“Esta humilde e fraca pena” registra a tradição das cartas de amor do casal N e Z (1949)

Valéria Severina Gomes

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as tradições discursivas identificadas em vinte cartas de amor trocadas por um casal pernambucano na primeira metade do século XX. A abordagem das tradições discursivas é feita de acordo com as noções de proximidade comunicativa (KOCH; ÖESTERREICHER, 2007, 2013) e com a proposta de Longhin (2014), em que são abordadas as dimensões da tradicionalidade temática, composicional e dos modos de dizer. Os estudos realizados por Koch (1997), Kabatek (2006, 2012), Andrade e Gomes (2018), Rumeu (2013) e Gomes e Lopes (2014a, 2016) complementam a base teórica. Os resultados dessa análise, ainda que em caráter de amostra, revelam que as tradicionalidades temática, composicional e dos modos de dizer evidenciam as especificidades do propósito comunicativo da carta de amor.

Palavras-chave


Carta de amor; Tradição discursiva; Temática; Composicionalidade; Modos de dizer.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O.; GOMES, Valéria Severina. Tradições discursivas: reflexões conceituais. In: CASTILHO, Ataliba T. de; ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O.; GOMES, Valéria Severina (Coord.). História do português brasileiro: Tradições discursivas do português brasileiro: Constituição e mudança dos gêneros discursivos. v.7. São Paulo: Contexto, 2018.

BROWN, Roger; GILMAN, Albert. The pronouns of power and solidarity. In: SEBEOK, Thomas Albert (Ed.). Style in Language. Cambridge: Massachusetts, The MIT Press, 1960. p. 253-276. Disponível em: https://www.ehu.eus/seg/_media/gizt/5/5/brown-gilman-pronouns.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2019.

COULMAS, Florian. Escrita e sociedade. Tradução de Marcos Bagno. 1 ed. São Paulo: Parábola, 2014.

COSTA, Alessandra C. de. Ação – formulação – tradição: a correspondência de Câmara Cascudo a Mário de Andrade de 1924 a 1944, entre proximidade e distância comunicativa. In: MARTINS, Marco Antonio; TAVARES, Maria Alice (Org.). História do português brasileiro no Rio Grande do Norte: Análise linguística e textual da correspondência de Luís da Câmara Cascudo a Mário de Andrade – 1924 a 1944. Natal RN: EDUFRN, 2012.

COSTA, Elizabhett Christina Cavalcante da. Cartas pessoais de pernambucanos dos séculos XIX e XX: o comportamento das formas de tratamento tu e você na posição de sujeito sob o enfoque da historicidade da língua e do texto. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019.

COSTA, Elizabhett Christina Cavalcante da; GOMES, Valéria Severina; SILVA, Cláudia Roberta Tavares. Variação e tradição: uma análise do Tu e Você na posição de sujeito em cartas de pernambucanos (1860-1989). In: LaborHistórico. Dossiê temático Tradições discursivas: faces e interfaces da historicidade da língua e do texto. v. 4, n. 1, 2018. p. 55-71. Disponível em: https://doi.org/10.24206/lh.v4i1.17490. Acesso em: 10 de maio de 2019.

GOMES, Valéria Severina; LOPES, Célia Regina dos Santos. Formas tratamentais em cartas escritas em Pernambuco (1869-1969): tradição discursiva e sociopragmática. In: Revista de Estudos da Linguagem. v. 24, 2016. p.157-189. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/6299. Acesso em: 10 de maio de 2019.

GOMES, Valéria Severina; LOPES, Célia Regina dos Santos. Variação entre formas dos paradigmas de tu-você em cartas pernambucanas dos séculos XIX e XX. In: Revista do GELNE. v.16, 2014a. p. 1-15. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/gelne/article/view/11626. Acesso em: 10 de maio de 2019.

GOMES, Valéria Severina. Tradições discursivas, variação e mudança no sistema pronominal de tratamento do português brasileiro em cartas pessoais pernambucanas (séculos XIX e XX). Relatório de atividades acadêmicas do Estágio Pós-Doutoral em Letras Vernáculas. Programa de Pós-graduação em Letras Vernáculas – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - UFRJ, Rio de Janeiro, 2014b.

KABATEK, Johannes. Tradições discursivas e mudança linguística. In: LOBO, Tânia et al. (Orgs.). Para a história do português brasileiro. Salvador: Edufba, 2006.

KABATEK, Johannes. Tradição discursiva e gênero. In: LOBO, Tânia et al. (Org.). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 579-588.

KOCH, Peter; ÖESTERREICHER, Wulf. Linguagem da imediatez–linguagem da distância: oralidade e escrituralidade entre a teoria da linguagem e a história da língua. Tradução: Hudinilson Urbano e Raoni Caldas. Revista Linha D’Água, n. 26, 2013. p. 153-174. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/55677/60935. Acesso em: 10 de maio de 2019.

KOCH, Peter; ÖESTERREICHER, Wulf. Oralidad e escrituralidad a luz de la Teoria delLenguage. In: KOCH, Peter; ÖESTERREICHER, Wulf (Ed.) Lenguahablada em laRomania: español, francês, italiano. Madrid: Editorial Gredos, 2007. p. 20-47.

LONGHIN-THOMAZI, Sanderléia Roberta. Tradições Discursivas: conceito, história e aquisição. São Paulo: Cortez, 2014.

LOPES, Célia Regina dos Santos. A história da família Ottoni nas linhas e entrelinhas. In: LOPES, Célia Regina dos Santos (Org.). A Norma Brasileira em Construção: Fatos linguísticos em cartas pessoais do século 19. Rio de Janeiro: UFRJ, Pós-Graduação em Letras Vernáculas: FAPERJ, 2005. p. 15-21.

MACHADO, Ana Carolina. As formas de tratamento no teatro do Rio de Janeiro nos séculos XIX e XX. In: Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 60, n. 3, set./dez. 2018. p. 647-668. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8651428/18801. Acesso em: 10 de maio de 2019.

RUMEU, Márcia C. B. Língua e sociedade: a história do pronome “Você” no português brasileiro. Rio de Janeiro: Ítaca, 2013.

SILVA, Aldeir Gomes da; GOMES, Valéria Severina. Os subgêneros da carta pessoal em correspondências pernambucanas da primeira metade do século XX In: Gelne 40 anos: Experiências teóricas e práticas nas pesquisas em Linguística e Literatura.1 ed. São Paulo: Blucher, 2017. p. 207-229.

SILVA, Jane Q. G. Um estudo sobre o gênero carta pessoal: das práticas comunicativas aos indícios de interatividade na escrita dos textos. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Letras – Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/padrao_cms/documentos/profs/romulo/UM%20estudo%20sobre%20o%20g%C3%AAnero%20carta%20pessoal%20de%20JANE%20QUINTILIANO.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2019.

SOUZA, Janaína Pedreira Fernandes de. Mapeando a entrada do você no quadro pronominal: análise de cartas familiares dos séculos XIX-XX. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Letras Vernáculas – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.laborhistorico.letras.ufrj.br/Mestrado/SouzaJPF.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2019.

XIMENES, Expedito Eloísio. Fraseologias jurídicas: estudo filológico e linguístico do período colonial. Curitiba: Appris, 2013.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5iEspecial.25536

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.