CONTEXTO E SENTIDO ONTOLÓGICO, EPISTEMOLÓGICO E POLÍTICO DA INVERSÃO DA RELAÇÃO EDUCAÇÃO E TRABALHO PARA TRABALHO E EDUCAÇÃO

Conteúdo do artigo principal

Gaudêncio Frigotto

Resumo

Este artigo expõe o contexto do debate no campo educacional no qual ocorre a inversão dos termos de   educação e trabalho para trabalho e educação. Um contexto de intensa disputa teórica e política que se efetiva no processo da Constituinte e da nova Lei de Diretrizes da Educação Nacional. A procedência do trabalho deriva de sua compreensão ontológica, epistemológica e ético política. O trabalho não é sinônimo de emprego, forma que ostenta nas relações sociais capitalistas, mas a atividade vital mediante a qual o ser humano produz e  reproduz  a sua vida. 

Detalhes do artigo

Seção
Número Temático: Avaliação educacional: desafios e perspectivas no cenário nacional e internacional
Biografia do Autor

Gaudêncio Frigotto, UERJ

Filósofo e pedagogo. Mestre e doutor em Educação. Professor titular de Economia Política da Educação naUniversidade Federal Fluminense (aposentado) e, atualmente, professor no Programa de Pós-Graduação emPolíticas Públicas e Formação Humana, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ANDERSON, Pery. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga. Escola e cidadania. Revista Carta Capital. São Paulo, 29 de agosto de 2012.

CALDART, Roseli Salete; PEREIRA, Isabel Brasil; ALENTEJANO, Paulo; FRIGOTTO, Gaudêncio (Orgs.). Dicionário de educação do campo. São Paulo, Expressão Popular, 2012.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola.Petrópolis: Vozes, 2000.

ENGELS, Friedrich. Discurso ao lado da tumba de Karl Marx. Blog de Debate ISKRA -- Teoria e Política Marxista. (Acesso em 5/7/2013).

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.