REFLEXÕES SOBRE POLÍTICAS DE ACESSO AO LIVRO E À LEITURA LITERÁRIA EM CINCO MUNICÍPIOS FLUMINENSES

Patrícia Corsino, Claudia Pimentel, Mônica Pinheiro Fernandes

Resumo


Este artigo apresenta parte dos resultados de pesquisa Programa Nacional de Biblioteca naEscola- PNBE-2005: seleção, escolha, acesso e apropriação do acervo em escolas do Estadodo Rio de Janeiro (PPGE-UFRJ). O campo empírico da pesquisa foi constituído a partir dealguns procedimentos metodológicos, tais como entrevistas semiestruturadas e grupos focaiscom os responsáveis pelos projetos de livro e leitura nas escolas e nas Secretarias Municipaisde Educação. Conclui-se que conjugar livro de qualidade, espaço organizado para os livros eambiente de leitura que ampliem leituras das crianças exige ações e continuidade, sendo aformação do professor-leitor fundamental.

Palavras-chave


Políticas; leitura literária; formação do professor.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 11 ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

BATISTA, Antonio Augusto Gomes. Os professores são ‘não-leitores'?, In: MARINHO, Marildes e SILVA, Ceris Salete da (orgs). Leituras do professor. Campinas: Mercado de letras, 1998.

BRASIL. Plano Nacional do Livro e Leitura. Brasília, dezembro, 2006.

CHARTIER, Histórica cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S. A, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S. A., 1989.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v6i12.1640

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.