O Tópico-sujeito existencial: sobre as consequências da mudança da ordem do sujeito no Português Brasileiro

Elaine Alves Santos Melo, Giovana Pereira Abranches

Resumo


Neste trabalho, apresentamos uma análise das construções de tópico sujeito existencial, ou seja, aquelas que envolvem o alçamento de um DP [+locativo] para a posição de sujeito, [SPEC-TP], do verbo ter que expressa existência. Essas construções, prototípicas da gramática do Português Brasileiro, têm sido descritas como mais uma evidência para a mudança no Parâmetro do Sujeito Nulo pela qual passa o PB: tendência ao preenchimento de [Spec-TP]. Os resultados deste trabalho evidenciam que a implementação do tópico sujeito existencial é paulatina ao aumento da frequência de uso do ter existencial e que sua emergência é atrelada a uma leitura ambígua entre posse e existência. (ROBERTS; ROSSOU, 2003). A fim de desenvolver esta pesquisa, foram levantados dados de anúncios, cartas de leitores e cartas de redatores, publicados em jornais cariocas e baianos, nos séculos XIX e XX. Toda a amostra compõem os corpora do PHPB, que está disponível online. Para a análise diacrônica quantitativa utilizamos o Programa Goldvarb-X (SANKOFF; TAGLIAMONTE; SMITH, 2001) e os pressupostos da Teoria de Competição de Gramática (KROCH, 1989, 2001) e da Teoria Gerativa (CHOMSKY, 2000, 2001). 



Palavras-chave


Tópico-sujeito. Verbos existenciais. Português Brasileiro. Diacronia. Sintaxe Gerativa.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Lauro Maia; DI SANTI, Bianca Trindade. Norma padrão, norma culta e hibridismo linguístico em traduções de artigos no New York Times. Cad. Trad., Florianópolis, v. 39, nº 3, p. 111-131, set-dez, 2019.

AVELAR, Juanito Ornelas de. Gramática, competição e padrões de variação: casos com ter/haver e de/em no português brasileiro. Revista de Estudos da Linguagem, v. 14, nº 2, p. 99-143, 2006.

AVELAR, Juanito O. Inversão locativa e sintaxe de concordância no português brasileiro. Matraga-Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, v. 16, nº 24, p. 232-252, 2009.

AVELAR, Juanito; CALLOU, Dinah. Sobre a Emergência do Verbo Possessivo em Contextos Existenciais no Português Brasileiro. In: CASTILHO, Ataliba et al. (Orgs.). Descrição, História e Aquisição do Português Brasileiro. São Paulo: Editora Pontes, 2007, p. 375-402.

AVELAR, Juanito; CALLOU, Dinah. Sentenças existenciais e preenchimento de sujeito: indícios de mudança em progresso na fala culta carioca. In: SILVA, A.; TORRES, A.; GONÇALVES, M. (Org.). Línguas pluricêntricas: variação linguística e dimensões sociocognitivas. Braga: Publicações da Faculdade de Filosofia, 2011, p. 287-299.

AVELAR, Juanito; CALLOU, Dinah. Preservação e Mudança na História do Português: de Possessivo a Existencial. Matraga-Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, v. 19, nº 30, p. 224-235, 2012.

AVELAR, Juanito; CYRINO, Sonia. Locativos preposicionados em posição de sujeito: uma possível contribuição das línguas Bantu à sintaxe do português brasileiro. Linguística: Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, v. 3, p. 55-75, 2018.

BARBOSA, Afranio G. et al. (Ed.). Para uma História do Português do Brasil - UFRJ. Disponível em: https://sites.google.com/site/corporaphpb/home. Acesso em: 21 de jun de 2021.

BERLINCK, Rosane. A construção V SN no Português do Brasil: uma visão diacrônica do fenômeno da ordem. In: TARALLO, F. (Org.) Fotografias sociolingüísticas. Campinas: Pontes, 1989, p. 95-112.

BERLINCK, Rosane; DUARTE, Maria Eugênia L.; OLIVEIRA, M. Predicação. In: KATO, M.; NASCIMENTO, M. (Orgs.). Gramática do Português culto falado no Brasil. Campinas: Ed. da Unicamp, 2009. p. 97-188.

CALLOU, Dinah; AVELAR, Juanito. Sobre ter e haver em construções existenciais: variação e mudança no português do Brasil. Gragoatá, v. 5, nº 9, p. 85-100, 2000.

CALLOU, Dinah; AVELAR, Juanito. Preservação e mudança na história do Português: de ‘possessivo’ a ‘existencial’. Matraga-Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, v. 19, nº 30, 2012.

CAVALCANTE, Silvia Regina de Oliveira. Posição do sujeito e posição social: um caso de competição de gramáticas em cartas dos séculos XIX e XX. Filologia e Linguística Portuguesa, v. 16, nº 1, p. 147-170, 2014.

CHOMSKY, Noam. Lectures on government and binding. Dordrecht: Foris, 1981.

CHOMSKY, Noam. Minimalist inquiries: The framework (MITOPL 15). Step by step: Essays on minimalist syntax in honor of Howard Lasnik, p. 89-155, 2000.

CHOMSKY, Noam. Derivation by Phase. In: KENSTOWICZ, M. (Ed.). Ken Hale: A Life in Language. Cambridge, Mass: MIT Press, 2001. p. 1-52.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. Do pronome nulo ao sujeito pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil. In: ROBERTS, I; KATO, M. A. (Orgs.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993. p. 107-128.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. A perda do princípio “Evite Pronome” no português brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística). Instituição de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 1995.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. O sujeito expletivo e as construções existenciais. In: RONCARATI, C; ABRAÇADO, J. (Orgs.). Português brasileiro: contato lingüístico, heterogeneidade e história. São Paulo: 7 Letras, 2003. p. 123–131.

FARACO, Carlos. Alberto.; ZILLES, Ana. Maria. Para conhecer norma linguística. São Paulo:Contexto,2017. 224 p.

FERREIRA, Ana Emília Cordeiro Souto; CARVALHO, Carlos Henrique de. Escolarização e Analfabetismo no Brasil: Estudo das Mensagens dos Presidentes dos Estados de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Norte (1890-1930). In: XII Encontro de pesquisa em Educação do Centro-Oeste. Goiânia: UFG, 2014. p. 1-12.

GALVES, Charlotte. A Gramática do Português Brasileiro. Revista Línguas e Instrumentos Linguísticos, v.1, nº 1, p. 79-98, 1998.

GUEDES, Marymárcia; BERLINK, Rosane de Andrade (Orgs). E os preços eram commodos: anúncios de jornais brasileiros século XIX. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2000. Disponível em: https://sites.google.com/site/corporaphpb/home. Acesso em: 21 de jun de 2021.

HEINE, Bernd. Possession: cognitives sources, forces and gramaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

GUÉRON, Jacqueline. Inalienable possession, PRO-inclusion and lexical chains. In: GUÉRON, J; OBENAUER, H. G. ; POLLOCK, J.Y. (Eds.). Grammatical representation. Dordrecht: Foris, 1985. p. 43-86.

KATO, Mary A. A gramática do letrado: questões para a teoria gramatical. MARQUES, M. et al.(Orgs.). Ciências da linguagem: trinta anos de investigação e ensino, v. 30, p. 131-145, 2005.

KROCH, Anthony S. Reflexes of grammar in patterns of language change. Language variation and change, v. 1, nº 3, p. 199-244, 1989.

KROCH, Anthony. Syntactic Change. In. BALTIN, M.; COLLINS, C. (Eds.). The handbook of contemporary syntactic theory. Massachusetts: BlackWell, 2001. p. 699-729.

KROCH, Anthony. Mudança sintática. Tradução de Silvia Cavalcante, 2003. Disponível em: https://www.ling.upenn.edu/~kroch/papers/mudanca-sintatica.pdf. Acesso em: 21 de jun de 2021.

MACHADO, Anna Lyssa do Nascimento Donato. A diacronia da ordem VS no PB: estatuto informacional e outros fatores condicionadores. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

MARCUSCHI, Luíz Antônio. Linearização, cognição e referência: o desafio do hipertexto. Línguas e instrumentos lingüísticos, v. 3, p. 21-46, 1999.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Revista Linguagem & Ensino, v. 4, n. 1, p. 79-111, 2001.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

MARINS, Juliana Esposito. As repercussões da remarcação do Parâmetro do Sujeito Nulo: um estudo diacrônico das sentenças existenciais com ter e haver no PB e no PE. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes; MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. O português quinhentista: estudos lingüísticos. Salvador: EDUFBA, 2002.

MELO, Elaine Alves Santos. Construções de tópico sujeito: um caso de mudança na expressão da posse externa do PB. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

MELO, Elaine Alves Santos; CAVALCANTE, Silvia Regina de Oliveira. “O celular acabou a bateria”: uma análise descritiva e formal para o tópico sujeito. Alfa: Revista de Linguística, v. 64, 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/11583. Acesso em: 21 jun 2021.

PAYNE, Doris. L.; BARSHI, Immanuel. What, Where, How and Why. In: PAYNE, D. L.; BARSHI, I. (Orgs.). External Possession, v.1, 1999.

PONTES, Eunice. O Tópico no Português do Brasil. Campinas: Pontes, 1987

ROBERTS, Ian; ROUSSOU, Ana. Syntactic Change: A Minimalist Approach to Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2003

SANKOF, David; SMITH, Eric; TAGLIAMONTE, Sali. GoldVarb: A multivariate analysis application for Windows. University of York: Department of Language and Linguistic Science and Computer Services, 2001.

TARALLO, Fernando. Sobre a alegada origem crioula do português brasileiro: mudanças sintáticas aleatórias. In: ROBERTS, I.; KATO, M. A. (Eds.). Português Brasileiro, uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. p. 35-68.

VIEIRA, Silvia Rodrigues. Colocação pronominal. In: VIEIRA, Silvia Rodrigues; BRANDÃO, Silvia Figueiredo (Org.). Ensino de gramática, descrição e uso. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2016. p. 85-102.

VIEIRA, Silvia Rodrigues. Concordância verbal. In: VIEIRA, Silvia Rodrigues; BRANDÃO, Silvia Figueiredo (Orgs.). Ensino de gramática, descrição e uso. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2016. p. 121-146.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v7i2.44647

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Elaine Alves Santos Melo, Giovana Pereira Abranches

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.