Do falso luxo à miséria geral: cidades (in)visíveis

Cíntia Borges de Almeida

Resumo


A proposta do trabalho visa problematizar as representações de cidade moderna e uma busca pelo controle da população que circulava nesse espaço em transformação a partir dos projetos de reforma urbana pensados para a cidade do Rio de Janeiro, nas primeiras décadas do século XX. Pela análise dos discursos (FOUCAULT, 2001), a partir da imprensa carioca e por via das crônicas publicadas pelo literato Lima Barreto, na revista Careta, compreende-se a educação formal como parte de um projeto civilizatório, imbricada a um projeto urbanístico de cidade. Contudo, verifica-se, nas reformas implementadas pelos poderes públicos, a divisão da cidade entre o desenvolvimento do centro urbano e as mazelas do subúrbio e das favelas, evidenciando uma forjada modernidade observada pelo direcionamento de mais investimentos na cidade para se ver do que na cidade para se viver.


Palavras-chave


Rio de Janeiro; Impressos; Modernidade Republicana.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. B. Um paíz de poucas lettras? Experiências de educabilidade, instrução obrigatória e analfabetismo na “Cidade Maravilhosa” (1900-1922). 2018. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2018.

AZEVEDO, A. A grande reforma urbana do Rio de Janeiro: Pereira Passos, Rodrigues Alves e as ideias de civilização e progresso. Rio de Janeiro, RJ: Mauad, 2016.

BARBOSA, M. História cultural da imprensa: Brasil, 1900-2000. Rio de Janeiro, RJ: Mauad, 2007.

BARRETO, L. Recordações do escrivão Isaías Caminha. 5. ed. São Paulo, SP: Brasiliense, 1971.

BENCHIMOL, J. L. Pereira Passos: um Haussman tropical. Rio de Janeiro, RJ: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, 1992.

CÂMARA, S. Sob a guarda da República: a infância menorizada no Rio de Janeiro da década de 1920. Rio de Janeiro, RJ: Quartet, 2010

CARETA, 15 jan. 1921a.

CARETA, 26 nov. 1921b.

CHALHOUB, S. Trabalho, lar e botequim. 3. ed. Campinas, SP: Universidade de Campinas, 2012.

FON-FON, 3 jul.1920.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2000.

FOUCAULT, M. A Verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro, RJ: Nau, 2001.

JORNAL DO COMMERCIO, 22 ago. 1919.

KESSEL, C. A vitrine e o espelho: o Rio de Janeiro de Carlos Sampaio. Rio de Janeiro, RJ: Secretaria das Culturas, 2001.

MORAES, J. G. V. Cidade e cultura urbana na primeira república. 6. ed. São Paulo, SP: Atual, 1994.

O IMPARCIAL, 11 nov.1911.

O IMPARCIAL, 14 ago. 1912.

O IMPARCIAL, 24 mar. 1913a.

O IMPARCIAL, 30 ago.1913b.

O IMPARCIAL 30 jan. 1913c

O IMPARCIAL, 02 mai.1916.

O MALHO, 11 nov. 1911.

O MALHO, 30 ago. 1913.

O PAÍZ, 2 jun. 1919a.

O PAÍZ, 2 ago.1919b.

O PAÍZ, 3 ago. 1919c.

RESENDE, B. Lima: cronista do Rio. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2017.

ROCHA, O. P.; CARVALHO, L. A. A era das demolições: cidade do Rio de Janeiro: 1870-1920. Rio de Janeiro, RJ: Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, 1986.

SILVA, J. C. S. A reforma Fernando de Azevedo e o meio social carioca: tempos de educação nos anos 1920. In: VIDAL, D. G. (Org.). Educação e reforma: o Rio de Janeiro nos anos 1920-1930. Belo Horizonte, MG: Argumentum, 2008. p. 111-43.

SILVA, J. C. S. Teatros da modernidade: representações de cidade e escola primária no Rio de Janeiro e em Buenos Aires nos anos 1920. 2009. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2009.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v14i30.21048

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.