Descrição e prescrição: sobre os usos gráficos e a ortografia em sincronias passadas

Autores

  • Maria Hozanete Alves de Lima Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Felipe Morais de Melo Instituto Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.24206/lh.v9i2.55278

Palavras-chave:

Grafemática História. Ideias ortográficas. Tratadistas. Língua escrita.

Resumo

A descrição dos usos gráficos e a prescrição ortográfica são dois motores que atravessam a pleno funcionamento toda a história da língua portuguesa, a datar do século XVI, com as primeiras obras metaortográficas, até os dias de hoje, com as pesquisas linguísticas ou a escola, por exemplo. São eles os propulsores deste trabalho, cujo objetivo é levantar uma reflexão, através de um repasse historiográfico, a respeito da presença dos tratados e tratadistas nas investigações de Grafemática Histórica voltadas para o português brasileiro (PB) de maneira a problematizar a contribuição dessas fontes para entender a engrenagem da língua escrita e da ortografia em sincronias passadas, sobretudo no Brasil. Para tanto, percorrem-se três etapas, cada qual fundamentada majoritariamente nas premissas e ideias de um autor ligado aos estudos diacrônicos: 1º. partindo de Ramírez Luengo (2012), um inventário de algumas pesquisas nacionais relacionadas ao PB na área da Grafemática Histórica; 2º. a apresentação do intrincado cenário histórico, no mundo lusófono, tanto das ideias ortográficas, com aporte central em Gonçalves (2013), quanto da sociedade brasileira; e 3º. a reflexão, nas trilhas provocadas por Morais de Melo (2018), acerca das pesquisas grafemáticas de orientação diacrônica voltadas ao PB em face do complexo quadro metaortográfico e extralinguístico exposto. O trabalho identifica uma prevalência do uso de tratadistas nas pesquisas em apreço e constata, nas veredas lusófonas, não só uma peculiar e bastante acentuada profusão de ideias ortográficas mas também uma realidade de bastante penúria social e educacional no Brasil. Do cruzamento desses resultados, repensa o papel dos tratadistas nos estudos da língua escrita em perspectiva diacrônica dirigidos ao PB. 

Biografia do Autor

Maria Hozanete Alves de Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora do Departamento de Letras e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Felipe Morais de Melo, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Professor de Língua Portuguesa do Instituto Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

ASSALIM, Clarice. A conservação de marcas gramaticais arcaicas em manuscritos e impressos do português do século XVII: ortografia e nexos de coordenação nos textos seiscentistas brasileiros. v. 1. 2007. 194f. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CABREJAS, Belén (Org.). Estudios sobre la historia de los usos gráficos en español. Lugo: Axac, 2014.

CHAVES DE MELO, Gladstone. Iniciação à Filologia e à Linguística Portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1971.

COUTINHO, Ismael de Lima. Pontos de Gramática Histórica. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1968.

FACHIN, Phablo Roberto Marchis. Práticas de escrita setecentistas em manuscritos da administração colonial em circulação pública no Brasil. 2011. 430f. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

GONÇALVES, Filomena. As ideias ortográficas em Portugal de Madureira Feijó a Gonçalves Viana (1734-1911). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação para a Ciência e Tecnologia, 2003.

GONÇALVES, Uilton dos Santos; FERREIRA, Permínio Souza. Aventura no reino das traças: contribuindo para uma história linguística da Bahia. In: MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia (Org.). Para a história do português brasileiro. Vol. II: Primeiros estudos. Tomo II. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 2001, p. 483-504.

HIGOUNET, Charles. História concisa da escrita. São Paulo: Parábola, 2003.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Reflexões e questionamentos sobre a constituição de corpora para o Projeto Para história do português brasileiro. In: DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia; CALLOU, Dinah (Orgs.). Para a história do português brasileiro: notícias de corpora e outros estudos. v. 4. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2002, p. 17-28.

MONTE, Vanessa Martins do. Documentos setecentistas: edição semidiplomática e tratamento das sibilantes. 2007. 395f. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

RAMÍREZ LUENGO, José Luis. Por sendas ignoradas. Estudios sobre el español del siglo XIX. Lugo: Axac, 2012a.

______. Trabajando en la frontera: reflexiones sobre la edición de textos históricos de bilingües hispano-portugueses. Revista de Investigación Lingüística, Múrcia, n. 15, 2012b. p. 103-129.

______. Una descripción del español de mediados del siglo XVIII. Edición y estudio de las cartas de M. Martierena del Barranco (1757-63). Lugo: Axac, 2013.

______. Algunos apuntes para la historia de la acentuación gráfica en español: el caso de Nicaragua en el siglo XVIII. In: DÍAZ MORENO, Rocío; ALMEIDA RAMÍREZ LUENGO, José Luis. La muerte de una letra: empleo y decadencia de la en la escritura del español (siglos XVI-XVIII). In: Diálogo de la Lengua, VII, 22-35, 2015a.

______, José Luis. Algunas notas sobre los usos gráficos del español escrito en Bolivia en los inicios del siglo XIX. In: Boletín de la Real Academia Española, Tomo XCV, Cuaderno CCCXII, jul./dic. 2015b.p. 431-452.

RIBEIRO, Ilza; REBOUÇAS, Soraia. As cartas da Santa Casa de Misericórdia – 1860 a 1863. In: DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia; CALLOU, Dinah (orgs.). Para a história do Português Brasileiro. Vol. IV – Notícias de corpora e outros estudos. Faculdade de Letras da UFRJ/FAPERJ: Rio de Janeiro, 2002, p. 49-60.

SANTIAGO-ALMEIDA, Manoel Mourivaldo. Grafemas e diacríticos em manuscritos setecentistas. Sobre o retorno à Filologia, diacronia e outros estudos. v. 10. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2003. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/anais/anais_360.html>. Acesso em: 14 mar. 2017.

SILVA, Maurício. O novo acordo ortográfico da língua portuguesa: o que muda, o que não muda. São Paulo: Contexto, 2009.

SOUZA, Vilma de Fátima Diniz de. Estudo do sistema ortográfico: uma análise descritivo-comparativa em documentos históricos do século XIX em São Luís do Maranhão. 2011. 340f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

TAVANI, Giuseppe. Antecedentes históricos: a ortografia da língua portuguesa. In: CASTRO, Ivo; DUARTE, Inês; LEIRIA, Isabel (Orgs.). A demanda da ortografia portuguesa: comentário do Acordo de 1986 e susídios para a compreensão da questão que se lhe seguiu. Lisboa: João Sá da Costa, 1987. p. 201-203.

TONIOLO, Ênnio José. Manuscritos da Vila Nova de Castro: um estudo filológico de documentos dos séculos XVIII e XIX. 2007. 433f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

VASCONCELLOS, José Leite de. Lições de Filologia Portuguesa. Rio de Janeiro: Livros de Portugal, 1959.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Edição

Seção

Artigo - Dossiê "Diálogos entre a sócio-história do português e a história social da cultura escrita"