolvimento psicomotor: relato de experiência. Revista de Psicologia da UNESP. 2010; 9(2):79-92.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 11.788 de 25 de Setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único do art. 82 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória no 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Presidência da República, Casa Civil, Brasília, DF; 2008. [acesso em 2019 ago. 09]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm.

Universidade Federal De Pernambuco. Projeto Pedagógico do Curso de Terapia Ocupacional. No prelo 2013.

Samea M. O dispositivo grupal como intervenção em reabilitação: reflexões a partir da prática em Terapia Ocupacional. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2008; 19(2):85-90.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB