Variação e Tradição: uma análise do Tu e Você na posição de sujeito em cartas de pernambucanos (1860-1989)

Elizabhett Christina Cavalcante da Costa, Valéria Severina Gomes, Cláudia Roberta Tavares Silva

Resumo


A presente pesquisa pretende analisara variação das formas de tratamento Tu eVocê em 189 cartas de pernambucanos dos seguintes subgêneros: amor, amigo e família, compreendidas nos séculos XIX e XX (1860-1989). Para tal, apoia-se na perspectiva da linguística sócio-histórica do Português brasileiro e nas Tradições Discursivas (KOCH E OESTERREICHER, 2006). Nesse sentido, através da variação no emprego de Tu Vocêe de marcas de TD presentes na composicionalidade das cartas pessoais de missivistas ilustres e não-ilustres, investiga-se o comportamento pronominal das formas de tratamento do paradigma de 2ª pessoa na posição nominativa considerando as ocorrências de variação e de tradição na natureza das correspondências. A pesquisa aporta-se na perspectiva teórico-metodológica quantitativa (LABOV, 1972 [2008]) para a análise dos dados de Pernambuco (PE) e na qualitativa para averiguar os fatores sociopragmáticos (CONDE SILVESTRE, 2007; BROWN; GILMAN, 1960) que motivam a variação. Para isso, consideraram-se na análise os seguintes contextos na posição de sujeito: I. Tu-exclusivo; II. Você-exclusivo; III. a variação (Tu~Você). Diante da análise dos dados, verificaram-se: a) o emprego pronominal que remete às TD na composição das cartas pessoais; b) o uso predominante das formas Tu ou Você exclusivosem cartas de escreventes ilustres sobretudo entre as décadas de 1880 a 1930, e c) a variaçãoTu~Você foi mais produtiva em cartas da segunda metade do século XX, principalmente, em missivas de escreventes em relação simétrica. 

Palavras-chave


Formas de tratamento; Cartas pessoais; Variação; Tradições discursivas; Sócio-história.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros discursivos. In: ______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BROWN, Roger; GILMAN, Albert.The pronouns of power and solidarity.In:SEBEOK, Thomas Albert (Ed.). Style in Language. Cambridge: Massachusetts, The MIT Press, 1960. p. 253-276.

COSERIU, Eugenio. Sincronia, diacronia e história: o problema da mudança linguística. Rio de Janeiro: Presença, 1979.

COSTA, Alessandra Castilho da. Ação – Formulação – Tradição: A correspondência de Câmara Cascudo a Mário de Andrade de 1924 a 1944, entre proximidade e distância comunicativa. In: MARTINS, Marco Antônio; TAVARES, Maria Alice (Org.). História do português Brasileiro no Rio Grande do Norte: análise linguística e textual da correspondência de Luís da Câmara Cascudo a Mário de Andrade – 1924 a 1944. Natal: EDUFRN, 2012.

COSTA, Elizabhett Christina Cavalcante da; SILVA, Cláudia Roberta Tavares; GOMES, Valéria Severina. Marcas de oralidade na carta pessoal: apontando traços de tradição no discurso. In: IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais (SINALGE). Anais (on-line). Campina Grande: Realize Editora, V.1, 2017. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2017.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. A perda do princípio “Evite pronome” no português brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

______. The loss of the ‘avoid pronoum’ principle in Brazilian Portuguese. In: KATO, Mary Aizawa; NEGRÃO, Esmeralda Vailati (Eds.). Brazilian Portuguese and the nul lsubject parameter. Madrid: Iberoamericana, 2000. p. 17-36,

______. A evolução na representação do sujeito pronominal em dois tempos. In: PAIVA, Maria Conceição; DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. (Orgs.). Mudança linguística em tempo real. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, FAPERJ, 2003. p. 115-128.

FARACO, Carlos Alberto. Linguística histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

GOMES, Valéria Severina. Tradições discursivas, variação e mudança no sistema pronominal de tratamento do português brasileiro em cartas pessoais pernambucanas (séculos XIX e XX). Relatório de atividades acadêmicas do Estágio Pós-Doutoral em Letras Vernáculas, apresentado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Nov., 2014. 52 p.

HAUY, Amini Boainain. Gramática da Língua Portuguesa Padrão. São Paulo: Edusp, 2015.

KABATEK, Johannes. Os falantes como linguistas: tradición, innovación e interferências no galego actual. Edicionsxerais de Galicia, 1996.

______. Tradiciones discursivas y cambio linguístico. In: CIAPUSCIO, Guiomar; KONSTANZE, Jungbluth; KAISER, Dorothee.; LOPES, Célia Regina dos Santos (Eds.). Sincronía y Diacronía de Tradiciones discursivas en Latinoamérica. Frankfurt a.m.: Vervuert, 2006.

KOCH, Peter; OESTERREICHER, Wulf. Oralidade y escrituralidad a luz de la Teoria del Lenguage. In: ______. Lengua Hablada en La Romania: español, francés, italiano. Madrid; Editorial Gredos. 2006. p. 20-42.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre e Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 1972 [2008].

LONGHIN-THOMAZI, Sanderléia Roberta. Tradições Discursivas: conceito, história e aquisição. São Paulo: Cortez, 2014.

LOPES, Célia Regina dos Santos. Retratos da variação entre você e tu no português do Brasil: sincronia e diacronia. In: RONCARATI, Claúdia; ABRAÇADO, Jussara (Orgs.). Português Brasileiro II – contato linguístico, heterogeneidade e história. v. 2. Niterói: EDUFF, 2008. p. 55-71

______. Formas tratamentais em cartas escritas em Pernambuco (1869-1969): Tradição Discursiva e Sociopragmática. Revista de Estudos da Linguagem (RELIN), v. 24, n. 1, p. 157-189. 2016.

______. Tradição discursiva e mudança no sistema de tratamento do português brasileiro: definindo perfis comportamentais no início do século XX. Alfa,V. 55, n. 2, p. 361-392, 2011.

______.; CAVALCANTE, Silva Regina Oliveira. A cronologia do voceamento no português brasileiro: expansão de você-sujeito e retenção do clítico-te. Revista Linguística, v.25, p.30 – 65, 2011.

______.; RUMEU, Maria Cristina de Brito; CARNEIRO, Zenaide de Oliveira Novais. A configuração diatópica-diacrônica do sistema de tratamento do português brasileiro. Revista do Grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste, v.15, n. 1/2, p. 187-212, 2013.

MARTELOTTA, Mário Eduardo. Mudança linguística: uma abordagem baseada no uso. São Paulo: Cortez, 2011.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

PESSOA, Marlos de Barros. Da carta a outros gêneros textuais. In: DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia.; CALLOU, Dináh (Orgs.). Para a história do português brasileiro. Rio de Janeiro: UFRJ/LETRAS FAPERJ, 2002. p. 198-205.

RUMEU, Maria Cristina de Brito. Para uma História do Português no Brasil: Formas Pronominais e Nominais de Tratamento em Cartas Setecentistas e Oitocentistas. 2004. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

______. A implementação do ‘você’ no português brasileiro oitocentista e novecentista: um estudo de painel. 2008. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

______. Língua e sociedade: a história do pronome “Você” no português brasileiro. Rio de Janeiro: Ítaca, 2013.

SANTOS, Renata Lívia de Araújo; VITÓRIO, Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar. Uma rodada no Goldvarb X. In: COSTA, Januacele Francisca da; SANTOS, Renata Lívia de Araújo Santos; VITÓRIO, Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar Vitório (Orgs.). Variação e mudança linguística no estado de Alagoas. Maceió: Edufal, 2011.

SCHERRE, Maria Marta Pereira et al. Usos dos pronomes você e tu no português brasileiro, Comunicação apresentada no II Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa (SIMELP), Universidade de Évora, 2009.

SCHLIEBEN-LANGE, Brigitte. História do falar e história da linguística. Campinas: Ed. da Unicamp, 1993.

SOTO, Ucy. Cartas através do tempo: o lugar do outro na correspondência brasileira. Niterói: Ed. da UFF, 2007.

SOUZA, Janaina Pereira Fernandes de. Mapeando a entrada do você no quadro pronominal: análise de cartas familiares dos séculos XIX-XX. 2012. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006 [1968].




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v4i1.17490

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.