Estratégias de posicionamento e contenção de recém-nascido pré-termo utilizadas em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal

Thais Melo De Albuquerque, Raquel Costa Albuquerque

Resumo


Introdução: A Unidade de Terapia Intensiva Neonatal é um ambiente que proporciona técnicas e procedimentos aprimorados, um local repleto de equipamentos ricos em tecnologia e característica ímpar na assistência ao recém-nascido de risco. Com a evolução da neonatologia e a inserção dos cuidados humanizados dentro desse serviço nos últimos anos, observa-se uma mudança no prognóstico dos pré-termos. Objetivo: Pesquisar quais estratégias de posicionamento e contenção ao recém-nascido pré-termo estão sendo mais utilizados em hospitais públicos da Região Metropolitana do Recife. Métodos: Estudo descritivo e observacional. Foi realizado um questionário semiestruturado com 34 profissionais de saúde do serviço envolvidos na assistência ao recém-nascido pré-termo na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Resultados: Dentre os participantes (91,17%), responderam nunca ter utilizado a “redinha” como um recurso de posicionamento. As estratégias mais utilizadas são o rolinho (100,0%) e o swaddle (88,23%), porém um percentual relevante de participantes (44,11%) assinalou acreditar no ganho oferecido pela “redinha”, embora esta técnica não seja utilizada nos serviços ao qual fazem parte. Conclusão: As estratégias mais utilizadas nos serviços pesquisados foram o rolinho e o swaddle, a maioria dos profissionais não tinham conhecimento prático de outros recursos. Sendo assim, este estudo considera que a prática destas medidas acarretam ganhos não só no campo de desenvolvimento, mas também simplificam o tratamento e viabilizam a recuperação do recém-nascido pré-termo.


Palavras-chave


Unidade de Terapia Intensiva Neonatal; Postura; Humanização.

Texto completo:

PDF

Referências


XAVIER, S. O. et al. Estratégias de posicionamento do recém-nascido prematuro: reflexões para o cuidado de enfermagem neonatal. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v.20, n.2, p.814-818, dez, 2012.

NASCIMENTO, C. A. D. et al. Percepção de enfermeiros sobre os pais de prematuro em unidade de terapia intensiva neonatal. Revista da Rende de Enfermagem do Nordeste, v.14, n.4, p. 811-820, 2013.

PAILAQUILÉN, R. M. Trends in Infant mortality rate and mortality for neonates born at less than 32 weeks and with very low birth weight. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.19, n.4, p.977-987, 2011.

MENEZES, M. A. da S. et al. Recém-nascidos prematuro assistidos pelo Método Canguru: avaliação de uma coorte do nascimento aos seis meses. Revista Paulista de Pediatria, v. 32, n.2, p. 117-177, 2014.

BARRADAS, J. et al. A relação entre posicionamento do prematuro no Método Mãe-Canguru e desenvolvimento neuropsicomotor precoce. Jornal de Pediatria, Porto Alegre. v.82, n.6, p.475-480, Nov./Dec. 2006.

ZAZEM, C. et al. Neonatal nurses and therapists perceptions of positioning for preterm infants in the neonatal intensive care unit. Neonatal Netwok. v.32, n.2, p. 110-116, 2013.

TESTA, A.; LAVRADOR, M. M. A.; BARRACA, S. Protocolo de posicionamento do recém-nascido prematuro. Revista Referência, n. 8, p. 79-83. Maio, 2002.

PEREIRA, L. P. et al. A manipulação de prematuro em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista da Escola de Enfermagem de USP, São Paulo, v.47, n.6, p. 1272-1278, 2013.

SWEENWY JK, GUTTIERREZ T. Musculoskeletal implications of preterm infant positioning in the NICU. J Perinatal & Neonatal Nursing. v.16, n.1, p. 58-70, 2002.

BERREZA, I. F. D. et al. Influência do uso da rede de descanso no desempenho motor de lactentes nascidos a termo. journal of human growth and development, Rio Grande do Norte. v.24, n.1, p. 106-111, 2014.

CRUVINEL, F. G. et al. Formas de atendimento humanizado ao recém nascido pré-termo ou de baixo peso na unidade de terapia intensiva neonatal: uma revisão. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v.9, n.1, p.102-125, 2009.

GRECCO, G. M. et al. Repercussões do ruído na unidade de terapia intensiva neonatal. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 26, n.1, p. 1-7, 2013.

WAITZMAN KA. The importance of positioning the near-term infant for sleep, play, and development. Reviews Newborn Infant Nursing, v.7, n.2, p.76-81, 2007.

TOSSO, B. R. G. O. et al. Validação de protocolo de posicionamento de recém-nascido em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Enfermagem, v.68, n.6, p.1147-53, Nov-Dez, 2015.

SPARSHOTT, Maegarete -- Pain, distress and the newborn baby. London: Bailliere Tindall, 1997. ISBN 0-632-04077-7.

YOUNG, Janime -- Developmental care of the premature baby: Bailliere Tindall, 1996. ISBN 0-7020-2137-7.

BOTTOS, M. et al. The effect of a 'containing' position in a hammock versus the supine position on the cutaneous oxygen level in premature and term babies. Early Human Development, v.11, n.3-4, p. 265—273, 1985.

CHIU, K. et al. Are baby hammocks safe for sleeping babies? A randomised controlled Trial. Foundation Acta Pediatrica, p.783--787, 2014.

GOMES, N. R. R.; MONTEIRO, R. C. S. As implicações do uso da “redinha” por bebês prematuros: uma revisão de literatura. Revista de Ciência da Saúde, v.16, n.2, p. 94-97, jul-dez, 2014.

CHEN, C. M. et al. Improving the provision of nesting and positioning for premature infants by nurses in neonatal intensive care units. v.61, n. 2, p.9-41, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB