Jérôme Bel e o grau zero: dançar, ensinar, viver

Angelica Vier Munhoz

Resumo


O propósito inicial deste ensaio é uma aproximação das obras do coreógrafo contemporâneo francês Jérôme Bel, mais especificamente, de três delas: Véronique Doisneau (2004), Pichet klunchun and myself (2005) e Gala (2015). Não se tem por objetivo realizar uma análise dessas obras, tampouco adentrar no trabalho técnico do coreógrafo, mas colocar tais obras em suspensão, ou melhor, provocar uma redução em expansão, tal qual a proposta de sua exposição 3’. 30”. 3’. 30”. 3h, no Musée de la Danse, na França, em 2011. Por fim, busca-se uma aproximação do procedimento de Bel com a docência, tomando-se Roland Barthes como intercessor. Uma redução ao grau zero da dança é o que propõe Bel. Uma redução ao grau zero da docência é o convite que, em última instância, este artigo se propõe a pensar.


Palavras-chave


dança, docência, Jérôme Bel

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v13i27.16742

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.