O lugar do jornalismo na constituição do discurso e do campo da gastronomia no Brasil

Renata Maria do Amaral

Resumo


O objetivo deste artigo é identificar de que forma o jornalismo acompanha e influencia a constituição do discurso e do campo da gastronomia no Brasil. Analisamos como a culinária cede espaço para a gastronomia nas páginas do Jornal do Brasil (1960-1997), por meio da coluna À mesa, como convém (1975-1997), e da Folha de S.Paulo (1960-1992), por meio da primeira versão do caderno Comida (1988-1992), em um momento que denominamos de virada gastronômica. Comparamos a fase da virada com o período anterior para compreender as mudanças que ela traz. Lançamos mão dos conceitos de discurso de Michel Foucault e de campo de Pierre Bourdieu. A entrada do tema na ordem discursiva coexiste com as disputas pela consolidação do campo, tanto no jornalismo, em que o tema precisa brigar por espaço (literalmente) nas páginas com outros assuntos, quanto na gastronomia, em que novos atores passam a lutar pela importância da valorização da profissão.


Palavras-chave


Gastronomia; Jornalismo gastronômico; Culinária.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Renata Maria do Amaral

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.