A origem do (antropo)topônimo Betim

Jeander Cristian da Silva

Resumo


Com base na perspectiva de que a Toponímia caminha ao lado da História e, por isso, dá conta da origem, da forma e da evolução das denominações de lugares, este estudo propõe uma revisão na literatura a respeito do processo de formação histórica do município de Betim (MG) com o objetivo de investigar as causas para a sua denominação e de outras denominações anteriores. A história desse município, considerado polo industrial da Região Metropolitana de Belo Horizonte, remonta ao século XVIII, época em que o Brasil, ainda colônia de Portugal, vivia o auge do ciclo do ouro. Acreditamos que o topônimo atual esteja vinculado ao sobrenome do primeiro fundador da região, Joseph Rodrigues Betim; assim sendo, procuramos, também, fazer uma investigação genealógica desse antropônimo. A metodologia adotada parte, portanto, da análise das informações históricas para a reconstrução da motivação e significação toponímica. Para o alcance dos objetivos, esse texto está organizado na seguinte ordem: (i) discussão teórica sobre o léxico toponímico, baseada, principalmente, em Dick (1990a, 1990b) e Seabra (2004, 2006); (ii) breve contextualização geográfica e histórica do município, com base em Pinto (1997), Rugani (2001), Camargos (2006) e outros autores; (iii) análise da origem do topônimo Betim e de outras denominações anteriores para o município; (iv) investigação genealógica do sobrenome Betim, baseada, sobretudo em Brandão (1975). Os resultados confirmam a hipótese da origem do topônimo e a análise genealógica permite inferir que o sobrenome seja de origem neerlandesa.


Palavras-chave


Betim. Município. Origem. História. Topônimo.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Eduardo Tadeu Roque; SEIDE, Márcia Sipavicius. Nomes próprios de pessoa: introdução à antroponímia brasileira. São Paulo: Blucher, 2020. Disponível em: https://www.blucher.com.br/livro/detalhes/nomes-proprios-de-pessoa-introducao-a-antroponimia-brasileira-1614/ciencias-humanas-e-comunicacao-114. Acesso em: 30 maio 2020.

ANDRADE, Francisco Eduardo. A conversão do sertão capelas e a governamentalidade nas Minas Gerais. VARIA HISTÓRIA, v. 23, n. 37, p. 151-166, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-87752007000100009&script=sci_arttext. Acesso em: 30 maio 2020.

ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO - Carta de Sesmaria passada ao Capitão Joseph Rodrigues Betim. Revista do Arquivo Público Mineiro, ano III, 1898. Ouro Preto. Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1898, p. 30-31.

AULETE, F. J. de C. Dicionário online Caldas Aulete. Disponível em: http://www.aulete.com.br/axi%C3%B4nimo. Acesso em: 08 jul. 2020.

BRANDÃO, Jacyntho José Lins. Um neerlandês em São Paulo. Revista de História, v. 51, n. 102, p. 765-776, 1975. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/132993/129041. Acesso em: 30 maio 2020.

Biblioteca IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo.html?id=33332&view=detalhes. Acesso em: 30 maio 2020.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, Ana Maria Pires Pinto de; ISQUERDO, Aparecida Negri (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. v. 1. Campo Grande - MS: Ed. UFMS, 2001. p. 13-22.

CAMARGOS, E. O. Movimentos migratórios e pendulares na RMBH: O caso de Betim no final do século XX. 2006. 117 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Econômicas) - Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/AMSA-765QFU. Acesso em: 27 maio 2020.

Cidades IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Panorama da Cidade de Betim. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/betim/panorama. Acesso em 30 maio 2020.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, Edições Arquivo do Estado, 1990a.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Toponímia e antroponímia no Brasil: coletânea de estudos. 2. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 1990b.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Memória Paulistana: os Antropônimos Quinhentista na Vila de São Paulo do Campo. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n.33, p. 112-127, 1992, v. 33, 112-127. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i33p112-127. Acesso em: 30 maio 2020.

FRANCO, Francisco de Assis Carvalho. Dicionário de bandeirantes e sertanistas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo, 1953.

FUNARBE - Fundação Artístico Cultural de Betim. Dossiê de Tombamento Cine Teatro Glória: Colônia Santa Isabel. 2017. Disponível em: http://www.funarbe.betim.mg.gov.br/Content/Documentos/Dossies/Bens-tombados/QIII-Dossie-Cine-Teatro-Gloria-Betim-ex17.pdf. Acesso em: 30 maio 2020.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA/MG). Guia dos Bens Tombados, 2. ed., vol 1., p. 41-42, Belo Horizonte: 2014. Disponível em: https://issuu.com/iephamg/docs/gbt_v1. Acesso em: 15 abr. 2020.

LIMA, Rosimar Nolasco Rosa de; PEREIRA, Renato Rodrigues. A Toponímia urbana de Aporé-Go: a designação como reflexo de um povo. Artefactum - Revista de Estudos em Linguagens e Tecnologia, v. 13, n. 2., 2016. Disponível em: http://artefactum.rafrom.com.br/index.php/artefactum/article/view/1199/642. Acesso em: 30 maio 2020. apud DICK, Maria Vicentina de Paula Amaral. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. 3ª Ed. São Paulo,1992.

Mapa da Região Metropolitana de Belo Horizonte e do Colar Metropolitano (adapt.). Disponível em: http://www.agenciarmbh.mg.gov.br/municipios-rmbh-e-colar/. Acesso em: 19 maio 2020.

MENDES, Andréia Almeida. Uma análise do uso do artigo definido sob o ponto de vista formal e funcional. Revista Pensar Acadêmico, v. 16, n. 2, p. 235-252, 2018. Disponível em: http://www.pensaracademico.facig.edu.br/index.php/pensaracademico/article/view/268/628. Acesso em: 30 maio 2020. apud DUBOIS, John W. Beyond definiteness: the trace of the identy in discourse. In: CHAFE, W. L. The pear stories – cognitive cultural and linguistic aspects of narrative production. New Jersey: Ablex Publishing Corporation, 1980, v.3.

MINAS GERAIS. Decreto n. 148 de 17 de dezembro de 1938. Disponível em: https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa-nova-min.html?tipo=DEL&num=148&ano=1938. Acesso em: 21 maio 2020.

PEREIRA, Luciene Maria Pires. Reflexões acerca da distribuição de terras no período colonial brasileiro: o caso das sesmarias. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História. São Paulo: ANPUH, 2011, p. 1 - 17.

PINTO, Terezinha de Assis. A história da construção de Betim: espaço geográfico construído por gente. 2. ed. Betim: Prefeitura Municipal de Betim - MG, 1997.

Portal "Instituto da Memória e do Patrimônio Histórico e Cultural de Betim". Desenvolvido por Charles Moraes de Lima. Apresenta a história do município de Betim em formato de linha do tempo. Disponível em: https://imphic.ning.com/profiles/blogs/linha-do-tempo-de-betim. Acesso em 30 maio 2020.

Portfólio da empresa PRECON pré-fabricados. Vista aérea da FIAT Automóveis. Disponível em: https://preconprefabricados.com.br/portfolio-posts/fiat-edificio-garagem-betim-mg/. Acesso em: 24 maio 2020.

OURO PRETO. Lei Provincial n. 522, de 23 de setembro de 1851. In: Colleção de leis da Assembléa Legislativa da Província de Minas Geraes - Ouro Preto. p. 21. Disponível em: http://www.nphed.cedeplar.ufmg.br/wp-content/uploads/2012/12/Leis_Mineiras_1851.pdf. Acesso em 25 maio 2020.

RODRIGUES, Letícia Santos. Topônimos latino-americanos: um estudo etimológico. Revista de Estudos da Linguagem, v. 26, n. 3, p. 1031-1055, 2018. Acesso em: http://periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/12812/pdf#. Acesso em: 30 maio 2020.

RUGANI, Jurema Marteleto. Betim, no caminho que vai das Minas à industrialização: a lógica da organização do espaço dos centros industriais metropolitanos. 2001. 186f. Dissertação (mestrado em Arquitetura) – Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/MMMD-A6RFBL. Acesso em: 27 maio 2020. apud FONSECA, Geraldo. Origens da nova força de Minas: Betim, sua história: 1711/1975. Betim: Prefeitura Municipal de Betim, 1975.

RUGANI, Jurema Marteleto. Betim, no caminho que vai das Minas à industrialização: a lógica da organização do espaço dos centros industriais metropolitanos. 2001. 186f. Dissertação (mestrado em Arquitetura) – Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/MMMD-A6RFBL. Acesso em: 27 maio 2020.

SALES, Izabella Fátima Oliveira de. Gente intratável ou fiéis vassalos do rei: poder, motins e armas em Pitangui (1715-1760). Tese (doutorado em História). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017. Disponível em: http://repositorio.ufjf.br:8080/jspui/bitstream/ufjf/7212/1/izabellafatimaoliveiradesales.pdf. Acesso em: 30 maio 2020.

SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de. A formação e a fixação da língua portuguesa em Minas Gerais: a toponímia da Região do Carmo. 2004. 368 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/ALDR-64KQ9A. Acesso em: 30 maio 2020.

SEABRA, M. C. T. C. Referência e Onomástica. In: MAGALHÃES, J. S. de; TRAVAGLIA, L. C. (Org.). Múltiplas perspectivas em linguística: Anais do XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística (XI SILEL). Uberlândia: ILEEL, 2006. p. 1953-1960.

VIARO, Mário Eduardo. Etimologia. São Paulo: Contexto, 2011.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i3.35087

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Jeander Cristian da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.