EDUCAÇÃO NA ORDEM CONSTITUCIONAL BRASILEIRA: DA MONARQUIA À REPÚBLICA

Sérgio Montalvão

Resumo


Este artigo se propõe a fazer um esboço das relações entre a afirmação constitucional do direito à educação e as práticas decorrentes dessa afirmativa nas constituições brasileiras de 1824 e 1891, percorrendo a história da educação da Monarquia à República. A parte final arrisca-se a um debate sobre o legado educacional da Primeira República, que à luz da observação de Anísio Teixeira, se preocupou mais com a qualidade da educação pública do que com a sua extensão às diversas camadas da sociedade.

Palavras-chave


História da educação; Constituições brasileiras; Monarquia; República.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, José Ricardo Pires de. Instrução pública no Brasil (1500-1889): História e legislação, 2 ª ed. São Paulo: EDUSC, 2000.

AZEVEDO, Fernando de. A transmissão da cultura, 5ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1976.

BONAVIDES, Paulo & ANDRADE, Paes de. História constitucional do Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1991.

CARDOSO, Tereza Fachada Levy. A construção da escola pública no Rio de Janeiro imperial. Revista Brasileira de História da Educação, nº 5, janeiro/junho de 2003, pp. 195-212.

CARDOSO, Vicente Licínio. À margem da história do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1933.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v6i11.1633

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.