A maçonaria e os movimentos de insurreição do período colonial do Brasil: a questão da difusão social da escrita

André Luiz Alves Moreno

Resumo


Propõe-se, aqui, mais uma via para a compreensão do fenômeno da difusão social da escrita na história do Brasil colonial e pós-colonial: os movimentos de insurreição e a sua relação com a inserção da maçonaria no território brasileiro. Com base na mensuração dos índices de alfabetismo e na análise da circulação da escrita no contexto das sedições ocorridas em finais do período colonial – a saber, a Inconfidência Mineira (1789), a Revolta dos Letrados (1794) e a Conspiração dos Alfaiates (1798) –, foi possível identificar a intensa presença do universo maçônico neste contexto e sua efetiva contribuição para a inserção das camadas subalternas da população colonial no universo da cultura escrita.


Palavras-chave


Brasil. História da Cultura Escrita. Difusão social da escrita. Movimentos de Insurreição. Maçonaria.

Texto completo:

PDF

Referências


BARATA, Alexandre Mansur. Maçonaria, sociabilidade ilustrada e independência do Brasil: 1790-1822. Juiz de Fora: Ed. UFJF; São Paulo: Annablume, 2006.

CALMON, Pedro. Apresentação. Hipólito José da Costa e a imprensa no Brasil. Catálogo de exposição. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, sn, 1974.

HOUAISS, Antônio. O português no Brasil. Rio de Janeiro: UNIBRADE, 1985.

JANCSÓ, István. A sedução da liberdade: cotidiano e contestação política no final do século XVIII. In: SOUZA, Laura de Mello e (org.). História da Vida Privada no Brasil: Cotidiano e Vida Privada na América Portuguesa. Vol. 01. Coleção dirigida por Fernando A. Novais. São Paulo: Cia das Letras, 1997. p. 387-437.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Uma interpretação para a generalizada difusão da língua portuguesa em território brasileiro. Gragoatá, Niterói, v. 9, p. 11-27, 2000.

MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal: paradoxo do Iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

MORENO, André Luiz Alves. Escrita (In)surgente: distribuição social da escrita em conjunturas sediciosas do Brasil de finais do período colonial. Tese (Doutorado em Língua e Cultura). Universidade Federal da Bahia, 2019.

OLIVEIRA, Klebson. Negros e escrita na Bahia do século XIX: sócio-história, edição filológica de documentos e estudo lingüístico. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006. 4 v.

QUINTÃO, Antônia Aparecida. Irmandades negras: outros aspectos de luta e resistência (São Paulo: 1870/1890). São Paulo: Annablume/FAPESP, 2002.

REIS, João José. Identidade e diversidade étnicas nas irmandades no tempo da escravidão. Tempo, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 7-33, 1997.

REIS, João José (2003). Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos malês em 1835. Ed. revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras.

BIBLIOTECA NACIONAL. Hipólito José da Costa e a Imprensa no Brasil: Catálogo de Exposição. Rio de Janeiro, 1974.

SANTOS, Joaquim Felício dos. Memórias do Distrito Diamantino. 4. ed. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1976.

VILLALTA, Luiz Carlos. Reformismo ilustrado, censura e práticas de leitura: usos do livro na América Portuguesa. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v7iespec.38000

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 André Luiz Alves Moreno

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.