O hibridismo de ser e a distinção ser/estar em português do séc. XIII

Maria Ribeiro

Resumo


Este artigo tem como base a dissertação de mestrado que apresentei no âmbito do curso de Ciências da Linguagem da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, na qual tive como principal objetivo relacionar o hibridismo de ser com a sobreposição parcial dos valores semânticos associados aos verbos ser e estar,atestadaem estádios anteriores da língua portuguesa. Dado que ser é um paradigma híbrido, que advém da fusão dos paradigmas latinos sedere (‘estar sentado’) e esse (‘ser’), explora-se a hipótese de que, no seio do paradigma ser, formas derivadas de sedere seriam perspetivadas como estando mais associadas a propriedades transitórias – partilhando, portanto, características com o verbo estar –, por oposição a formas derivadas de esse (‘ser’), que seriam perspetivadas como estando genericamente mais associadas a propriedades permanentes, devido a alguma persistência dos valores semânticos associados aos verbos latinos de que derivam. Neste artigo, apresento alguns dados obtidos, relativos à ocorrência destes verbos em cantigas do século XIII, que apontam para uma maior proximidade entre formas de sedere e de estar neste período histórico, com o objetivo de suportar a hipótese que é aqui explorada. Aponto, ainda, alguns dos mecanismos ou processos de mudança linguística que podem ser atestados no percurso evolutivo dos verbos ser e estar, ou explicativos deste.


Palavras-chave


Ser e estar; Hibridismo de ser; Português medieval; Século XIII; Mudança linguística

Texto completo:

PDF

Referências


BRITO, Ana Maria. Subordinação adverbial. In: MATEUS, Maria Helena; BRITO, Ana Maria; DUARTE, Inês; FARIA, Isabel Hub. In: Gramática da Língua Portuguesa, Lisboa: Caminho, 2003. p. 695-728.

BROCARDO, Maria Teresa. Sedia la fremosa… Uma proposta de estudo diacrónico de ser (http://www.clunl.edu.pt/resources/docs/grupos/gramatica/10wgt/2brocardo_sedia.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

BROCARDO, Maria Teresa. Construções com ser, estar, jazer na história do português: notas em torno de inovação, persistência e obsolescência. In: GARCÍA, Leticia; VIÑAS, Xoán (Ed.). Língua, texto, diacronia. Estudos de linguística histórica. Revista Galega de Filoloxía. Monografia 9, 2014. p. 97-107, 2014.

BROCARDO, Maria Teresa; CORREIA, Clara Nunes. Ir + gerúndio em português –aspetos sincrónicos e diacrónicos. In: Textos Selecionados, XXVII. Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: APL, 2012, p. 121-135. Disponível em: http://www.clunl.edu.pt/resources/docs/grupos/gramatica/publicacoes/art_brocardo_correia_ir_gerundio_em_portugues_aspetos_sincronicos_e_diacronicos.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

DUARTE, Inês. Construções ativas, passivas, incoativas e médias. In: RAPOSO, Eduardo et al.. Gramática do Português. Vol. I. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013. p. 429-460.

DUARTE, Inês; OLIVEIRA, Fátima. Particípios Resultativos. Textos Selecionados. XXV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Porto: APL, p. 397-408, 2010. Disponível em: https://apl.pt/wp-content/uploads/2017/09/28-Ines-Duarte.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

EMBICK, David. On the Structure of Resultative Predicates. In: English. Linguistic Inquiry, 35(3), 2004. p. 355-392.

LOPES, Célia; BROCARDO, Maria Teresa. Main Morphosyntactic Changes and Grammaticalization Processes. In: WETZELS, W. Leo.; MENUZZI, Sergio; COSTA, João. (Ed.). The Handbook of Portuguese Linguistics, Malden/Oxford: Wiley Blackwell, 2016. p. 471-486.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Caminhos de mudanças sintáctico-semânticas no português arcaico. Revista de Estudos Linguísticos.v. 1, p. 85-99, 1992. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/955/1063. Acesso em: 10 mar. 2018.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. A variação ser/estar e haver/ter nas Cartas de D. João III entre 1540 e 1553: comparação com os usos coetâneos de João de Barros. In: MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia; FILHO, Américo. (Orgs.). O Português Quinhentista. Estudos Linguísticos. Salvador: EDUFBA/UEFS, 2002a. p. 143-160. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/34732/mod_resource/content/1/MATTOSeSILVA_2002_PortuguesQuinhentista.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. A definição da oposição entre ser/estar em estruturas atributivas nos meados do século XVI. In: MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia; FILHO, Américo (Org.). O Português Quinhentista. Estudos Linguísticos. Salvador: EDUFBA/UEFS, 2002b. p. 103-117. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/34732/mod_resource/content/1/MATTOSeSILVA_2002_PortuguesQuinhentista.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. O português arcaico. Uma aproximação. Vol. I. Lisboa: IN-CM, 2008. p. 441-444.

HEINE, Bernd. Grammaticalization. In: JOSEPH, Brian; JANDA, Richard (Ed.). The Handbook of Historical Linguistics, Oxford: Blackwell Publishing, 2003. p. 575-599.

HEINE, Bernd; CLAUDI, Ulrike; HÜNNEMEREY, Friederike. Grammaticalization: A Conceptual Framework. Chicago: University of Chicago Press, 1991.

HOPPER, Paul. On some principles of grammaticalization. In: TRAUGOTT, Elizabeth; HEINE, Bernd. (Ed.). Approaches to grammaticalization. Vol. I. Amsterdam: John Benjamins, 1991, p. 17-36. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/284156121_On_some_Principles_of_Grammaticalization. Acesso em: 10 mar. 2018.

NUNES, José Joaquim. Compêndio de Gramática Histórica Portuguesa (Fonética e Morfologia). Lisboa: Clássica Editora, ([1919] 1956).

RAPOSO, Eduardo. Orações copulativas e predicações secundárias. In: RAPOSO, Eduardo et al.. Gramática do Português. Vol. II. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013. p. 1285-1358.

TEYSSIER, Paul. História da Língua Portuguesa. Lisboa: Sá da Costa, 1982.

TEYSSIER, Paul. A língua de Gil Vicente. Lisboa: IN-CM, [1989] 2005.

WILLIAMS, Edwin. Do Latim ao Português. Fonologia e morfologia históricas da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, [1939]1975.

Recursos:

CIPM – Corpus Informatizado do Português Medieval. Disponível em: http://cipm.fcsh.unl.pt/.

DVPM – Dicionário de Verbos do Português Medieval. Disponível em: http://cipm.fcsh.unl.pt/verbos/indiceverbos.jsp.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i1.16034

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.