Americanus pinxit: os artistas da Real expedição botânica do Novo Reino de Granada (1783-1816) desde a epistemologia visual

Juan Ricardo Rey-Márquez

Resumo


Os desenhos feitos para a Real expedição botânica do Novo Reino de Granada (1783-1816) são vistos como exemplos de um gênero de representação particular dedicado ao estudo do reino vegetal. Mas o seu conteúdo vai além do trabalho específico numa empresa científica. Nesses desenhos é apontada a importância do olhar botânico, pela evidente colaboração em equipe do cientista e do artista, o que lembra a ideia da arte como ancilla ecclesiae, mas neste caso a serviço da ciência. A densidade da obra Oficina de pintores apresenta um caso em que os desenhos parecem ter o objetivo de substituir os espécimes vivos. É apropriado restringir a visão deste grupo excepcional à ilustração científica? Ao reduzir a sua produção a simples ilustrações, não se está negando a contribuição da arte à ciência ao pensá-la como ancilla scientiae? Se pensarmos no conforto das classificações historiográficas, a resposta é sim. Mas se pensarmos em um sentido amplo a resposta é negativa. O trabalho das imagens como fontes junto às representações escritas propõem uma utilização do visual que mistura a arte e a ciência, pois esses desenhos botânicos apresentam um problema de conhecimento através da imagem, porém um exemplo de epistemologia visual.


Palavras-chave


Expedição botânica do Novo Reino de Granada. Epistemologia visual. historiografia da arte.

Texto completo:

PDF

Referências


AMAYA, José Antonio. Mutis, apóstol de Linneo: historia de la botánica en el virreinato de la Nueva Granada, 1760-1783. Dois volumes. Bogotá: Instituto Colombiano de Antropologia e Historia, 2005.

AMAYA, José Antonio; GONZÁLEZ, Beatriz. Pintores, aprendices y alumnos de la Expedición Botánica. Revista Credencial Historia, Bogotá, núm. 74, febrero 1996, (número especial monográfico).

BREDEKAMP, Horst; DÜNKEL, Vera; SCHNEIDER, Birgit. The technical image: a history of styles in scientific imagery. Chicago: The University of Chicago Press, 2015.

GONZÁLEZ BUENO, Antonio. La Naturaleza en imágenes. Los pintores de la Flora del Nuevo Reyno de Granada (1783-1816). In: OZONAS, B. Ribas (edit.). José Celestino Mutis en el bicentenario de su fallecimiento (1808-2008). Madrid: Monografías de la Real Academia de Farmacia, 26, 2009.

HAMY, Ernest-Théodore (ed.). Lettres américaines d'Alexandre de Humboldt (1798-1807). Paris: E. Guilmoto, 1905.

HERNÁNDEZ DE ALBA, Guillermo, (comp.). Archivo epistolar del sabio naturalista don José Celestino Mutis. 2 Tomos (1 y 2, segunda edición). Bogotá: Instituto Colombiano de Cultura Hispánica / Ediciones del segundo centenario de la Real Expedición Botánica, 1983.

KLINKE, Harald (ed.). Art Theory as Visual Epistemology. Newcastle upon Tyne. Cambridge Scholars Publishing, 2014.

MANTILLA, Luis Carlos O. F. M. Recordación del pintor Salvador Rizo 180 años después de su sacrificio. Revista Academia colombiana de la ciencia, Bogotá, Vol. XX, Núm. 78, noviembre, p. 519-525, 1996.

MEYERS, Amy R. W., 1997. “The perfecting of natural history”. Mark Catesby’s Drawings of American Flora and Fauna in the Royal Library, Windsor Castle. In: Mark Catesby’s Natural History of America, Catálogo de la exposición, Londres, Merrel Holberton/ The Houston Museum of Art, 1997.

DASTON, Lorraine; GALISON, Peter. Objectivité. Bruselas: Les presses du réel, 2012.

STAFFORD, Barbara. Artful Science: Enlightenment and the Eclipse of the Visual Education. Cambridge M. A., M.I.T. Press, 1994.

VALENZUELA, Eloy; PÉREZ ARBELÁEZ, Enrique (edit.). Primer diario de la Real Expedición Botánica del Nuevo Reino de Granada. Bogotá, Instituto Colombiano de Cultura Hispánica, 1983.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i2.32394

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Juan Ricardo Rey Márquez

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.