Uma história não-verbal: a arte como ferramenta analítica

Tamara Quírico

Resumo


O artigo debate a importância de se pensar a História da Arte para além das análises tradicionais que a formaram enquanto disciplina. Também discute como objetos, considerados atualmente obras de arte, podem e devem ser tratados igualmente como fontes históricas independentes e tão essenciais como fontes escritas. Tratando das especificidades que esses objetos possuem, mostra-se como estudos interdisciplinares que abarcam não apenas a História da Arte, mas também a História Social, a História da Cultura e mesmo a Antropologia, permitem um conhecimento mais aprofundado não apenas desses objetos, mas também de todo um contexto histórico-social em que se inseririam originalmente. Se é evidente que quaisquer objetos se prestam a essas funções, o artigo concentrará sua discussão, por uma questão metodológica, especificamente em algumas obras de temática cristã produzidas na Península Itálica nos últimos séculos do Medievo. O objetivo desse recorte é duplo: não somente demonstrar a importância dessa abordagem interdisciplinar, como também valorizar as qualidades da produção artística medieval, em geral relegada a um segundo plano dentro dos estudos histórico-artísticos.


Palavras-chave


História da Arte. Arte Medieval. Funções das imagens.

Texto completo:

PDF

Referências


BACCI, Michele. Investimenti per l’aldilà. Bari: Laterza, 2003.

BASCHET, Jérôme. L’iconographie médiévale. Paris: Gallimard, 2008.

BASCHET, Jérôme. Lieu sacré, lieu d’images. Les fresques de Bominaco (Abruzzo, 1263): thème, parcours, fonctions. Roma: École Française de Rome, 1991.

BELTING, Hans. La vraie image. Croire aux images? Paris: Gallimard, 2007.

BELTING, Hans. Semelhança e presença. A história da imagem antes da era da arte (trad. G. Vasconcellos). Rio de Janeiro: Ars Urbe, 2010.

BORSOOK, Eve. The mural painters of Tuscany from Cimabue to Andrea del Sarto. Londres: Phaidon, 1960.

BURKE, Peter. Testemunha ocular. História e imagem (trad. V.M. Santos). Bauru: EDUSC, 2005.

CANNON, Joanna. Religious poverty, visual riches. Art in the Dominican churches of central Italy in the thirteenth and fourteenth centuries. New Haven e Londres: Yale University, 2013.

CARRUTHERS, Mary. The experience of beauty in the Middle Ages. Oxford: Oxford University, 2013.

DRPIĆ, Ivan. Epigram, art and devotion in later Byzantium. Cambridge: Cambridge University, 2016.

GARZELLI, Annarosa. Per una lettura del Giudizio universale nel Battistero di Firenze. In: Romanico mediopadano e romanico europeo. Atti del Convegno internazionale. Modena, 1977.

HASKELL, Francis. History and its images. Art and interpretation of the past. New Haven e Londres: Yale University, 1995.

IMBERCIADORI, J. V.; TORRITI, M. La Collegiata di San Gimignano. Poggibonsi: Nencini, s/d.

NORMAN, Diana. The case o f beata Simona: iconography, historiography and misogyny in three paintings by Taddeo di Bartolo. Art History, volume18, n.º 2, junho 1995.

PENTCHEVA, Bissera V. The sensual icon. Space, ritual, and the senses in Byzantium. University Park: Pennsylvania State University, 2010.

QUÍRICO, Tamara. Dante, Giotto e as inter-relações entre artes visuais e literatura na Florença do Trecento. Concinnitas, volume 21, n.º 37, 2020.

QUÍRICO, Tamara. Inferno e Paradiso. As representações do Juízo Final na pintura toscana do século XIV. Campinas: Unicamp, 2014.

QUÍRICO, Tamara. Sobre datação e atribuição de obras de arte: o caso do ciclo do Trionfo della Morte no Camposanto de Pisa. Diálogos Mediterrânicos, volume 8, 2015.

SCHMITT, Jean-Claude. O corpo das imagens. Ensaios sobre a cultura visual na Idade Média (trad. J.R. Macedo). Bauru: EDUSC, 2007.

TOSCANO, Bruno. “Saggio introdutivo”. In: MEISS, Millard. Pittura a Firenze e Siena dopo la Morte Nera. Arte, religione e società alla metà del Trecento (trad. L. Lovisetti Fuà e Mirko Tavoni). Turim: Einaudi, 1982.

VASARI, Giorgio. Le vite dei più eccellenti pittori, scultori ed architetti, terceira edição. Roma: Newton & Compton, 1997.

ZUFFI, S.; CREPALDI, G.; LORANDI, F. Affreschi da Giotto a Michelangelo. Milão: Mondadori, 2002.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i2.31785

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Tamara Quírico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.