Indícios de circulação da cultura escrita em contextos sediciosos de finais do Brasil colonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24206/lh.v9i2.54532

Palavras-chave:

Linguística Histórica. História da Cultura Escrita no Brasil. Circulação da escrita. Movimentos sediciosos. Século XVIII.

Resumo

Este texto apresenta indícios sobre o processo de circulação da escrita nos movimentos de insurreição de finais do período colonial, com base nos processos devassatórios da Inconfidência Mineira (1789), da Revolta dos Letrados (1794) e da Conspiração dos Alfaiates (1798). Parte-se dos pressupostos teórico-metodológicos do campo da História da Cultura Escrita, uma forma específica de História Cultural, que compreende quaisquer manifestações humanas como passíveis de serem objetos de estudo da ciência histórica. Para a grande área da Línguística Histórica especificamente, as pesquisas sobre a difusão social e a circulação da escrita são fundamentais, pois forcenem contributo substancial para a contextualização das fontes e dos perfis sociológicos de quem leu e escreveu nos idos do Brasil, dando-nos margens de análise mais aproximadas das facetas diacrônicas do português que aqui foi introduzido, se difundiu e se consolidou.  

 

Biografia do Autor

André Luiz Alves Moreno, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Possui Doutorado e Mestrado em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, desenvolvendo pesquisas sobre a difusão social da escrita em conjunturas sediciosas. Realizou Estágio Pós-Doutoral em Variação e Mudança Linguística no Português pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, do Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Feira de Santana. É Licenciado e Bacharel em Letras Vernáculas. Vincula-se ao Programa para a História da Língua Portuguesa (PROHPOR - CNPQ/UFBA), coordenado pela Professora Doutora Juliana Soledade. Dentre suas várias temáticas de investigação, interessa-se pela reconstituição histórica da difusão social da escrita no Brasil, principalmente em relação aos períodos colonial e imperial. Dedica-se, também, à reconstituição da história social da escrita na região da Chapada Diamantina, coordenando o Projeto "Escritas Diamantinas: Programa de Estudos em História, Sociedade e Cultura Escrita na região da Chapada Diamantina-BA", desenvolvido no âmbito da Universidade do Estado da Bahia, onde é atualmente Professor. Atua nas áreas de Filologia, História da Cultura Escrita e Linguística Histórica.

Referências

ARAÚJO, Ubiratan Castro de. A Bahia no tempo dos Alfaiates. In: ARAÚJO, Ubiratan Castro de & et. al. II Centenário da Sedição de 1798 na Bahia. Salvador/Brasília, Academia de Letras da Bahia/MinC, 1999.

Autos da Devassa da Inconfidência Mineira – ADIM, v.3. 2a ed. Brasília: Câmara dos Deputados; Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1982.

BARCELLAR, Carlos. Fontes documentais: uso e mau uso de arquivos. In: PINSKY, Carla Bassanezi (Org.). Fontes Históricas. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2010.

BURKE, Peter. A revolução francesa da historiografia: a Escola dos Annales (1929-1989). São Paulo: Ed. UNESP, 1992.

CASTILLO GÓMEZ, Antonio. Historia de la cultura escrita: ideas para el debate. Revista Brasileira de História da Educação, n. 5, janeiro/junho, 2003. p. 94-124.

CUNHA, Alexandre Mendes. Espaço, paisagem e população: dinâmicas espaciais e movimentos da população na leitura das vilas do ouro em Minas Gerais ao começo do século XIX. Rev. Bras. Hist., v.27, n.53, 2007. p.123-158.

FLEXOR, Maria Helena Ochi et al. Autos da Devassa da Conspiração dos Alfaiates. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo/Arquivo Público do Estado da Bahia. 2 v., 1998.

FURTADO, João P. O manto de Penélope: História, mito e memória da Inconfidência Mineira de 1788-9. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

FURTADO, João Pinto. Inconfidências e conjurações no Brasil; notas para um debate historiográfico em torno dos movimentos do último quartel do século XVIII. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Fátima (Org.). O Brasil Colonial, v. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Histórias das culturas do escrito: tendências e possibilidades de pesquisa. In: CARVALHO, Gilcinei Teodoro; MARILDES, Marinho (Org.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. p. 218-248.

LOBO, Tânia. Arquivos, acervos e a reconstrução histórica do português brasileiro. In: OLIVEIRA, Klebson; SOLEDADE, Juliana; FERNANDES, Hirão (Orgs.). Do português arcaico ao português brasileiro: outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 305-327.

MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Da Revolução dos Alfaiates à riqueza dos baianos no século XIX: itinerário de uma historiadora. Salvador: Corrupio, 2004.

MAXWELL, Kenneth. A Devassa da Devassa: A Inconfidência Mineira, Brasil - Portugal, 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

MOREIRA, Marcello. Litterae Adsunt: cultura escribal e os profissionais produtores do manuscrito sedicioso na Bahia do século XVIII. Politeia, Vitória da Conquista, v. 4, n. I, 2004. p. 105-133.

MOREIRA, Marcello. Critica Textualis in Caelum Revocata? Uma Proposta de Edição e Estudo da Tradição de Gregório de Matos e Guerra. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

MORENO, André Luiz Alves. Escrita (In)surgente: distribuição social da escrita nos movimentos sediciosos do Brasil de finais do período colonial. Tese (Doutorado em Língua e Cultura). Universidade Federal da Bahia, 2019. 2v.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e universo cultural na colônia: Minas Gerais 1716- 1789. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

RAMOS, Luís A. de Oliveira. Un regard monastique sur la revolucion française. In: La Revolucion Française vue par les Portugais. Paris, Centre culturel Portugais, 1990.

RODRIGUES, André Rodrigues. Sequestros de bens dos participantes da Inconfidência Mineira como fonte de pesquisa para a história do livro e das bibliotecas (1789). Rev. Bras. Hist., vol. 36, no. 18, ISSN 1980-4369, 2017.

SANTOS, Joaquim Felício dos. Memórias do Distrito Diamantino. 4. ed. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1976.

TUNA, Gustavo Henrique. Silva Alvarenga: representante das luzes na América portuguesa. Tese (Doutorado em História Social). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

VILLALTA, Luiz Carlos. Reformismo ilustrado, censura e práticas de leitura: usos do livro na América Portuguesa. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

VILLALTA, Luiz Carlos. 1789-1808 – O Império Luso-Brasileiro e os Brasis. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

VILLALTA, Luiz Carlos. Usos do livro no mundo luso-brasileiro sob as luzes: reformas. Censura e contestações. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Edição

Seção

Artigo - Dossiê "Diálogos entre a sócio-história do português e a história social da cultura escrita"