FORMAÇÃO HUMANA OU PRODUÇÃO DE RESULTADOS? TRABALHO DOCENTE NA ENCRUZILHADA

Eneida Oto Shiroma, Olinda Evangelista

Resumo


A metáfora da “encruzilhada” foi usada por Fernando de Azevedo, nos anos de 1920, para obscurecer os diferentes interesses de classes sob o litígio “tradicionais e renovadores” e definir o sentido burguês da escola pública. A encruzilhada de classe, então elidida por Azevedo, permanece e a essencial relação Capital-Trabalho tem sido dissolvida na designação “rico e pobre”. O debate proposto refere-se à encruzilhada do trabalho docente: produção de resultados ou formação humana. Baseadas em análises de documentos educacionais de Organizações Multilaterais, do Aparelho de Estado e numa literatura nacional e internacional, problematizamos as políticas destinadas aos professores, como as de recrutamento, avaliação, formação e gestão. Objetivamos colaborar para o esforço de compreender o horizonte do trabalho docente: compromisso com a educação da classe trabalhadora, promoção da contrainteriorização do projeto burguês, desalienação, formação da consciência crítica nos cursos de formação docente e nas lutas sociais, construção de um projeto histórico a contrapelo das demandas capitalistas. Concluímos que os professores são combatidos porque podem ensinar crianças, jovens e adultos a pensar historicamente de modo que questionem as relações sociais capitalistas e possam se ver como arquitetos do futuro, tendo como norte outra ordem social. 


Palavras-chave


Professor, Trabalho Docente, Política Educacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALGEBAILE, Eveline. A expansão escolar em reconfiguração. Revista Contemporânea de Educação, Rio de janeiro, v. 8, n. 15, p. 198-216, jan./jul. 2013. Disponível em: http://www.revistacontemporanea.fe.ufrj.br/index.php/contemporanea/article/view/374/212. Acesso em: 13 fev. 2014.

ALGEBAILE, Eveline. Escola Pública e Pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

ALVES, Mari Celma Matos M. Rede Kipus e formação docente na América Latina e Caribe: do protagonismo à subordinação. 2011. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação)--Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC, 2011.

ARELARO, Lisete Regina Gomes; JACOMINI, Márcia Aparecida; KLEIN, Sylvie Bonifácio. O ensino fundamental de nove anos e o direito à educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 35-51, jan./abr. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v37n1/v37n1a03.pdf. Acesso em: 11 ago. 2013.

AZEVEDO, Luiz Alberto; COAN, Marival. O ensino profissional no Brasil: atender os pobres e desvalidos da sorte e incluí-los na sociedade de classes - uma ideologia que perpassa os séculos XX e XXI. Trabalho Necessário, Niterói, RJ, ano 11, n. 16, p. 1-28, 2013. Disponível em: http://www.uff.br/trabalhonecessario/images/TN%201607%20-%20Artigo%20Luiz%20Alberto%20Azevedo%20e%20Marival%20Coan.pdf. Acesso em: 13 fev. 2014.

BANCO MUNDIAL. Atingindo uma Educação de Nível Mundial no Brasil: próximos passos- sumário executivo. 2010. Disponível em:

REXTN/Resources/38171661293020543041/ESummary_Atingindo_Educacao_nivel_Mundial_Brasil_DEZ2010.pdf"target="_blank">http://siteresources.worldbank.org/BRAZILINPO-

REXTN/Resources/38171661293020543041/ESummary_Atingindo_Educacao_nivel_Mundial_Brasil_DEZ2010.pdf. Acesso em: 01 dez. 2012.

BANCO MUNDIAL. Estrategia de educación 2020 del Banco Mundial: versión preliminar del resumén, Washington, 2011. Disponível em: http://siteresources.worldbank.org/EDUCATION/Resources/ESSU/463292-1269917617150/6915424-1279137061297/ExecSummary_Spanish.pdf. Acesso em: 25 jan. 2014.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v10i20.2730

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Revista Contemporânea de Educação



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.